quarta-feira, 12 de maio de 2010

A notícia é boa? Então não interessa nada...

Hoje ( tal como ontem e nos próximos dias) quase não tive tempo de navegar pela blogosfera, mas estou convencido que aqueles blogs colectivos de direita, que passam a vida a malhar no governo por causa da crise, não terão dado relevo a esta notícia.
O que lhes interessa é o bota abaixo, as notícias positivas passam-lhes ao lado.Provavelmente, terão preferido fazer coro com a direita que defende a redução dos salários dos políticos, pois esse é o primeiro passo para esgrimir argumentos em favor da redução dos salários dos funcionários públicos e dos trabalhadores em geral.
A direita é muito previsível… os salários baixos é que têm de resolver a crise. Pouco importa que a OCDE aconselhe a subir “consideravelmente” os impostos sobre os rendimentos de capitais, antes de pensar em fazer cortes no subsídio de Natal. Sobre isso ,o silêncio deve ser generalizado.
Desculpem se me enganei…

Quanto vale uma enxaqueca?


Um destes dias tive de ir à Farmácia “aviar” uma receita de onde constava uma extensa lista de medicamentos. Quando me apresentou a conta, a farmacêutica perguntou-me:
- Tem cartão de pontos?
- Como?
- Cartão de pontos.
- Por acaso tenho. O da Galp e o da BP . Mas porquê? Dão desconto?
Fitou-me com aquele ar piedoso de quem está na presença de um atrasado mental e esclareceu:
- Não, o cartão de pontos das farmácias portuguesas.
-Desculpe, mas não sei o que é isso.
Puxou de um formulário e esclareceu-me:
- Preencha isto e depois damos-lhe um cartão onde vai acumulando pontos de acordo com as despesas que faz e à medida que vá atingindo os números de pontos necessários, pode ter descontos ou receber produtos.
Aceitei o formulário. Já no metro, fui tentar saber quantos pontos valeria uma enxaqueca. Mais ou menos do que uma dor de dentes? Certamente menos do que umas anginas e mais do que uma simples constipação. No entanto, depois de ler aquilo, eu precisava era de um anti-depressivo.
Foi então que me lembrei de partilhar convosco esta experiência, que me parece fazer todo o sentido recordar.

Conversas com o Papalagui (47)

-Diz-me uma coisa tuga: para que é que vocês precisam de gastar dinheiro com um ministro das obras públicas, se ele anda a reboque das decisões do primeiro ministro? Sempre poupavam dinheiro nos assessores , nas secretárias e em muita gasolina e almoços…
-Não sejas parvo. A Suíça também tem um ministro do Mar e não vejo lá mar nenhum!
-Tens razão, tuga. Estava a esquecer-me que a Bélgica também tem um ministro da Cultura. Já cá não está quem falou...

Sugestão do dia

A Terceira Via