quarta-feira, 21 de abril de 2010

Conversas com o Papalagui (46)

- Eu sei que tu não gostas dele, tuga, mas Berlusconni é o máximo.
- Então porquê?
- Agora decidiu gozar com a Igreja Católica e foi comungar, nas cerimónias fúnebres de um actor qualquer
- Mas o que é que o impedia de comungar?
- Então não sabes que os divorciados que voltam a casar-se não podem comungar?
- Olha que essa é boa! Os padres pedófilos comungam todos os dias, porque é que o Berlusconni não pode?
- Não achas que foi uma afronta?
- Eu não! Se ele comungou é porque o padre que estava a rezar a missa lhe deu a hóstia
- E que querias que ele fizesse? Que se recusasse a dar a comunhão ao PM italiano? Já viste a bronca ?
- Olha lá e se fosse um cidadão comum a ir comungar e o padre se recusasse a dar-lhe a comunhão? Se a Igreja diz que somos todos iguais perante Deus, não pode infringir as regras só porque quem as viola é um primeiro-ministro.
- Já estou a ver que se estivesses na assistência ainda começavas a cantar “Come a papa, Berlusco, come a papa!”...

O último ditador


Reynaldo Bignone foi o último presidente da miserável ditadura militar argentina, tendo exercido o cargo entre 1976/1983.
Quase 30 anos depois, um tribunal de Buenos Aires condenou Bignone ( actualmente com 82 anos) a 25 anos de prisão efectiva, por crimes contra a Humanidade A mesma pena foi aplicada a dois generais que lhe irão fazer companhia numa cela onde se espera que apodreçam como as suas vítimas.
A Argentina continua a condenar os seus algozes e os argentinos a aplaudir de pé as decisões dos tribunais.
Por cá,incensam-se os ditadores e o seu séquito de bandidos. Nem Rosa Casaco, assassino confesso de Humberto Delgado, foi incomodado pela justiça portuguesa. Antes da sua morte ainda se deu ao luxo de se passear em Lisboa como herói, dar entrevistas e ser fotografado no Parque das Nações. Um país incapaz de fazer justiça é um país sem futuro.
Na Argentina, pelo contrário, os tribunais julgam e condenam os ditadores e seus agentes, sem invocar a sua provecta idade para os desculpabilizar. Embora ainda esteja a lamber as feridas daquele período sangrento da sua História, a Argentina está a dar um exemplo ao mundo. Através da Justiça e da perseverança do seu povo que honra a memória dos seus mortos.

Cidades da minha vida (13)

Viana do Castelo
Viana do Castelo é, para mim, uma espécie de Escola de Sagres da vida. Por lá vivi amores adolescentes e quando subia a Santa Luzia e via Viana a meus pés, tinha a sensação de que podia dominar o mundo e o meu destino seria partir à sua descoberta.
Em Viana desaguaram fins de semana vindos de Ponte de Lima ou Barcelos, onde igualmente fui feliz. Viana é também as festas da Senhora da Agonia, o arroz de sarrabulho, o “Três Potes” de outros tempos, os arraiais de Santoinho ( também de outros tempos), a presença de espanhóis animando as noites da cidade e muitas, muitas, outras coisas…
No Verão passado, um reencontro fortuito em Viana, devolveu-me as recordações que, prudentemente, mantive guardadas num baú durante décadas. É possível vivê-las duas vezes?Por agora, restam as fotos de outros tempos...

Parabéns, Brasília!


Não é uma das cidades da minha vida mas. neste mês dedicado às cidades, não podia deixar de aqui falar de Brasília, que hoje comemora 50 anos.
Lembro-me, ainda miúdo, do orgulho dos meus familiares brasileiros com a nova capital, sonhada por Jucelino Kubitscheck e concretizada com a assinatura de Óscar Niemeyer- um dos maiores prodígios da arquitectura mundial.
Conheço mal Brasília, mas na retina ficaram-me a Catedral e a Praça dos Três Poderes, com o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. Concebida como cidade do futuro, que simbolizaria a pujança de um país jovem e democrático, Brasília não viria a desmerecer essa esperança mas, por ironia do destino, poucos anos depois do seu "nascimento", o Brasil viveria, durante vinte anos, sob uma ditadura militar.
Hoje em dia, apesar das desigualdades gritantes, o Brasil é um país moderno e voltado para o futuro, tendo a sua capital como símbolo dessa modernidade. Parabéns, por isso, a uma cidade que, pelo menos em termos de planeamento, é ainda hoje uma cidade exemplar.

As cidades dos outros (13)

A Tété recorda uma viagem de finalistas. Ai que saudades desses tempos!!!!!

Sugestão do dia

Visitar uma Outsider que anda há sete anos de blogosfera. É obra!