quarta-feira, 26 de maio de 2010

Abram os olhinhos, pá! *

Quando esta manhã li a crónica do Rui Tavares no “Publico”, apeteceu-me de imediato escrever um post e fazer link mas, como não está disponível on line, desisti.
Aproveito, porém, a boleia da Shyznogud e faço um link via Jugular.
Recomendo vivamente a leitura do artigo, para que percebam bem como o jornalismo populista já chegou à secção internacional de alguns jornais. O que se passa de positivo não tem qualquer relevância, mas uma notícia que cheire a escândalo, mesmo sendo falsa, merece logo grandes parangonas e motiva tal agitação nas redacções, que até se dispõem a fazer alguns telefonemas.
Nada que me espante, numa imprensa onde as notícias internacionais se resumem praticamente à tradução de artigos de agência que veiculem opiniões anti comunistas, visando Castro ou Chavez, mas quase sempre omite as barbaridades de Uribe ou dos novos senhores das Honduras, confortavelmente instalados no poder com o apoio dos Estados Unidos.
Conheço alguns jornalistas repimpados no seu cargo que viajam muito, mas devem fazê-lo apenas para carimbar os passaportes, porque continuam a sofrer de estrabismo quando relatam o que se passa no mundo. Um dia destes serão substituídos por máquinas, como os portageiros da Brisa, e parece-me muito bem. Não será por isso que deixará de haver bons jornalistas em Portugal, a trabalhar na investigação e a fazer jornalismo que interessa realmente aos leitores.
* Título da crónica de Rui Tavares no "Público" de hoje

Estátua de David regressa a Florença

Cliquem na imagem para ampliar . Como todos os posts com a etiqueta EMILIOS, esta imagem foi recebida por mail

Table Dance

Lembram-se deste post? Na sequência daquele caso, lembrei-me de um episódio que se passou no último Inverno ( Poderia ter escolhido uma foto mais sugestiva, mas não quero correr o risco de ser novamente coimado e por isso optei por fazero scanner deste poster que tenho à porta do Rochedo. Sempre fica mais barato...)

Por princípio, nunca recuso nada que me ofereçam na rua. Respeito as pessoas que ganham a vida a distribuir publicidade. Detesto que me enfiem publicidade na caixa de correio, mas recebo com um sorriso os exemplares de jornais gratuitos que me estendem todas as manhãs, os anúncios de uma clínica de estética, ou de implantação de próteses mamárias, e até já coleccionei uma apreciável quantidade de papelinhos onde o professor Mamadu enuncia as suas virtuosas capacidades para trabalhos ocultos, na tentativa vã de me atrair ao seu consultório. Claro que com isto já sofri um pequeno dissabor. Foi no Inverno passado.
Um dia, um amigo telefonou-me a dizer que precisava de se encontrar comigo ao fim da tarde, para tratar de um assunto urgente. Lembrei-me que nos últimos dias tinha recebido uma série de papelinhos convidando-me a tomar uma bebida gratuita entre as 18 e as 20 num bar que acabara de ser inaugurado no Centro Comercial City e por isso sugeri que nos encontrássemos à porta. Assim foi.
Quando entrámos fomos de imediato assaltados por duas encorpadas moçoilas de Leste que nos conduziram a uma mesa . Era um bar de alterne, mas como é que eu iria suspeitar disso? É verdade que no panfleto dizia de forma clara “Venha relaxar ao fim da tarde em boa companhia”, mas eu pensei, na minha ingenuidade, que devia ser eu a levar a companhia …
Já imaginaram se em vez de um amigo, tinha levado comigo uma amiga? Ainda me arriscava a que me acontecesse um episódio semelhante a um outro passado em Bangkok nos idos de 80, que talvez aqui conte numa próxima oportunidade.

C'est vraiment trop injuzte!



Eu já vos tinha avisado que a minha cara parceira das Crónicas de Graça e PresidentA do blogobairro não é nada meiga na aplicação das coimas e tem a rédea bastante curta.
No entanto, ser coimado de forma tão brutal, por ter escrito este post, parece-me desajustado e, acima de tudo, injusto.Vocês viram lá fotografias indecorosas? Leram lá algum palavrão? Perscrutaram algum indício pornográfico? Eu também não!
Manifesto por isso a minha veemente repulsa e lavro aqui o meu indignado protesto contra a coima que me foi aplicada pelo facto de ter publicado uma fotografia com o número 22 que alguns denominam por “ patinhos”.
Presumo (pelo teor da sentença que podereis consultar na caixa de comentários) que é a isso que se deve a aplicação da coima, pois o facto de festejar a vitória do Mourinho não pode ser motivo para qualquer pena, mesmo tendo em consideração o benfiquismo da ordenante.
Só uma imaginação prodigiosa poderia ver, naquela canção das Doce, qualquer indício de exortação à luxúria e, quanto à coincidência entre o número do quarto e os acontecimentos ocorridos naquela noite, são fenómenos que só a numerologia poderá explicar.
Por isso, se a pena se vier a confirmar, comunico-vos que responderei como George C. Marshall:
"Os pequenos actos que se executam são melhores que todos aqueles grandes que se planeiam".

O sonho comanda a vida (2)

Lembram-se desta menina? Pois ela e a avó devem estar hoje felicíssimas, porque a menina deu mais um grande passo para a realização do seu sonho. Parabéns às duas!

Sugestão do dia

Tomilho, Menta e Hipericão. A Violeta está de volta.