terça-feira, 28 de dezembro de 2010

O menino da Radio


Alguns leitores duvidaram da veracidade deste post. Pois informo-vos que é mesmo verdade, mas isso não quer dizer que não tenha sabido o que se foi passando pelo mundo. Então e a Radio? Já ninguém ouve noticiários na Radio? Pois eu sou fã! São curtos e dizem o essencial.
Durante a viagem de ida e volta ao Porto, onde passei o Natal, longe de televisões, jornais e internet, os noticiários radiofónicos foram a minha única fonte informativa. Hoje voltei a comprar jornais mas, a partir de quinta-feira, entrarei em novo período de nojo. Desta vez mais prolongado, pois só poderei ler jornais portugueses através da Internet e duvido que o faça. Mas, da próxima vez que os ler, vou seguir este conselho...

Quase, quase...

Por um nadinha tinha acertado em cheio nesta previsão. Mas andei lá perto....

Twilight Zone

-Olá, T. há quanto tempo! Está tudo bem contigo?
-Nem me fales, meu querido, ando de rastos!
-Nas compras de Natal, não é?
-Quais compras qual carapuça, nem tempo tenho para isso. Este governo dá cabo de mim. Esmifram-me até ao tutano, os sacanas! Estou farta destes gajos, só te digo!
-Já não estás a dar aulas na Faculdade?
-Estou, pois...
-Pensava que gostavas e que te dava uma certa liberdade de movimentos…
-E dava, o pior é o resto. Imagina que agora também sou directora –geral aí num organismo público.
-Ah, bom, assim as coisas já se complicam um bocado, não é?
-Pois …e ainda por cima estou como vogal não executiva da…
-Mas isso não é uma empresa pública?
-É… mas aquilo nem me ocupa muito tempo, o problema é que também faço parte de um grupo de trabalho e os gajos reúnem todas as semanas.
-Pois, isso é capaz de ser chato...
-Vê lá tu que passo lá uma tarde inteira e recebo uns míseros 300 euros. Vida de mulher a dias, é o que é…
-Deixa-me recapitular: professora na Faculdade, Directora Geral, vogal não executiva de uma empresa pública e 300 euros por cada reunião de um grupo do Portugal Sentado. Além de ganhares uma pipa de massa tens trabalho que dava aí para umas quatro famílias viverem bem. Se estás tão cansada, porque é que não abdicas de um ou dois? Sempre reduzias o número de desempregados....
-Deves estar maluco. O dinheiro faz-me imensa falta! E tu que fazes?
-Faço uns biscates. Aquilo que aparece. Fui despedido e com esta idade não vou encontrar emprego, como deves calcular.
-Mas recebes subsídio de desemprego, não?
-Não, já terminou. Felizmente recebi uma indemnização jeitosa e vou-me aguentando a fazer uns trabalhos como correspondente, o que sempre me permite viajar um bocado.
-Tu é que a levas bem, pá! Olha, tenho de ir porque está um cliente à minha espera no escritório. Um caso complicadíssimo de divórcio litigioso. Gostei de te ver. Bom Natal! Um dia destes falo-te para bebermos um copo. Vais-me contar como fazes para levar essa vidaça!
-Não te preocupes T. Eu ando por aí muito atarefado à procura de trabalho, não sei se vou ter tempo…