segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Nem uma mijinha, senhor Primeiro Ministro?


O governo esteve ontem reunido durante 11 horas. Seria de esperar que  no final da reunião fossem anunciadas as decisões e as medidas que vão ser tomadas para ajudar ao crescimento. Puro engano!
À hora do almoço o ministro da Propaganda veio anunciar que não seria feito nenhum comunicado no final “porque se tratava apenas de uma reunião de trabalho”.
Eu já desconfiava, mas Relvas veio confirmar que as reuniões de Conselho de Ministros servem  apenas para cada membro do governo lançar propostas para fornicar os portugueses. A coisa deve ser mais ou menos assim:
Cada ministro avança com uma ou mais propostas e o plenário vota. No final, as vencedoras são anunciadas em comunicado.
Mas ontem, apesar das 11 horas de duração do conclave,  não saiu nada. Nickles! Então pus-me a pensar nas razões que terão levado PPC a convocar o  conselho de ministros para um domingo.
Alinhavei algumas hipóteses que submeto à vossa votação:
- PPC estava farto de aturar a D. Laura
- A D. Laura está farta de aturar PPC e disse-lhe “ Olha filho, no domingo não faço almoço, porque tenho de fazer umas compritas de Natal, arranja-te como quiseres”
-  Os ministros quiseram manifestar a sua solidariedade com Assunção Cristas e resolveram tirar uma fotografia sem gravata. ( A propósito: alguém me explica a razão de nestes CM informais os ministros irem todos sem gravata? Se não precisam dela ao domingo, por que razão a envergam durante a semana?)
- Estava um belo dia e PPC telefonou aos ministros propondo-lhes que passassem o dia juntos  à beira mar ( não vejo outra razão para que o CM se tenha realizado no Forte de S. Julião da Barra).
- Decidiram almoçar todos à borla, isto é, à pala do contribuinte.
Se tiverem outras propostas, não hesitem, a caixa de comentários é vossa.
Antes de terminar, quero porém, alertar-vos que o nosso PM sofre de uma doença grave. Pelo menos foi a conclusão que tirei ao ouvir um repórter dizer:
“ Os ministros , de vez em quando saíam da sala, mas Pedro Passos Coelho permaneceu lá sempre, só saindo para almçar”.
Não me digam que o homem não faz chichi! Onze horas encafoado numa sala sem sair para dar uma mijinha? Só pode ser doença, pela certa.

9 comentários:

  1. Estava algaliado...M.A.A.

    ResponderEliminar
  2. Oh Carlos,
    então para que servem as arrastadeiras de que ele não prescinde?

    ResponderEliminar
  3. Ahahah! Não perde nenhuma oportunidade, Carlos!
    E essas horas todas de “trabalho” são consideradas horas extraordinárias?! Recebem a “tempo e meio” ou .... “double time”? : )

    ResponderEliminar
  4. Deve estar algaliado pela certa, e como diz o Luis Novais Tito, tem para lá arrasdeiras suficientes para tratarem dos dejectos.
    O Forte de S. Julião da Barra sempre exerceu um forte fascínio sobre os governo de direita em Portugal, va-se lá saber porquê...

    ResponderEliminar
  5. Não será caso de doença, Carlos, o jornalista é que o deve considerar um ser tão superior, que achou por bem não anunciar que ele também tinha necessidades fisiológicas, como os restantes mortais... :P

    ResponderEliminar
  6. Concordo com a Teté.Tendo em conta a espécie de "jornalismo" que por cá se faz, é a hipótese mais provável.

    ResponderEliminar
  7. CARLOS, onze horas sem ir ao banheiro.Isto é incrível! O homenzinho é um herói!

    ResponderEliminar
  8. A do almoço à borla até pareceria plausível mas a verdadeira razão está numa foto que lhe foi tirada no interior do forte, está lá no meu canto. Está desvendado o segredo.

    ResponderEliminar