segunda-feira, 5 de abril de 2010

Ajuda com Arte


É inaugurada amanhã, dia 6, pelas 18h30m, no Salão Nobre do Clube dos Fenianos do Porto, uma exposição de artistas plásticos portugueses, espanhóis, brasileiros e mexicanos que, numa manifestação de solidariedade com as vítimas das inundações na Madeira ofereceram alguma das suas obras, cuja venda reverterá a favor dos mais carenciados.A iniciativa, que teve a colaboração da galeria Vieira Portuense, irá permitir à Associação Protectora dos Pobres, instituição de solidariedade social, apoiar inúmeras pessoas em situação de pobreza e exclusão social.
Quem não puder deslocar-se ao Clube Fenianos Portuenses, poderá ver a exposição em http://ajudacomarte.blogspot.com/
Para adquirir alguma das obras aí expostas bastará fazer a reserva através do e-mail da Galeria Vieira Portuense, depositar ou transferir o preço para a conta da Associação Protectora dos Pobres, IPSS, aberta na Caixa Geral de Depósitos, e remeter o comprovativo de tal pagamento à Galeria Vieira Portuense, que lhe fará a entrega da obra.
( Informação fornecida pela Fátima do SIMECQ)

A Inquisição é um mito?

"Assim se criou há séculos o mito da Igreja sanguinária nas cruzadas e Inquisição. Tirando os casos do contexto, relacionando épocas diferentes e empolando os números, gerou-se a lenda do terror inquisitorial em que hoje ainda até muitos católicos acreditam. Não importa que os processos fossem rigorosos e transparentes, as condenações uma ínfima minoria dos casos julgados e pouquíssimas face às execuções civis, numa épocas de pena capital habitual. Julgadas em contexto cultural muito diferente, essas informações distorcidas e parciais criaram uma das maiores falsificações da História."
Se isto tivesse escrito por um mentecapto com a quarta classe, não mereceria a minha atenção. Mas isto é um excerto de um longo artigo do prof universitário João César das Neves, no DN de hoje. Recuso-me a classificar o texto ( cuja leitura na íntegra recomendo). Apenas lembro que há por aí alguns beatos que pensam exactamente o mesmo, mas não têm coragem de o escrever no seu blog, para não estragarem a sua imagem de gente civilizada. Devem, no entanto, rever-se neste artigo onde se pretende branquear a actuação de algum clero. A sua forma de vida também passa por mascarar atitudes pouco dignas, para preservar a imagem.

Cidades da minha vida (1)

PORTO
Foi a cidade onde nasci e não podia deixar de a escolher para abertura desta nova rubrica. Vivi lá ate aos 17 anos e, desde sempre, mantive com o Porto uma relação de amor e ódio. Já vos expliquei em muitos posts a minha relação ambivalente com o Porto, mas para os que ainda não sabem, aqui deixo esta pista. Depois, podem partir à descoberta de outros posts e outras fotos da cidade.

Começar de novo...


