segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A morte de Carlos Gardel vista no Douro, entre acácias e a fórmula do amor




Encerrou ontem , nestas incomparáveis paisagens durienses, o "Douro Film- Harvest 2011". Entre os destaques, a ante-estreia mundial do filme "A morte de Carlos Gardel", baseado no livro homónimo de António Lobo Antunes. Não pude ver mas, segundo me disseram, é um filme a não perder...


Curiosidade, também, para o filme de Manoel de Oliveira ( A Caça) cuja trama desconhecia. Fiquei a saber, ainda, que este filme levou o realizador aos calabouços da PIDE.

Um dos momentos mais aguardados era a ante-estreia do filme de Woody Allen "Midnight in Paris", ( sábado à noite em Alijó) já muito badalado pela nossa amiga Teresa. Não desilude, mas podem confirmá-lo - creio que a partir de quinta-feira - no circuito comercial.

Uma palavra também para o filme de Carlos Diegues "O maior amor do mundo". Aclamado em Mar del Plata, tem como personagem principal um físico que, em fim de vida, descobre algo excepcional:as fórmulas complexas do amor.

Referência ainda para a presença do cinema brasileiro, alvo da homengaem deste ano,com um documentário sobre Airton Senna, e a apresentação nacional de "Lula, o filho do Brasil".

No plano da animação, "Chico e Rita", uma produção espanhola que nos leva numa viagem entre Havana e Paris, com passagem por Nova Iorque e New Orleans, ao ritmo de boleros e jazz.

Finalmente, referência para um filme de que já aqui vos falei aquando do Festival de Cannes: "Las acacias". Vencedor da Câmara de Ouro no certame francês, é um road movie a não perder para os apreciadores do género, entre os quais me incluo.

Enfim, por estes dias o Douro não foi só Património Mundial da Humanidade, graças às suas paisagens. Foi também ponto de encontro para cinéfilos que apreciem filmes de qualidade.

5 comentários:

  1. Ah, agora já percebi porque tirou fárias nesta altura, bom cinema, bela paisgeem....

    :)))

    ResponderEliminar
  2. Carlos,

    Sabia desse encontro de, para, cinéfilos.

    Mas, para dizer a verdade, essa paisagem única, esse cheiro a vindimas e a mosto não me permitiam fechar-me numa sala de cinema, por melhor que o filme fosse.

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
  3. Impossibilitada de ter ido ao Douro, ficam os teus conselhos a abrirem-me o apetite para o que for aparecendo nas salas de cinema...

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    Já não vou ao cinema à muito tempo.
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. CARLOS, ¨Meia Noite em Paris¨é um bom filme. Quanto ao cinema brasileiro,sempre achei que insistem demais em temas de uma pobreza incrível. E,desde quando,a vida do Lula daria um filme?

    ResponderEliminar