quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O outro debate

Não vi o debate entre Fernando Nobre e Francisco Lopes. Com pouco tempo, tenho de ser selectivo. Vi um bocado do debate (?) entre Mário Soares e Freitas do Amaral.
Não, não foi na RTP Memória, foi na TVI 24. Não foi em 1986, foi ontem e em discussão estava o futuro da Europa, não a candidatura às presidenciais. Enquanto via, não pude deixar de recordar o aceso debate de 86 e compará-lo com a sintonia dos dois candidatos ontem. Ambos malharam forte e feio na senhora Merkel e em Sarkozy e alertaram para os efeitos perniciosos para a Europa, resultantes da dupla franco-alemã. Já aqui escrevi sobre o assunto, mas vejo pouca gente a preocupar-se com ele. Fazer como a avestruz e fingir que não passa nada pode terminar com um despertar amargo.
Mas o que mais me impressionou, nos minutos a que assisti, foi a clarividência política de Soares e Freitas. Se os compararmos com os actuais líderes políticos, percebemos melhor as razões que conduziram este país à perda de valores, à descrença absoluta na política,ao marasmo ideológico e ao absentismo.

Leitura recomendada

" O jornalismo de salão e os idiotas úteis - às vezes, confundem-se e eu próprio já não os distingo, peço desculpa - começaram por não ficar impressionados com as revelações até agora trazidas a público e contrastadas por cinco dos mais prestigiados órgãos de informação mundiais.
"Já se sabia", disseram.
Percebe-se o incómodo: os idiotas úteis e o jornalismo de salão convivem sempre melhor com a mentira oficial do que com a verdade revelada. São hábitos que ficam das intrigas do Portugal sentado ou das conferências, cimeiras e passarelles político-jornalísticas entretidas a analisar e descodificar acordos, consensos e convenções que, percebe-se agora, servem para pouco ou coisa nenhuma."
Miguel Carvalho na Visão ( recomendo a leitura completa)

Pelo país dos blogs

Já vos disse que gosto muito de Cirandar por aqui?