quinta-feira, 14 de abril de 2011

De Lampedusa ao futuro da Europa




Se a crise económica e financeira já tinha demonstrado que a União Europeia está longe do espírito dos seus fundadores, a invasão da Líbia( sim, o que se passa hoje na Líbia é uma invasão e não o cumprimento de uma Resolução da ONU, cujo âmbito já foi há muito ultrapassado) veio lançar sinais ainda mais preocupantes sobre o futuro europeu.

Confrontado com a chegada diária de milhares de emigrantes à ilha de Lampedusa, Berlusconni decidiu trazê-los para a Itália continental, na expectativa de que se disseminassem pela Europa. Como reagiu a França? Sarkozy mandou controlar as fronteiras com Itália, fazendo tábua rasa dos acordos de Schengen.

A senhora Merkel fez como Pilatos e a restante Europa, enquanto fingia criticar Sarkozy, respondeu a Berlusconni : desenrasca-te que nós não queremos cá mais emigrantes.

Este episódio é sintomático da ficção que é, hoje em dia, a União Europeia, mas é também um mau presságio para o futuro. Perante a pressão da chegada de milhares de emigrantes a Lampedusa, Berlusconni não vai ficar de braços cruzados, à espera que a Europa dê ouvidos aos seus protestos e venha em seu socorro.

Ângela Merkel e Sarkozy estão a esticar demasiado a corda da União Europeia e talvez um dia destes ela rebente. Resta saber quando e com que consequências para todos nós.

2 comentários:

  1. Só espero que o dinheiro acabe por entrar (nesta Europa tudo pode acontecer)... pois com tantas providências cautelares, ainda ficamos sem dinheiro ou a secar à espera dele, sem falar da conta... à conta da troika por serviços prestados e, sem guita... aí, sim, queria ver com quantos pecs se fazia o funeral ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Também não tenho dúvida de que o caminho para onde nos arrastam desembocará mais dia menos dia em forte violência, costuma dizer-se que quem semeia ventos colhe tempestades, o ocidente não para de semear. Pena que todos sejamos envolvidos nessa espiral. Pena que nem por um segundo não sejamos capazes de nos colocar na pele daqueles que hoje chegam a Lampedusa.

    ResponderEliminar