terça-feira, 3 de maio de 2011

O povo saiu à rua...

Devo ter sido um dos últimos cidadãos do mundo a saber que Bin Laden tinha sido morto. Comecei por reagir com um “ainda bem” e um suspírio de alívio mas quando à noite, no hotel, fui saber pormenores através da BBC e da Sky, fiquei um bocado acabrunhado.

Osama Bin Laden era um criminoso sem perdão, mas poderia ter sido capturado vivo e julgado em Tribunal Penal Internacional. Ao que percebi, Obama não estava interessado nisso. Queria mesmo matá-lo e compreende-se porquê. Ossama na prisão seria um perigo ainda maior para os Estados Unidos.

Temos então um presidente dos Estados Unidos, galardoado com o Prémio Nobel da Paz, que opta por fazer justiça pelas próprias mãos. Nada mal… talvez as agências de rating o compensem.

As cotações da bolsa já subiram e o preço do petróleo desceu. Mas dentro de dois ou três dias, tudo voltará à normalidade.

Ululantes, os americanos saíram à rua a celebrar a morte de Bin Laden. Com a mesma alegria com que pelo Oriente o povo saía à rua para celebrar a queda das Twin Towers e a morte de milhares de inocentes.Tão diferentes, mas tão iguais!

Entretanto, em nome da democracia, a NATO mata um filho e três netos de Kadhaffi e todos assobiam para o ar, como se fosse a coisa mais natural do mundo. Se o acesso à Internet não fosse tão caro, ia ler o que diz a imprensa e a blogosfera lusa sobre estes assuntos…

O mundo está cada vez mais perigoso. A pretexto da defesa da democracia, o Nobel da Paz e a NATO comportam-se como criminosos. Isto vai acabar mal…

24 comentários:

  1. Estou triste, não pela morte, mas pelas reacções...até os mais responsáveis, os paladinos da humanidade, conseguem soltar a fera que existe dentro de todos nós.
    Onde se vai parar?

    ResponderEliminar
  2. Ghandi tinha razão: seguindo a lei de Talião , de olho por olho, a Humanidade acaba cega.

    Digo eu: de assassínio em assassínio deixa de haver inocentes: são todos culpados!!

    Com a agravante de causarem uma espiral de ódio e nada se resolver.

    Bom dia.

    ResponderEliminar
  3. Meu amigo!
    Não haja dúvida que encontro na blogosfera uma pessoa com os mesmos pensares e ideias iguais as minhas. Está de parabéns pelo seu rasocinio.

    Um grande abrço.

    Veja o meu "queriaserselvagem"

    ResponderEliminar
  4. Meu caro Carlos. O problema é que isto não começou agora. E é exactamente isto que cria monstros do género do Bin Laden.

    A primeira guerra de que há registo conhecido é de 2000 a.C.. Isto diz muito dos humanos. Diz essencialmente que não há coisa em que os humanos sejam mais consistentes do que a matarem-se uns aos outros. Acho que disto poucas dúvidas há.

    ResponderEliminar
  5. Parece que isto é de agora... mas estas coisas repetem-se com total impunidade... E os festejos... um espectáculo deplorável, apenas diferindo dos festejos no 11 de Setembro, por não haver tiros para o ar!

    ResponderEliminar
  6. Sempre quero dizer que estremeci quando vi Obama proclamar, ufanamente, o êxito dos Estados Unidos e seu próprio, na operação de assassinato de Bin Laden.É horrível saber que um homem como ele pode sentir orgulho em usar dos mesmos golpes baixos e repugnantes do inimigo.Ao ler este post,vi que não estava sozinha nesse meu estremecimento,que eu própria não sabia descodificar.KK

    ResponderEliminar
  7. Eu não gostei que fosse assim...
    E ouvir um jornalista de um dos nossos canais dizer literalmente que ele tinha sido "despejado" no mar, deixou-me com pele de galinha! :-((
    A bolsa já está em queda hoje!

