segunda-feira, 26 de setembro de 2011

CR sub 30- Apresentação



Uma rubrica sobre o conflito de gerações? Nada disso.
Uma rubrica nostálgica de exaltação do passado? Também não.
Lembrei-me de a criar porque tive a felicidade de, durante alguns meses, animar uma tertúlia sobre o século XX com jovens entre os 18 e os 25 anos.
A pessoa que me lançou esse desafio sugeriu-me que utilizasse como guião o meu Rochedo das Memórias, trabalho publicado em 1999 e que aqui fui reeditando São 135 posts onde faço o meu retrato do século XX e que podem ler clicando na imagem da coluna da direita. Não correspondendo à versão integral, dão uma imagem da forma como me propus analisar o século XX, em 1999, num trabalho efectuado para diversas revistas portuguesas e sul-americanas.
Ao longo das sessões tertulianas, fui percebendo que a maioria dos 20 participantes tinha uma fixação nos anos 20 e nos anos 60/70. Um dia, perguntei:
- Estariam vocês dispostos a viver nos anos 20, 60 ou 70, sem usufruir dos padrões de consumo que o século XX vos proporciona? Encarariam esses períodos com o mesmo entusiasmo?
Não divulgo as respostas que obtive, enquanto não terminar esta série...
Até lá, apenas vos digo que o CR sub-30 tentará analisar as diferenças entre a sociedade de consumo de massas, que começou a emergir no final dos anos 20 do século passado e atingiu o seu apogeu no pós guerra, e a sociedade da hiperescolha em que vivemos nos últimos 15 anos.Foi essa diferença que moldou diferentes gerações.
Neste interim, o que mudou não foi o conceito de felicidade, foi o modo de a fruir. É sobre essa diferença que se falará aqui a partir de Outubro.
Antes de iniciar a rubrica irei entrar diariamente convosco numa carruagem de Metro, onde viajam quatro passageiros. Iremos ouvir as suas conversas, ver as suas reacções e comportamentos. E tentar perceber melhor o que separa um jovem de 30 anos, de um sénior com 60. Muito mais do que uma geração, é a distância entre Narciso e Dionisio.

Então até amanhã, sensivelmente a esta hora, numa estação de Metro perto de si.

12 comentários:

  1. Que rubrica interessantíssima!!! Aguardo-a com expectativa Carlos...

    ResponderEliminar
  2. Carlos meu amigo querido!

    Ai meu Deus e aqui que não tem nem metro???? Risos
    Amei.
    Fantástico!!
    Fiquei curiosa e doida pra continuar lendo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Uma excelente ideia que aguardo com expectativa e interesse.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Bom, 135 posts terei de ler mais tarde, que são quase horas de jantar. De qualquer das formas desde já lhe digo que achei essa ideia muito interessante... :)

    Por outro lado, por muito interessantes que tenham sido esses anos 20 (entre guerras mundiais...) ou 60, certamente que não quereria viver neles. Muito menos se tivesse nascido mulher, como nasci... Quer dizer, os 60 apanhei-os todos, mas em criança! :D

    ResponderEliminar
  5. O tema é interessantíssimo, a coisa promete...
    Esperemos, então, na paragem de metro.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. E vamos aguardar então.
    Estou ansiosa por ler.

    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Vou esperar, Carlos, para ver o que vai contar.
    com carinho Monica

    ResponderEliminar
  8. Hajam ideias inovadoras e interessantes na blogosfera!
    Quem, senão tu, nos traria uma lufada de ar fresco...?

    Não tenho uma estação de Metro perto de mim, mas tu te encarregarás disso...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Muito interessante. Fico à espera.

    ResponderEliminar
  10. Para já gostei de relembrar "Zorba o Grego". Parece que estou ouvindo a música de Mikis Theodorákis. Anthony Quinn ensinando Alan Bates a dançar. Este fez-me lembrar uma grande interpretação sua em "O Homem de Kiev", para não falar em "Longe da Multidão", com a minha querida Julie Christie, e já agora porque não o "Dr. Jivago". São como as cerejas, atrás de uma vêm tantas...

    ResponderEliminar
  11. Estou curioso.
    Venham de lá essas crónicas.

    ResponderEliminar