quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O Fantasma da Ópera


Indiferente às críticas, a Sony anunciou para breve o lançamento de mais um disco com inéditos de Michael Jackson. De imediato me veio à memória "O Fantasma da Ópera".

Natal, ou Carnaval?

Parece que estamos no Natal mas, depois de ler as medidas anti-crise, creio que estamos no Carnaval. Se o governo tivesse assumido que tomou aquelas medidas pressionado por Bruxelas e pelo FMI, ainda era capaz de engolir em seco, lamentar, mas compreender. No entanto, ao ouvir José Sócrates afirmar que se trata de uma decisão do governo, só posso concluir que um grupo apoiante do grande capital, indiferente aos problemas da pobreza e ao drama dos desempregados, se mascarou de socialista e assaltou o PS, enganando o Povo.

Ainda há cavalheiros?


Parou o carro e saiu apressadamente para abrir a porta à jovem senhora que o acompanhava. Ela saiu com um sorriso estampado na cara, embevecida com o tratamento cavalheiresco. Deu-lhe um beijo rápido na face e murmurou qualquer coisa imperceptível. Ele deve ter-se sentido lisonjeado e deixou escapar um sorriso. Depois deu-lhe o braço e acompanhou-a até à porta do edifício. Tentou um beijo mais ousado, mas ela esquivou-se com uma gargalhada. Ele regressou ao carro, fez-lhe um último aceno, esperou que ela entrasse e, finalmente arrancou, estimulado por um coro de buzinas.
Teria sido uma bela cena, digna de figurar nos manuais de etiqueta, não se desse o caso de o príncipe encantado ter estacionado em segunda fila, na faixa lateral da Av da Liberdade.No melhor pano cai a nódoa...
Enquanto caminhava paralelamente a esta cena, na rádio da minha imaginação ouvi perfeitamente os acordes de “Construção”:
“ Morreu na contramão atrapalhando o tráfego…”

Pelo país dos blogs

Vejam lá só o que pode acontecer quando alguém, habituado a andar de carro, se vê privado dele por uns dias.