segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

O fundamentalismo é ridículo

O fundamentalismo anti-tabágico atacou em força em Espanha e virou cruzada. Esta medida é perfeitamente idiota. E se a empregada for fumadora? Pode fumar, mas os patrões não?
Perante a dúvida, em Portugal, as opiniões dos advogados dividem-se. Há quem defenda que uma empregada fumadora pode ser despedida com justa causa e quem afirme que isso é um exagero. Na casa dos patrões, só as empregadas podem fumar?Tenham dó!

A crise portuguesa vista da marquise


Os belgas, sem governo há 9 meses, reclamam entrada no Guiness Book of Records. Para dar mais força à reivindicação, fizeram uma manifestação a que chamaram “Revolução das Batatas Fritas”.
Portugal ameaça impedir a concretização das aspirações belgas. Apesar de termos um governo legitimamente eleito em Setembro de 2009, quase não damos por isso. Como previ noutro blog em Junho de 2009, após as eleições europeias, Portugal vive um grande imbróglio desde a eleição do actual governo. Manietado na sua minoria, com um elenco de ministros que fazem lembrar um governo sombra, tal o seu apagamento, uma oposição oportunista à espera do melhor momento para assumir o poder, a opinião pública navegando ao sabor das notícias dos jornais, Portugal está em depressão anímica que nenhum Prozac é capaz de debelar.
Os interesses corporativos aproveitam as circunstâncias para marcar posições. Alguns dizem , sem peias, ao que vêm. Outros fazem declarações dúbias de modo a não se comprometerem. Alguns pontas de lança mandam bitaites.
Alexandre Soares dos Santos , o sr Pingo Doce, chama mentiroso a Sócrates e mostra o seu júbilo perante uma eventual entrada do FMI no país.Sócrates responde, dizendo que não basta ser rico para ser educado. Passos Coelho vai a Viseu beijar a mão ao sr. Pingo Doce. Joe Berardo mostra-se favorável a uma nova ditadura. O governador do Banco de Portugal afirma que estamos em recessão e é de imediato repreendido por Ricardo Salgado, presidente do BES.
Qualquer notícia, susceptível de ajudar a levantar o ânimo dos portugueses, é desde logo apresentada, por grande parte da comunicação social, como excesso de optimismo ou manipulação do governo.
Pedro Passos Coelho, dois dias depois de recusar o apoio à moção do BE, anuncia que está disposto a apoiar uma moção do PCP, aumentando a pressão sobre o governo e apoiando os especuladores que nos conduziram a esta crise.
Paulo Portas, ressabiado pela reprimenda do líder laranja, encetou uma cruzada contra o PSD, acusando-o de ser igual a Sócrates.
O BE faz jogos florais e o PCP não abre o jogo.
O PS parece um quartel de bombeiros no Verão. Vai-se desgastando no combate aos incêndios.
Da sua marquise na rua do Possolo, Cavaco Silva vai assistindo a tudo, impassível. Quiçá divertido como um pirómano deslumbrado com um incêndio. Cuidado, senhor presidente! Anda aí um movimento anti-marquises, não vá Vocelência ser apanhado desprevenido e chamuscar-se...
Quem sabe se, perante a sua incapacidade em fomentar o diálogo entre partidos e parceiros sociais, este movimento não decide encetar a revolução do “ketch-up”? Dizem os apreciadores que liga bem com Batatas Fritas e é excelente para refogados em lume brando, tão ao gosto presidencial. O pior é se os cozinheiros deixam queimar o esturgido…

Figura da semana


Pela Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) passaram alguns dos nomes mais marcantes da arquitectura portuguesa do século XX. Alexandre Alves da Costa não é, provavelmente, dos mais conhecidos e badalados, mas além de ter sido um dos fundadores da agora FAUP, foi colega de uns, professor de outros e por todos admirado.
Recentemente jubilado, deu em Janeiro de 2010 a sua última aula. Melhor: a que devia ter sido a última aula, se um decreto do ministro Mariano Gago não tivesse permitido que os professores jubilados pudessem continuar a leccionar, desde que para tal sejam convidados. Alves da Costa foi convidado, vai continuar a dar aulas no Porto e em Coimbra e a trabalhar.

Terminou a aula que marcou o seu jubileu, perante uma assistência de notáveis - onde se encontrava o padrinho Manoel de Oliveira - com uma frase que merece uma séria reflexão:
“A única maneira de remover o obstáculo da identidade é deixarmos de ser primeiro portugueses, para existir primeiro como homens. Deixar de procurar a identidade para que sejamos nós, diferentes, em devir de desassossego, com a nossa força própria”.
Entre os seus projectos mais recentes encontra-se o de reorganização do Terreiro do Paço onde, na próxima sexta-feira, será inaugurado um espaço de esplanadas e restaurantes que pretendem dar alguma animação à praça lisboeta.

Morning call (3)

A boa notícia de hoje chegou-me via Atena. Vão lá ler e depois,se puderem, vejam a reportagem na RTP 1.

Late night wander (42)

Hoje apetece-me perguntar isto a Pedro Passos Coelho e a todos os profetas da desgraça que parecem ansiosos por ver o país afundar-se, para depois dizerem: "Eu tinha avisado..."
"A que novos desastres determinas
De levar estes reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhe destinas
Debaixo dalgum nome preminente?
Que promessas de reinos, e de minas
D'ouro, que lhe farás tão facilmente?
Que famas lhe prometerás? que histórias?
Que triunfos, que palmas, que vitórias? "

( Lusíadas- Episódio do Velho do Rstelo)