    ResponderEliminar
  8. São MESMO criminosos, Carlos! Que mundo é este em que vivemos? Onde está a dignidade,a ética, os princípios que sempre respeitámos?
    Concordo que isto vai acabar muito mal...

    ResponderEliminar
  9. Isto mostra que, no final de contas, são muito mais parecidos doq ue admitem. E não é nas qualidades.

    ResponderEliminar
  10. Uma das etiquetas deste meu post...

    http://ocantinhodomestre.blogspot.com/2011/05/obama-vs-osama.html

    ...diz tudo.

    ResponderEliminar
  11. Carlosamigo

    Esta é a Terra que continuamos denodada e desalmadamente a tentar destruir; e é e única que temos. Quando o saudoso Padre Américo disse que não havia rapazes maus, logo houve quem acrescentasse: mas há praí cada filho da puta...

    As coisas são o que são. Quando assassinaram o Ceaucescu, a CBS, cujos enviados tinham estado comigo no terramoto da Roménia, 1977 e sabiam que eu o tinha entrevistado, pediu-me a minha opinião directamente e por via telefónica.

    O jornalista que me contactava falou-me da morte do ditador romeno e perguntou-me o que eu pensava dela. Foi uma execução ignóbil, os militares que o assassinaram tiveram medo do que ele pudesse dizer, respondi.

    A História repete-se, ainda que se tente falar apenas em coincidências. Foi um crime; são uns crimes. Por mais que sejam culpados, que sejam uns monstros, os capturados têm de ter o direito ao contraditório. Em tribunal; e mesmo assim, continuo contra a pena de morte.

    Abç

    ResponderEliminar
  12. Reporto-me ao quinto paragrafo.
    Então Bin Laden também era inocente?

    ResponderEliminar
  13. A sensação com que fico é algo estranha... não consigo sentir as coisas como vitoriosas, apenas lamento profundamente tantas mortes, tanto ódio, tanta loucura que fica para trás... e que maiores loucuras nos esperam pela frente? (Não era este o mundo que desejava para o meu filho)

    ResponderEliminar
  14. Carlo, Obama não pediu o Nobel. Sempre achei mal que lho tivessem atribuído. O Presidente dos EUA não pode estar condicionado por um prémio que não pediu e nada fez para "merecer". Foi uma atitude irresponsável que me suscitou muitas dúvidas. Quanto ao resto, espero que o homem esteja morto e bem morto, dado que não verteu uma única lágrima pelas vitimas inocentes que provocou.

    ResponderEliminar
  15. Achei muito estranho que Obama classificasse a morte de Bin Laden de acto heróico e motivo de orgulho para todos os americanos. Quer dizer, Bin Laden era um assassino, que matou muita gente inocente, não merece dó de ninguém. Mas agir da mesma forma e abater a tiro um homem desarmado, mesmo que ele fosse uma ignóbil assassino, não me parece motivo de orgulho, muito menos heroísmo de ninguém...

    ResponderEliminar
  16. Tão diferentes aparentemente e afinal tão iguais na Essência. Espero que esteja bem Carlos. Deixo um sorriso.

    ResponderEliminar
  17. CARLOS, tudo isso me preocupa e assusta.

    ResponderEliminar
  18. Para além de outras premissas Obama sabia que a ordem para assassinar Bin Laden lhe poderia render a reeleição, não hesitou, Bush faria o mesmo, com ou sem Nobel, unidos à nascença.

    ResponderEliminar
  19. Carlos, concordo inteiramente consigo, com cada uma palavra que escreveu.

    ResponderEliminar
  20. A minha opinião é dubia sobre este assunto. É o tal "olho por olho, dente por dente", do desejo de vingança está no sangue da raça humana. Os meios talvez não devessem justificar este fim, mas o "procura-se, vivo ou morto" com a foto do inimigo público nº1 da America pesava como uma espada na cabeça do presidente norte americano, fosse que fosse.

    ResponderEliminar
  21. Bem , apesar de tudo o que se diz a verdade é que aquele senhor atacou NY .

    ResponderEliminar