quinta-feira, 4 de março de 2010

"Deleitados" surpreendidos

Nesta entrevista ao La Vanguardia, Cavaco Silva afirma que houve má fé por parte de quem comparou a siatuação de Portugal com a da Grécia.
Ora, se bem me lembro, Manuela Ferreira Leite afirmou isso mesmo num recente almoço na Câmara de Comércio Luso-Francesa. Muitos "deleitados" ( defensores extremosos de MFL) devem andar a contorcer-se com "dores", mas a verdade é que a afirmação de Cavaco Silva só surpreende por ele ser amigo pessoal de MFL. Quanto ao resto, só mesmo os "deleitados" é que podem ficar supreendidos.

Portugal no feminino (4)


Filha de um violoncelista do Real Teatro de S. Carlos, Guilhermina Suggia nasceu no Porto. Herdeira das qualidades artísticas do pai, aos 13 anos era já violinista principal da Orquestra do Porto e aos 15 recebia aulas de Pablo Casals.
Depois de uma actuação no Palácio Real em Lisboa, a convite da Rainha D. Amélia, a Coroa concedeu-lhe uma bolsa para estudar em Leipzig, onde permaneceu durante dois anos.Após um breve regresso ao Porto, actuou nas principais salas da Europa, com enorme sucesso, acabando por se fixar em Londres onde actuou nas mais prestigiadas salas, integrada nas mais reputadas orquestras. Aí permaneceria até meados da década de 30, altura em que se instalaria definitivamente no Porto .
Em 1923, foi uma das primeiras mulheres a ser galardoada, pelo governo português, com a Ordem de Santiago de Espada. O sucesso de Guilhermina Suggia na Europa ganha maior relevância se lembrarmos que o violoncelo era um instrumento considerado indecoroso para as mulheres. De tal forma, que a BBC, ainda em 1930, proibia a sua orquestra de contratar mulheres violoncelistas. O facto de ter quebrado este tabu justifica a sua entrada nesta galeria reservada a mulheres de fibra.
Nota final: Por decisão testamentária, os seus mais valiosos violoncelos foram vendidos e, com as receitas apuradas, forma criados os prémios anuías Guilhermina Suggia (da Royal Academy of Music e do Conservatório do Porto), para os melhores alunos de violoncelo daquelas entidades.
A história da Mulher do Mundo de hoje, merece ser conhecida. Aqui

Jornalismo de "causas"

Uma notícia ontem publicada no DN sobre o julgamento da claque ( não oficial)do SLB, os No Name Boys, é um bom exemplo da forma como a comunicação social pode, de forma mais ou menos subtil, influenciar a opinião pública.
A notícia não está on line, pelo que não pude linkar, mas o que justifica este post é uma caixa que passo a transcrever:
Um destaque a vermelho, (CURIOSIDADES), chamava a atenção, em título, para uma caixa a bold:
Juiz Renato Barroso é sócio do FC Porto
“ O juiz Renato Barroso, que preside ao colectivo de juízes que está a julgar vários membros dos No Name, é sócio do FC Porto e já presidiu à Assembleia Geral da Casa do Porto em Lisboa. As suas preferências em nada influenciam na sua decisão ( sublinhado meu). Foi ele quem considerou que Vale e Azevedo, ex-presidente do clube, não reunia condições para beneficiar de liberdade condicional e que a sua condenação, em cúmulo jurídico, podia chegar aos 18 anos de cadeia, num despacho em 2008.No caso dos No Name o juiz tem em mãos casos de agressão crime de incêndio ( Nota minha: de um autocarro do FC Porto), tráfico de droga, armas e asociação criminosa.”
A frase que destaco, metida a martelo no meio do texto, procura dar a sensação de que o jornalista está a defender que o juiz é isento, mas o que se escreve, antes e depois, deixa o leitor na dúvida acerca da sua vulnerabilidade, face às simpatias clubísticas.
Notícias assim, não prestigiam o jornalismo mas, infelizmente, estão a torna-se cada vez mais comuns. Lançar suspeições e dar opinião não é jornalismo, é conversa de café.

Blogs no feminino (4)

Foi uma das mais recentes descobertas que fiz na blogosfera ( tenho andado com pouco tempo para sair do blogobairro e partir à descoberta de novos caminhos...).
Aportou ao Rochedo, seguindo a sugestão de um leitor deste cantinho, apresentou-se e fui retribuir a visita. Amor à primeira vista. "The Big Chill" é um excelente blog que já faz parte do meu roteiro de leituras blogueiras. A seguir com atenção.