quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Descubra as diferenças

Ai Agostinho, ai Agostinha
Que rico vinho
(Vai uma pinguinha)?
Este país perdeu o tino
A armar ao fino, a armar ao fino
Este país é um colosso
Está tudo grosso, está tudo grosso…”
( Ivone Silva e Camilo de Oliveira in Sabadabadu)

Em 1981, Ivone Silva e Camilo de Oliveira protagonizavam o casal “Agostinho”. Com humor e alguma lascívia, satirizavam a vida portuguesa no programa da RTP “Sabadabadu”. Alcoólicos mas divertidos, os Agostinhos eram optimistas, transmitiam boa disposição e puseram muita gente a cantar este refrão. Com as suas sátiras, a vida portuguesa ganhava cor e humor.
Trinta anos depois,o país perdeu o humor? Não! Deixou de ter quem o contagiasse e desse o exemplo de que a vida a rir se torna menos penosa. O casal mais televisivo do momento é este que aqui vemos em baixo.Ali, ou não há uma pitada de humor, ou falta comunicação.

O casal presidencial, só pela sua aparência, já é bem o espelho de Portugal. Mas quando os “Silvas” abrem a boca atiram-nos para o fundo, dão cabo da nossa auto estima e pioram a nossa imagem.
Porque não pensam antes de falar, (ou porque nos querem dar a ideia que não pensam antes de falar???)
Ontem, o candidato Cavaco deu um belíssimo exemplo. Não haverá melhor maneira de transmitir confiança aos portugueses e serenar os mercados, do que alertá-los para a possibilidade de uma “grave crise política”? Grande sinal de esperança, sem dúvida!

Pedro e o Lobo

Os portugueses estão tão fartos de ouvir falar da crise, que decidiram fazer orelhas moucas e, vai daí, passaram o mês de Dezembro a gastar à "tripaforra" Correram para as lojas a comprar presentes de Natal, para os stands a comprar automóveis como não faziam desde 2002 e quase esgotaram os stocks das lojas de artigos de luxo.
Das duas uma: ou os portugueses garantiram a imunidade à crise, graças a uma qualquer vacina, ou se lembraram da história de Pedro e o Lobo e não acreditaram nos avisos.
Há ainda uma terceira hipótese: Sócrates tinha razão para não entrar no cortejo de discursos catastrofistas da direita.

Late night wander (10)

No meu tempo os mercados chamavam-se Bolhão, Bom Sucesso, da Ribeira ou 28 de Maio e tinham rostos assim. Hoje em dia, os mercados não têm rosto e as vendedeiras foram substituídas por vigaristas de colarinho branco.