A Semana Santa foi marcada pelas notícias de umas bebedeiras em Lloret del Mar,os escândalos de pedofilia, a euforia com a vitória do Benfica sobre o Liverpool e a decisão do CJ da FPF que diminuiu a drástica pena aplicada pelo inenarrável Ricardo Costa aos jogadores do FC do Porto Hulk e Sapunaru . Uma semana atípica, em que os escândalos políticos passaram para segundo plano, mas se manteve a tradição de os trabalhadores dos museus fazerem greve. Uma forma exemplar de auto flagelação , ou apenas pirraça aos milhares de turistas que nos visitam nesta época?
Terminada a época pascal, o país noticioso volta à normalidade. Logo a abrir a semana os projectos urbanísticos de Sócrates e a compra dos blindados Pandur, no tempo de Paulo Portas, fazem manchete em todos os jornais. As notícias dos escândalos envolvendo políticos poderão ter os dias contados a breve prazo. O envolvimento do Centrão nesses escândalos e uma nova liderança do PSD que parece ser mais civilizada e recusar a política suja ajudarão a acalmar esta guerra fratricida entre os partidos do poder.( Apropósito... PPC propõe um código de ética para políticos. Acho bem, mas sugiro que comece por alguns dos seus apoiantes, cuja ética deixa muito a desejar...)
A banalização das notícias sobre escândalos envolvendo políticos deixou de despertar interesse nos leitores, pelo que é admissível que os jornais ( esgotada a telenovela das escutas e os discursos de vitimização de alguns jornalistas que se dizem perseguidos) estejam à procura de outro filão que ajude a aumentar as vendas.
A exploração da tradicional inveja dos portugueses parece ser uma tentativa condenada ao fracasso. Embora sejam quase pornográficos os salários e prémios recebidos pelos gestores das empresas públicas, os portugueses depressa se cansarão desse folhetim. Preferem os crimes passionais, as notícias xenófobas ou decisões da justiça envolvendo crianças. Viria mesmo a calhar um novo caso Maddie, ou Alexandra, para animar as vendas…
À míngua de notícias apetecíveis, os jornais poderiam aproveitar para dissecar melhor os efeitos do PEC e do orçamento de Estado na vida dos portugueses e investigar as reformas douradas auferidas por alguns políticos e quadros superiores da administração pública. Ou divulgar notícias sobre as empresas que não comunicam ao IEFP despedimentos dos seus colaboradores, nem fazem os descontos a que estão obrigadas, privando inúmeros trabalhadores de aceder ao subsídio de desemprego.
Já agora, poderiam também trazer-nos boas notícias. Daquelas que nos empolgam e ajudam a enfrentar o futuro com mais confiança. No dia em que os jornais voltarem a mandar os jornalistas para o terreno, em vez de os sentarem durante todo o dia à frente do computador a construir notícias a partir da Internet, talvez a leitura dos jornais se torne mais aprazível e aumentem as vendas. Se o receituário noticioso mantiver os padrões actuais, não auguro nada de bom. Nem para os jornais, nem para muitos dos jornalistas que lá trabalham.

A cada um sua cidade


Lembram-se do desafio que vos lancei aqui há dias? Então, desde hoje e até dia 30, fico a aguardar as vossas histórias e as vossas escolhas. (A primeira a fazê-lo foi a Si).
Logo mais iniciarei a série “Cidades da Minha Vida”. Por agora deixo-vos com esta perspectiva de algumas personalidades sobre o que seria “uma Lisboa melhor”.
A Time Out fez, há tempos, um inquérito a 40 “personalidades”, pedindo-lhes ideias para uma Lisboa melhor. Estes inquéritos valem o que valem mas, por vezes, revelam facetas curiosas. Como é o caso da proximidade de pontos de vista entre Paula Bobone e Ana Drago. Enquanto a senhora que nos quer ensinar boas maneiras, pensa que Lisboa ficaria perfeita se a zona do Chiado ( onde vive) fosse requalificada, Ana Drago, a deputada do Bloco de Esquerda é de opinião que Lisboa ficaria melhor se Telheiras ( o bairro onde vive) se livrasse do Estádio de Alvalade, para lhe evitar os transtornos dos dias de jogo.
Parece-me curiosa esta coincidência de opiniões entre uma pessoa de direita e uma deputada do bloco de esquerda. Para ambas, basta mudar o que está mal na zona onde vivem, para Lisboa ficar melhor.Vários dos inquiridos fizeram propostas com alguma originalidade, mas escolhi como a mais original a do cozinheiro Vítor Sobral, que propõe a instalação de um mega-confessionário onde os lideres partidários deveriam passar meio dia por semana a ouvir as confissões do lisboetas.
A mais surpreendente foi a de Diogo Infante. Para se sentir feliz em Lisboa, o actor apenas precisava de ( pelo menos) uma dúzia de pontes que ligassem Lisboa à outra banda. Umas só para peões, outra só para ciclistas e as restantes, presumo, para automóveis e tudo quanto polua a cidade e torne a vida dos lisboetas ainda mais insuportável.

As cidades dos outros (1)

A Si foi a primeira leitora a responder ao desafio que lancei aqui há dias. Escolheu uma das cidades europeias de que mais gosto e conta um episódio que vale a pena ser lido. Vão lá ver... Fico a aguardar as vossas propostas e sugestões.

Sugestão do dia

Retomo hoje as sugestões diárias de blogs que visito e também me visitam. A primeira sugestão é para um blog bem longínquo: Devaneios a Oriente.