quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Monarquia decimal


Vivemos num sistema de monarquia decimal. De 10 em 10 anos é eleito um novo presidente que, ao fim de cinco, é entronizado como monarca em plebiscito, sufragado pelo povo.
Muitos tugas prefeririam evitar o incómodo de serem obrigados, uma vez em cada década, a escolher um novo chefe de estado. É uma trabalheira e um desperdício de tempo e dinheiro! Mais valia que, uma vez eleito, o chefe de estado ocupasse o lugar até à morte, evitando-se assim a chatice das eleições.
Um dia de eleições é, para muitos tugas, uma maçada. Deslocações às assembleias de voto, perder tempo em filas, andar à procura do número de eleitor que o cartão de cidadão comeu e, à noite, ainda ter de aturar os comentadores, que com a sua verborreia os privam da telenovela.
Entronizemos então os futuros presidentes ( mas não este, que daqui a cinco anos deve ir cuidar dos netinhos e deixar os portugueses em paz). Como contributo para esta monarquia decimal, seguindo os cânones da nossa História, proponho desde já os cognomes apropriados aos monarcas que o país elegeu desde o 25 de Abril:

Ramalho Eanes “O Duro”

Mário Soares “O Fixe”

Jorge Sampaio “ O Eloquente”

Cavaco Silva “o Crasso”

12 comentários:

  1. E quem será o próximo? O Alegre ou o Nobre!?

    ResponderEliminar
  2. Então era esta a explicação? Ora bolas...
    Pensava que se ia fazer luz, mas afinal era o que já suspeitava.

    ResponderEliminar
  3. Eu já lhe chamei D. Cavaco, o Amargo!
    Essa cena da monarquia está boa...
    Só de me lembrar da "real" família na varanda do CCB ainda fico mais arrepiada! :-))

    ResponderEliminar
  4. ´Nem é de surpreender que a Demicracia esteja doente.
    Cavaco assusta os portugueses com os mercados, para que não haja uma segunda volta, pois deve ter pensado que a derrapagem em que estava talvez fosse ainda mais grave do que foi.

    Cavaco tem um discurso sem classe e cheio de raiva e injustiça, achando que o caso BPN está resolvido e ele o direito de continuar arrogantemente calado, como se fosse um arcanjo vingador!

    Só que a responsabilidade também é nossa, partucularmente de que praticou uma vergonhosa e criminosa abstenção.

    Saudações.

    ResponderEliminar
  5. é uma possibilidade, mas para Cavaco, crasso é pouco, sugiro "o Rancoroso"!

    ResponderEliminar
  6. Eu sei que só um entre cada quatro portugueses votou no Cavaco Silva. Com uma soma de 59,56 % entre abstenções, votos brancos e nulos, esse valor até está favorecido.
    Se os brancos e os nulos contassem, teria havido uma 2ª volta.

    Mas NÃO houve!!!

    Quem votou em branco e nulo nestas presidenciais, como protesto, votou pura e simplesmente no Cavaco, e a abstenção de 53,37% são contra o funcionamento da democracia.

    O próximo presidente nem será o Alegre nem o Nobre.
    Não precisamos de políticos vaidosos e com gravatas ainda mais caras do que as do Cavaco.
    Precisamos é de políticos COMPETENTES.
    Tenho esperança, que em 5 anos,
    haja um candidato que mereça o meu voto ~ espero que em 5 anos o consulado me deixe votar.

    Termino com uma boa notícia: daqui a 5 anos o Cavaco não se vai candidatar!!!

    ResponderEliminar
  7. Concordo 100% com o cognome de RANCOROSO, Ariel!!!

    ResponderEliminar
  8. lolíssimo de lol!!! Adorei os cognomes a valer!

    ResponderEliminar
  9. Realmente parece que temos uma monarquia, com direito a rainha, princesas e príncipes a acenar da varanda lol lol
    Estou de acordo com os cognomes dos anteriores "Reis", mas o Cavaco para mim seria "O Marafado" lol lol

    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Eheheh, também subscrevo o RANCOROSO!

    E o melhor é nem dares muitas dessas ideias, não vá o dito colar-se com cola araldite à cadeira e propor-se como rei vitalício, em vez de ir cuidar dos netinhos como lhe competia...

    Não concordo muito é com o cognome do Mário Soares: acho BOCHECHAS muito melhor, até porque de fixe ele tem(teve) pouco... e assim como assim, sempre foi conhecido por essa alcunha "carinhosa"! :)

    ResponderEliminar