terça-feira, 6 de julho de 2010

A voz do dono

Centenas de pessoas pagaram as suas férias à agência Marsans, mas vão ficar em terra. Pior ainda, têm poucas perspectivas de vir a ser ressarcidos dos seus prejuízos, porque a caução não será suficiente para pagar a todos os clientes enganados.

Nem preciso de ir espreitar os blogs coelhistas para confirmar que por lá alguém deve ter escrito que é o mercado a funcionar.

Who wants to be a Millionaire?


De vez em quando, como já devem ter reparado,regresso ao tema de férias, numa tentativa de as prolongar.
Hoje vou falar-vos, novamente, da minha estadia em Espanha no já longínquo mês de Julho.
Marbella continua a ser o lugar de luxo de sempre. Os iates em Puerto Bañus, ou as “bombas” relinchando pelas ruas, ostentando o poderio dos seus cavalos, são imagem de marca de uma praia que nos anos 60 e 70 acolhia as grandes figuras do cinema e da canção, em período de férias. Daqueles tempos, recordo ainda os magnates do petróleo que chegavam à porta da mais famosa discoteca da época em enormes “limousines”, acompanhados por mulheres de rara beleza, deslumbrantemente despidas.
Nos anos 60 e 70 ninguém falava da “Al Qaeda” nem do fundamentalismo islâmico, porque felizmente a geração política de Bush ainda estava no desmame, muito longe de se tornar na principal responsável pelo clima de terror que hoje vivemos. Mas adiante…
São já poucas as estrelas do “show bizz” que procuram Marbella para as suas férias, mas continuam a ser muitos os árabes que por ali veraneiam. E há também muitos europeus e cada vez mais espanhóis endinheirados. O “casco histórico” de Marbella, onde se encontra a maioria dos restaurantes de luxo, já não é tão frequentado como outrora e muitos lugares estão “às moscas”. A explicação é simples: os ricos já não saem de casa para pagar 100€ por um jantar. Preferem ficar em suas casas, ou nos barcos. Todos os fins de tarde, antes de partirem para os lugares mais selectivos da noite de Marbella, organizam jantares à compita. Compram garrafas de vinho de 5 mil euros, mas como a água não pode faltar e a canalizada não se recomenda, compram águas engarrafadas de luxo nas várias lojas “gourmet” que existem na cidade.
A proprietária de uma dessas lojas, confidenciou-me, no dia em que a visitei, ter vendido a uma senhora,na véspera,12 mil euros de água engarrafada.
Quantas garrafas dá isso? –perguntei
Quase 60…- respondeu-me com ar cândido
Garrafas de água a 200€? Quais serão as suas propriedades? Não descobri, mas ao sair da porta encontrei um amigo italiano que me falou de um SPA e me aconselhou a visitá-lo, por ser frequentado pelo “jet set” e ali poderia ver coisas interessantes para a reportagem que estava a fazer. Fui ver. A “especialidade” da casa é um banho de imersão em partículas de ouro, seguido de uma massagem com ouro e/ou chocolate. Preço do serviço completo: entre 150 e 250 euros. Comparado com um litro de água por 200€, talvez não seja caro…
Post publicado em 19 de Agosto de 2009