segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Campeonato do mundo da estupidez

Desconhecia a existência de um campeonato do mundo tão estúpido, mas já nada me espanta...

O mercado a funcionar


Pedro Passos Coelho defende menos intervenção do Estado na economia e menos regulação. Quer que o mercado funcione livremente e acredita nas virtualidades das Ordens profissionais para o disciplinar. Admite, com relutância, a existência das entidades reguladoras, mas apenas com papel honorífico. Não as rejeita em absoluto, porque sabe que podem ser úteis para a colocação de alguns “boys”.
O caso da clínica de Lagoa vem demonstrar como ele está errado. Há cinco anos que a Ordem dos Médicos tinha queixas de utentes em relação ao médico holandês que a dirige. Fez ouvidos de mercador e o resultado está à vista. Se a Entidade Reguladora da Saúde não estivesse cerceada nos seus poderes, a clínica teria encerrado há muito.
Este maravilhoso mundo novo, sonhado por Pedro Passos Coelho, é um mundo de horrores. Votem nele, mas depois não se queixem...

Viagem à América Latina


Até final do mês, aos fins de semana, o CCB exibe documentários sobre a América Latina que recordam as ditaduras, o drama dos desaparecidos, dos prisioneiros e das suas famílias. Não se trata de ficção. É a realidade de um continente que tem sido martirizado por ditadores, com a conivência dos EUA e da Igreja Católica.
Já tive a oportunidade de ver a maioria destes documentários antes da sua exibição em Portugal. Permito-me, por isso, recomendar aos directores dos nossos jornais que obriguem os jornalistas que escrevem sobre política internacional – e seus editores- a ver estes documentários, isentando-os - se necessário for- de comparecer ao trabalho nos fins de semana de Agosto. ( Para respigar notícias da Internet, não é necessário pagar a jornalistas).
Esta proposta visa, apenas, uma melhoria do noticiário internacional que a maioria dos nossos títulos- o “Público” é a honrosa, mas tímida, excepção- diários despreza. Se seguissem o meu conselho, talvez nos poupassem de ler tanto disparate sobre a América Latina que por aí se escreve e revela uma confrangedora ignorância ( que por vezes roça a má-fé), depois transposta com gáudio e sobranceria para os blogs onde escrevem esses jornalistas.
Adenda: Está em exibição há dois meses, nas salas portuguesas, um filme argentino que não tem tido os favores da críticas, mas é um filme excelente. Vencedor do prémio “Um Certain Regard”, em Cannes, e do Óscar para melhor filme estrangeiro, “ O segredo dos seus olhos” é um exemplo do que de bom vai sendo feito fora da intoxicante, perversa e ( quase sempre)nihilista filmografia americana.

Não estraguem o Gerês, por favor!


No meu subjectivíssimo ponto de vista, o Parque Nacional do Gerês é uma das mais belas paisagens do nosso país. Memórias da minha adolescência ligam-me àquelas paisagens de forma que creio ser indestrutível.
Há dias, soube por um amigo de Terras do Bouro que um grupo de “empreendedores” formou uma associação que pretende plantar no Parque Nacional estes paliteiros eólicos, alegando a necessidade de desenvolver a região.Posso estar a ver mal a coisa… mas um parque eólico no Gerês parece-me um crime de lesa-natureza.
As pessoas que por lá vivem poderão ( eventualmente) colher benefícios financeiros, mas perderão um património natural único. O parque eólico obrigará a abertura de caminhos, o desbaste de centenas de árvores, a fuga – e provável extermínio - de algumas espécies que vivem no Parque e afastará muitos turistas. O investimento compensará as perdas?
Quando as questões económicas se sobrepõem à defesa da Natureza, tenho sempre as minhas dúvidas…Por agora, o governo opõe-se à criação do parque eólico, mas pode acontecer que outros interesses venham a determinar a autorização de mais um PIN.
Os múltiplos incêndios que nos últimos dias devastaram extensas áreas do Gerês talvez dêem uma ajuda...

Imagem das nossas memórias (9)

Também vos obrigaram a distribuir "santinhos" na vossa comunhão solene?
Imagem anterior: Salut Les Copains