domingo, 20 de fevereiro de 2011

Salto à vara... com nota artística


Armando Vara entrou no centro de saúde. Cumprimentou as pessoas que esperavam pela sua vez para ser atendidas e entrou no gabinete da médica, armado em camisola amarela de ocasião . Estava com pressa. Precisava de um atestado médico e tinha o avião à espera. Quiçá para ir a uma consulta noutro país…
Estas atitudes não são, infelizmente, invulgares. Podia contar aqui outros casos. Invulgar terá sido a reacção de um doente inconformado com o desplante do ex-ministro. Apresentou queixa no livro de reclamações e fez muito bem. Presumo que, de seguida, tenha telefonado para a TVI a contar o episódio, mas não posso confirmar. Certo, é que a TVI foi ao local e deu a notícia no Jornal da Noite. Fez bem.
Tudo estaria dentro da normalidade ( um ex-ministro sem ética, denunciado por um cidadão com consciência cívica e uma médica subjugada pelo temor reverencial, incapaz de pôr Vara na rua e o mandar aguardar pela sua vez) não se desse o caso de o jornalista da TVI ter querido entrar pela via dos jogos florais. Não se limitou a cumprir o dever de informar, quis ter nota artística. Vai daí, pega no telemóvel, telefona para a directora do centro de saúde e dispara:
Então os amigos do primeiro ministro aqui podem passar à frente de toda a gente? ( cito de cor)
Borrou a pintura. Como o saltador de trampolim que tem a medalha de ouro quase garantida nos Jogos Olímpicos, mas decide fazer uma pirueta para impressionar o júri e a assistência, meteu ao barulho o primeiro-ministro. Estatelou-se. Aquilo que era uma boa notícia, passou a ser um exemplo de péssimo jornalismo.
A que propósito é que o primeiro-ministro é aqui chamado? Tem alguma relevância para a notícia? Este jornalista não é um estagiário, tem grande experiência profissional, não pode cometer um erro destes. Fica a impressão que o interesse dele não era dar a notícia da ocorrência, mas sim relacionar o acontecimento com o primeiro-ministro.
Manuela Moura Guedes saiu da TVI, mas deixou lá a sua impressão digital.

Herman (de) Enciclopédia

Herman José leva habitualmente três convidados ao seu programa de sábado à noite na RTP 1. Ontem, fingiu manter o figurino convidando os Anjos, que entraram em cena depois de mais de 30 minutos de tempo de antena concedidos a Pedro Passos Coelho. O líder laranja teve assim o privilégio de, em apenas 48 horas, ir ao “Perdoa-me” de Judite de Sousa e ao programa do Herman.
Ao contrário do que é habitual, Herman fez uma entrevista política. Desastrosa, assinale-se, mas que foi mais uma boa oportunidade para PPC tentar fazer passar as suas ideias.A RTP já terá começado a fazer campanha a favor de Coelho, ou foi só uma coincidência?
Uma coisa é certa: muito mal vai um país, quando os seus humoristas se prestam ao papel que Herman ontem desempenhou.

Os desígnios de Deus

Do convento, para Nova Iorque, graças ao Facebook.

Late night wander (41)

Faz hoje um ano, a Madeira era assolada por uma catástrofe que podia ter sido, pelo menos, atenuada. Porque o que escrevi há um ano em três posts dedicados ao tema, se mantém actual, apenas vos convido a recordá-los.