quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A primavera pode esperar

Dias antes das eleições na Tunísia vi na TVI 24 , noite dentro, uma reportagem francesa sobre a vida no país, depois da revolução de Jasmim.

As pessoas mostram-se desencantadas e a maioria afirma que nada mudou desde que Ben Ali foi deposto. Para arranjar um emprego continua a ser preciso pagar a funcionários, a corrupção está florescente como dantes e as pessoas mostravam pouco interesse em ir votar.

Impressionou-me, especialmente, este alheamento da população face ao acto eleitoral, pela descrença que significa na democracia. Afinal onde, porquê e como se perdeu o capital de esperança dos tunisinos?

Sem surpresa o partido islâmico Ennahda venceu as eleições com mais de 40% dos votos , deixando a concorrência a larga distância (14%), mas sem conseguir a maioria parlamentar. O futuro da Tunísia é incerto, podendo em muito depender da evolução dos acontecimentos na vizinha Líbia, onde o chefe do Conselho Nacional de Transição (CNT) , Mustafá Jalil, já confirmou que a Constituição Líbia será baseada na Sharia.

Jalil recusa o rótulo de extremista, mas as imagens da morte de Kadhaffi e as cenas de violência sobre a população afecta ao coronel, que temos observado, dão-nos uma pálida ideia do significado de “moderado” para o CNT.

Se acrescentarmos as previsões da vitória da Irmandade Muçulmana nas eleições egípcias, tudo se encaminha para que a Primavera Árabe culmine numa longa noite de trevas. Isso não parece incomodar minimamente os eufóricos democratas da direita vesga, prenhes de júbilo pela vitória dos povos árabes na luta contra as ditaduras que os governaram durante várias décadas. Até Obama dizia esta madrugada, no programa de Jay Leno, que a morte de Kadhaffi serve de exemplo a outros ditadores. ( Ou, lendo nas entrelinhas, teve o que merecia…)

Não me parece que fosse este o tipo de democracia que os árabes desejavam, mas como no Ocidente estão todos muito satisfeitos, não deve haver motivo para grandes preocupações. A não ser que um dia destes acordemos com a notícia de que a Primavera Árabe, gerou vários Ahmadinejads... Então, talvez volte tudo ao princípio...

5 comentários:

  1. O Egipto está agora se calhar pior do que antes. Agora os Ditadores são os Generais pagos a peso de Ouro pela nossa Querida e Estimada América que assim passa a controlar o petróleo gás e restantes recursos deste país... e que tanta falta fazem lá prós lados dos Genocidas Profissionais... quero dizer... dos Americanos.

    O Sistema é que está errado, andar a mudar as marionetas não adianta patavina!

    ResponderEliminar
  2. Bem Carlos,como não gosto de ver sozinho e nunca me assustaram os rugidos leoninos, digo-te que o capital de esperança dos tunisinos perdeu-se pelos caminhos por onde se têm perdido outras revoluções.

    Tudo o que eu possa aqui dizer será sempre um pálido reflexo do muito que já disseste e que eu subscrevo inteiramente.

    Desculpa Carlos, mas por vezes interrogo-me porquê ainda nos admiramos do país que temos e da forma como a situação tem descambado até batermos no fundo.
    Oh povo que com pouco se assusta.
    Boa estadia cá no Norte.
    Imagino como a tua Mãe está contente.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente sobre assuntos sérios ninguém quer comentar. Preferem ignorar a realidade, as imagens e as coisas sérias. Os outros que resolvam por nós.
    Pois é, desde a primavera da tunísia já não têm conta os que morreram afogados ao tentarem alcançar a Itália, para ver se ganham alguma coisa para comer.
    Esta gente esquece-se que a Àfrica é um Continente diferente. Desde os ingleses que queriam um corredor, só para eles, desde o Cairo ao Cabo, aos portugeses que queriam um mapa cor de rosa, mas que eles não deixaram. E assim foram, esquartejando um Continente, onde foram ultrajadas todas as suas fronteiras naturais, e assim se vão matando uns aos outros, enquanto os interessados vão saqueando todas as suas riquezas. Não esqueçamos que quase todos os terrenos da África do Sul estão registados em nome de súbditos britânicos. Viva sua majestade, os pulhas dos anglo-saxónicos, que até são culpados por terem dado origem aos EUA, ao mandarem para lá todos os seus cadastrados, que eliminaram os índios e aonde ainda hoje subsiste a lei da selva, e lançam a selvajaria no mundo.Só houve um presidente honesto, que foi Carter, por isso perdeu as eleições no 2.º mandato, porque no seu mandato não disparou uma bomba e porque não soltaram os reféns do Irão, já que os republicanos já tinham negociado a sua libertação, e mal ganharam as eleições, eles foram libertados em troca duma quantia exorbitante paga pelos republicanos, conforme haviam negociado.

    ResponderEliminar
  5. Não é nada que me surpreenda! Sempre disse que esta «Primavera árabe» era uma treta, porque aqui do que se trata, é da remoção de ditadores, mais ou menos «carnavalescos», cujo expoente máximo era o Kadhafi e a sua substituição por teocracias islamicas inspiradas no modelo iraniano. É disto que se trata e nada mais do que isto.

    Surpeendidos?
    Qualquer dia é Marrocos e depois é toda a Península Arábica, o Médio Oriente e talvez até a própria Turquia.

    ResponderEliminar