sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

"À burla"

Ora vejam como a Fernanda explica, bem explicadinha, a negociata dos contratos de associação.

Acabem com a nojeira, pá!

Por razões diversas, nunca abordei aqui o caso "Carlos Castro vs Renato Seabra". Quem costumava tratar desse assuntos no CR era a Brites, se bem se lembram.
Acontece, porém, que alguma comunicação social revela um prazer mórbido em dissecar o assunto até ao mais ínfimo pormenor. Tudo o que me interessa neste caso, já sei: um jovem de 21 anos, sedento de fama, matou um homem de 65 de uma forma bárbara. Essa é a notícia. Como tudo aconteceu, se há atenuantes ou agravantes, compete ao tribunal decidir. O resto é folclore.
Por isso, ao ler isto senti vómitos. Eu gostava é que as televisões tivessem coragem de discutir abertamente isto. Mas se calhar não dava muito jeito, porque as audiências podiam ressentir-se...

Desaparecidos

Não é uma blogonovela, nem um seriado. É uma nova rubrica que, dentro de dias, surgirá no CR para lembrar pessoas que, depois de terem sido presença assídua nos media e empolgado a opinião pública, se eclipsaram e caíram no esquecimento.

Por Baco e Dionísio!


Com o fim de semana à porta lembrei-me que, depois da tensão dos últimos dias, poderia escrever sobre o vinho, para animar as hostes.
Já experimentou pedir num desses bares que animam a noite lisboeta, uma garrafa de vinho? Se nunca o fez, experimente! Vai ver a cara da pessoa a quem fez o pedido e sentir-se como um bêbado que se enganou na porta da taberna.
Na noite lisboeta corre a insípida cerveja, o social whisky, o altaneiro gin, a democratizada vodka, ou o empertigado rum. Volteiam no ar os “shots”, integra-se, sorrateiro, o absinto, acampou a folgazona caipirinha, mas a entrada está vedada ao bom vinho.
Sendo entre todas estas bebidas, com excepção de algumas cervejas, a de mais baixo teor alcoólico, o bom vinho foi proscrito da noite e deixou de ser considerado “bebida socialmente correcta”- a não ser que venha seguido dos qualificativos Porto ou Madeira, esses sim com direito a acompanhar outras bebidas estrangeiras.
Mas se o leitor for daqueles que não desistem à primeira e obstinadamente procurar beber bom vinho num desses locais de culto da noite lisboeta, fica desde já avisado de dois pequenos pormenores: a oferta é pouco variada, de fraca qualidade e os preços avassaladores.
Na Bíblia podem encontrar-se 450 citações sobre o vinho, todas elas em defesa do precioso néctar, considerado bebida sagrada que todos devem ter direito a usufruir. Então, porque razão anda por aí gente a querer tirar-nos esse direito?

Ditaduras amigas

Os líderes ocidentais andam nervosos. A queda da ditadura amiga da Tunísia não veio em boa hora. Acresce que a ditadura do amigo Moubarak está a tremer. E, se cair, outras ditaduras amigas do ocidente podem ter o mesmo destino. Neste momento,do Eliseu à Casa Branca, ninguém pensa em exportar democracia. Apenas na melhor forma de evitar os danos causados pela queda das ditaduras amigas.

Late night wander (22)

Sejamos optimistas . Já só faltam cinco anos para nos vermos definitivamente livres dele.