quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Requiem pela Democracia


Hoje, dia de Fiéis e Defuntos, presto homenagem à Democracia. Há muito moribunda, faleceu em Junho, com a eleição do governo mais reaccionário que Portugal conheceu desde o 25 de Abril. Cavaco Silva deu-lhe a extrema unção e fez-me lembrar os tempos da Inquisição.
Como a Inquisição apenas condenava, mas entregava ao poder político a execução da pena, responsabilizava-o pela morte e lavava as mãos. Sadicamente, antes de ser executado, havia sempre um padre que vinha perguntar ao condenado se queria receber a extrema unção.
A história recente da nossa democracia é muito similar. Cavaco tudo fez para derrubar Sócrates e criar condições para que o PSD fosse governo. Uma vez eleito Pedro Passos Coelho, o PR vem carpir lágrimas e pedir equidade nas drásticas medidas de austeridade do governo. Como se não tivesse responsabilidades e nada pudesse fazer para evitar que a Constituição seja diariamente violada pela maioria no poder.
A Democracia em Portugal está morta e não vai ressuscitar ao terceiro dia. Paz à sua alma!
Uma grande parte dos portugueses não a vão chorar, porque nunca gostaram dela.
Mas atenção! A Democracia também já se finou na Europa, só que ainda ninguém percebeu. Papandreou fez um esforço para a ressuscitar e todos o criticam. Mas sobre isso escreverei mais logo...

4 comentários:

  1. Carlos

    Daqui fica a vontade de ajudar de alguma forma ao povo Portugues.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Carlos
    Apesar de tudo, não estou tão pessimista. O facto de aqui estarmos a escrever mostra que ainda há Democracia, embora como o exemplo Grego demonstra a sua utilização esteja a ser limitada.
    Sempre ouve muita gente que não apreciou e não a percebeu, mas ela está aí. Vamos usá-la!!!
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Vamos ver se ressuscita no seu berço, a Grécia

    ResponderEliminar
  4. O Demo anda à solta e casou com a "demo" de origem grega, tiveram uma filha a que chamaram democracia, a criatura está moribunda mas ainda não morreu.

    ResponderEliminar