quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Diminuir a despesa, mas não o despesismo

Muita gente criticou Braga de Macedo pelo facto de ter iniciado o relatório do Grupo de Trabalho sobre a reestruturação de serviços para a internacionalização e desenvolvimento da economia portuguesa, fazendo alusão aos agradáveis almoços com que foram mimoseados. Houve mesmo quem considerasse que era uma demonstração de senilidade do ex-ministro das finanças.
Discordo em absoluto. O que Braga de Macedo pretendeu, com aquela introdução, foi alertar o PR e os portugueses em geral, que este governo farta-se de clamar que pretende diminuir a despesa, mas não está nada interessado em combater o despesismo.
As mordomias continuam.
A nomeação de especialistas para os gabinetes ministeriais, como pagamento de favores a quem andou nos jornais a criar uma má imagem do governo anterior e a maquilhar a de Passos Coelho, não pára. O corte nos vencimentos dos funcionários públicos em regime de mobilidade especial serve, precisamente, para pagar a esses especialistas de coisa nenhuma que recebem, além de salários gordos, despesas de representação.
Multiplicam-se as requisições a empresas de funcionários para fazerem estudos.
Crescem a uma velocidade impressionante os grupos de trabalho (GT), cujos membros recebem chorudas senhas de presença.
Se o governo quisesse combater o despesismo acabava com as mordomias e mandava os membro dos grupos de trabalho almoçar por sua conta;
Racionalizava drasticamente a utilização dos automóveis do Estado;
Recrutava, na administração pública, funcionários para fazerem os estudos de que dizem necessitar, mas cujos resultados dificilmente serão conhecidos publicamente.
Procedia do mesmo modo em relação aos que andam a coçar os ditos nos gabinetes, sob a capa de especialistas;
Reduzia o montante gasto em senhas de presença nos GT;
Reduzia o número de GT , cuja dimensão e utilidade escapam ao comum dos mortais, até porque em campanha eleitoral Passos Coelho e seus acólitos fartaram de anunciar que já tinham todos os estudos feitos. Etc, etc, etc.
Não tenho dúvidas que foi para alertar contra o despesismo deste governo que Braga de Macedo decidiu começar o relatório, elogiando os almoços de trabalho com que o grupo foi mimoseado. Foi uma indirecta que a nossa comunicação social não quis perceber...

4 comentários:

  1. Claro que sim, de Braga de Macedo não seria de esperar outra coisa, aquele ar lunático é só para disfarçar....

    ResponderEliminar
  2. Muito bom este texto! Tomei a liberdade de o copiar e enviá-lo para meus conhecidos. Com a devida alusão ao seu autor, é claro. Espero que não se importe, mas realmente é importante que as pessoas vão tendo consciência do tipo de política e políticos temos em POrtugale, seria bom que lessem este blogue. Não o fazem, faço-o eu por eles!

    ResponderEliminar
  3. Todos eles adoram reuniões e
    almoçaradas que regra geral dão em nada...
    abraço

    ResponderEliminar
  4. Fernanda:
    esteja à vontade, mas em vez de copiar o texto pode enviar apenas o link e eles vêm cá parar :-)))

    ResponderEliminar