quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Onde está o dinheiro?

Washington não consegue explicar onde foram parar quase sete mil milhões de euros destinados à reconstrução do Iraque, que faziam parte de um fundo criado em 2004 pelo Conselho de Segurança da ONU. Parte do dinheiro tinha sobrado do programa “petróleo por comida” dos tempos de Saddam.
Como não é crível que o ditador iraquiano o tenha levado consigo quando encetou a fuga , ou o dinheiro tenha sido dividido pelos seus captores, há que equacionar outras hipóteses.
Que tal procurarem nos cofres de um banco em Wall Street, na conta de Dick Cheeney, ou num qualquer atoleiro afegão recheado de armas? São só hipóteses, que eu cá não sou de intrigas...

E se pensassemos um pouco mais sobre este assunto? (4)

Em 2009, em Portugal, 391 700 pessoas com mais de 65 anos viviam sozinhas.

Com o Coelho seremos o primeiro

O Eurostat revela que Portugal é o terceiro país da UE com mais precariedade laboral. Pedro Passos Coelho quer mais. Quer ser primeiro. Por isso avançou com as razões atendíveis para despedimentos.

Imagens da nossa memória (4)

Quando alguém, no grupo de amigos,trocava uma nota destas, tinha por hábito começar a cantar " Elle était si jolie, quand le vent l'émmenait..."
Ainda se lembram o que se podia fazer com uma nota destas, que hoje equivale a 50 cêntimos?
Imagem anterior: Bilhetes de eléctrico (autocarro)


Michelle Obama vai passar uns dias de férias a Marbella com a filha mais nova. Será para a iniciar nestes prazeres, ou para dar uma forcinha a Zapatero?

A Sport TV é uma lição...

Esta notícia já tem barbas mas só na noite de domingo, em conversa com um benfiquista, tive conhecimento dela. Não é por isso a notícia, mas a forma como me foi contada, que me levam a escrever este post. De acordo com o relato que me foi feito, o Benfica ameaça romper o acordo com a Sport TV, por declarações acintosas de jornalistas daquele canal, contra o clube da Luz. Disse-me esse benfiquista que, durante o torneio do Guadiana, dois jornalistas teriam feito comentários desprimorosos ao guarda redes Roberto e ao treinador Jorge Jesus, utilizando expressões como “frango à Roberto” e “ Cavalo Branco”.
Fiquei surpreendido, mas não vi razões para duvidar, pois ninguém iria inventar uma história daquelas. Não liguei mais ao assunto mas esta noite, enquanto googlava em busca de outra notícia, tropecei com várias citações ao caso. Afinal, os comentários foram proferidos em off, antes de a emissão da Sport Tv ir para o ar, e só foram conhecidas porque alguém as colocou no You Tube.
Ora este “pormenor”, escamoteado pelo narrador que me contou a história, faz toda a diferença. A indignação dos responsáveis benfiquistas e a exigência de desculpas deixam, em minha opinião, de fazer qualquer sentido. Para mim, é como se tivessem sido proferidas à mesa de um café, numa roda de jornalistas. Asseguro-vos que já tenho ouvido comentários bem piores dirigidos a jogadores e dirigentes do Benfica, ao Sporting ou do FC Porto .Foi por isso, com grande espanto e algum pudor , que li o pedido de desculpas da Sport TV à direcção encarnada. Mas, desta história, tiro várias ilações:
1- Quando as histórias nos são contadas por terceiros com quem não temos uma relação de confiança e/ou amizade, devemos ter sempre cuidado, não nos precipitando na sua divulgação. E se isso é válido para qualquer pessoa, ganha ainda mais relevância quando o receptor é um jornalista.
2- Nesta época em que o You Tube exerce o papel de polícia secreta, devemos ter cuidado quando conversamos com alguém, não vá a conversa ser exposta na Internet para gáudio de uns e desgraça de outros.
3- A liberdade de informação, tantas vezes apregoada por alguns, é na realidade uma quimera. Se a direcção de um canal de televisão critica os seus jornalistas por terem tido uma conversa em “off” algo vai mal na relação entre jornalistas e empresários da comunicação social.
4- Se a direcção de um canal de televisão se apressa a pedir desculpas e a por em causa os profissionais que a servem, com medo de eventuais represálias de um patrocinador ( o Benfica e os clubes de maior dimensão funcionam como tal, na relação com a Sport TV) fica bem claro que não é apenas a independência dos jornalistas que está em causa.
5- Finalmente, transpondo esta história para outras áreas ( nomeadamente a política e a justiça) confirma-se aquilo de que suspeitava há muito: o jornalismo é hoje em dia, em muitos casos, um jogo de interesses onde a verdade pode facilmente ser derrotada.

Os portugueses ganham demais

As más companhias de Pedro Passos Coelho vistas por Manuel António Pina

Um bom exemplo...

Pelas mais variadas razões, vale a pena ler este artigo de José António Cerejo no "Público". Um bom exemplo, que devia ser seguido por outros.

Pelo país dos blogs (70)

O Rui Herbon chama-lhes Contos de Fadas. Mas a realidade não será um pesadelo?