sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Ensaio sobre a traição

Recebi sem surpresa, no caminho de regresso a casa, a notícia da abstenção do PS na votação na generalidade e na especialidade do OE 2012. Já ontem deixara aqui implícito que seria essa a decisão e as razões que a motivariam: (O meu palpite é que Seguro, de mãos a abanar, apareça a dizer que conseguiu introduzir alterações no OE na especialidade, apresentando umas migalhas como vitória. )
Consumada a abstenção do PS, é altura de dizer que não significa responsabilidade -o governo tem uma maioria confortável. Significa rendição e traição!

O que o PS acaba de fazer é zombar de milhões de portugueses. Confirma-se o que já aqui venho escrevendo desde 2009: António José Seguro é o melhor seguro de vida para a direita.

Abster-se na votação de um OE que penaliza barbaramente os portugueses é um acto de traição que os portugueses jamais perdoarão ao PS. Anunciar que, mesmo que nenhuma das propostas apresentadas pelo PS seja aceite pelo governo, a abstenção na especialidade está garantida, é rendição . Seguro nem sequer vai à luta?

É certo que Seguro mostrou o seu carácter quando, na noite de 5 de Junho, ainda o cadáver de Sócrates estava quente, se colocou na fila da frente para lhe suceder.Quando Seguro se demarcou de Sócrates, então primeiro-ministro,a direita teceu-lhe rasgados elogios, mas eu logo ali vi um traidor e não um combatente. A demarcação de Seguro foi pautada unicamente por interesses pessoais, que visavam marcar terreno na hora da sucessão.

No PS ainda existem socialistas. Espero que o impeçam de ser o candidato do PS em 2015. Terão, porém, de ser rápidos. Pelo caminho que as coisas estão a seguir, não me espantará que dentro de dois anos, quando este governo tiver perdido toda a credibilidade e a derrota do PSD se vislumbrar como inevitável, Seguro dê uma mãozinha a Passos Coelho e faça uma coligação com o PSD “ para defender o interesse nacional, digo, pessoal”.

O BE e o PCP, que se aliaram à direita para derrubar Sócrates, também já deviam saber que Seguro seria o seu melhor aliado, pois só por cegueira ou masoquismo alguém votará no PS enquanto estiver lá um líder que traiu os portugueses, apenas por oportunismo. Resta o conforto da (quase) certeza de que a liderança de Seguro está a prazo.

17 comentários:

  1. Carlos, está muito acalorado...
    Não sou de "casa" alguma, sou de coração à eaquerda, mas tanta "raiva" a JS, como se sente a relação a Sócrates e à sua pandilha que deram a machadada que nos atirou para o caos em que estamos a cair?
    Bfs... e espero "vê-lo" pelo cinema no Estoril... :))

    ResponderEliminar
  2. Politicamente falando, este Seguro não vai morrer de velho!

    ResponderEliminar
  3. Carlos
    De facto há duas formas de estar na vida: a da Avestruz e a outra.
    À falta de tempo e naturalmente alguma capacidade de escrever com a rapidez e oportunidade necessárias, uso muita a vez as palavras dos outros, escritas em prosa, poema ou cantadas. O "charlatão" de ontem, foi a tentativa de matar 2 coelhos de uma cajadada porque há hora que escrevi já sabia o desfecho. Por pudor não lhe ponho aqui o link onde soube disso. Quanto ao resto, estou de acordo consigo. Mas acrescento: é necessário fazer mais, sob pena de um dia a nossa geração ser acusada de se render.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Concordo consigo. E é grave! Que Partido Socialista é este? Desde o 25 de Abril nunca deixei de participar em actos eleitorais. Há sempre uma primeira vez para tudo e pelo andar da carruagem, creio que vou faltar no próximo. Desilusão total este PS.

    ResponderEliminar
  5. A abstenção do PS tem um outro significado do meu ponto de vista: o OE apresentado por este Governo seria o OE que o PS apresentaria se fosse governo. E este facto eu tenho de registar para me lembrar quando for votar da próxima vez.

    ResponderEliminar
  6. Este homem é um traidor tão reles como PPC. Parece um espantalho empalhado, sem ideias, nem expressão. Espero que o PS resolva depressa o problema porque eu nunca me abstive, nunca votei em branco, nem anulei o voto. Só um verdadeiro PS pode trazer alguma luz para este país, até para os cegos que não sabem porque Sócrates agiu assim.

    ResponderEliminar
  7. Era de prever e mais não digo, todas estas faltas de honestidade deixam-me de "rastos"

    ResponderEliminar
  8. Triste PS!Quem te viu e quem te vê.Só cretinos e seguros,isto não nos leva a lado nenhum.Para quando socialistas genuinos???

    ResponderEliminar
  9. Pois é Carlos, a oeste nada de novo. Vai passar muita água debaixo das pontes até que o PS se consiga afirmar como alternativa e não como alternância para a Europa ver....estamos na mãos da bicharada.

    ResponderEliminar
  10. Carlos, o problema é que os dois são politicos e os politicos agem
    em proveito próprio...
    Ao contrário os estadistas pensam e sacrificam-se se necessário pelo bem comum...
    Seguro e Coelho são uns jotinhas a brincar à governação...
    Uma tristeza este seguro inseguro.

    ResponderEliminar
  11. Anamar:
    Como sabe também não tenho "casa" e Sócrates não era do meu agrado, mas esta atitude de Seguro anunciar a abstenção em troca de nada é revoltante.
    Ese ano não sei se poderei ir ao Estoril :-(
    Bom fds

    ResponderEliminar
  12. Felizmente tudo neste país está a prazo...

    ResponderEliminar
  13. O Seguro até pode morrer de velho, mas duvido que no exercício das funções de PM... :P

    ResponderEliminar
  14. É certo e sabido que comungando de muitos princípios, de muitas ideias, estaremos sempre em desacordo relativamente ao último parágrafo. Essa necessidade de marcar o terreno e a diferença não se justifica.

    Como a Anamar bem disse, foi o PS que aqui nos trouxe, é o PSD juntamente com o PS que a partir daqui nos levará, o resto é querer tapar o sol com a peneira.

    ResponderEliminar
  15. Os manos Dupont & Dupont são assim!

    ResponderEliminar
  16. É isso mesmo. Eu também me sinto traído.

    ResponderEliminar