segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

LIVRE E... DIRECTO!

Livre, sim... amordaçado, nunca!


Há dias critiquei aqui a manif em defesa da liberdade de expressão. Sem pretender atacar ninguém directamente- até porque desconhecia quem eram os seus promotores. Critiquei, porque me pareceu que uma manif a favor da liberdade de expressão só podia ser organizada por quem não tem memória dos amargos tempos da Censura, ou tem objectivos menos claros. Fui mal interpretado por alguns, mas vi a minha opinião ser corroborada por muita gente com memória, que nada tem a dever ao actual governo, nem dele depende para ser cidadão por inteiro. Grandes jornalistas e cronistas em nada afectos a Sócrates ( alguns até em outros tempos da nossa jovem democracia vítimas de censuras veladas) vieram, por outras palavras, tecer críticas idênticas. Em alguns casos, bem mais corrosivas e acutilantes.
Sempre pensei pela minha cabeça. Tenho as minhas opções políticas, mas não sou de fidelidades partidárias; não utilizo o CR para fazer campanha por um qualquer candidato; não me mascaro daquilo que não sou, para construir uma imagem; não me coíbo de dar a minha opinião sobre as questões que marcam a agenda política. Se não o fizer no meu blog, onde o vou fazer?
É por isso, com a mesma isenção, que compreendo uma petição que me chegou por mail e de que não faço link, mas de que transcrevo alguns excertos:
PELA DEMOCRACIA, NÓS TOMAMOS PARTIDO
“ O que se está a passar em Portugal representa uma completa subversão do regime democrático. Os sinais avolumam-se diariamente e procuram criar as condições para impor ao país uma solução rejeitada nas urnas pelos portugueses (…)”

“Não aceitamos ser instrumentalizados por quem pretende que um Primeiro-Ministro seja constituído arguido nas páginas dos jornais, tal como já aconteceu noutras ocasiões num passado recente, alimentado um chocante julgamento popular que tem por base a violação dos direitos individuais e a construção de uma tese baseada em factos aleatórios, suspeições e vinganças pessoais. Defendemos o interesse público e o sistema democrático para lá de qualquer agenda partidária.”
Louvo o facto de os primeiros subscritores não esconderem que são militantes do PS. Poderiam até ser do CDS, do PCP, ou de qualquer outro partido, porque pela defesa da democracia e pelo respeito da vontade popular expressa nas urnas, não tenho pejo em assinar por baixo.
No entanto não o fiz de imediato, por uma razão simples. Não sabia em que medida esta petição estava relacionada com um SMS que anda a circular, convocando uma manifestação de apoio a Sócrates para o próximo dia 20. Porque nisso, já não participo.
Desfeita essa confusão pelos subscritores, assino sem pestanejar. Espero ver democratas de outros partidos, desde o CDS ao BE, fazerem o mesmo. Incluindo aqueles que, certamente de boa fé, assinaram uma petição em defesa da liberdade de expressão.

É Carnaval, ninguém leva a mal...(2)

Um grupo de amigos de 40 anos discutiam e discutiam para escolher o restaurante onde iriam encontrar-se para jantar.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque as empregadas usavam mini-saias e blusas muito decotadas.
10 anos mais tarde, aos 50 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque a comida era muito boa a havia uma óptima selecção de vinhos.
10 anos mais tarde, aos 60 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque ali podiam comer em paz e sossego e havia sala de fumadores.
10 anos mais tarde, aos 70 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque lá havia uma rampa para cadeiras de rodas e até um pequeno elevador.
10 anos mais tarde, aos 80 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez discutiram e discutiram para escolher o restaurante.
Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical. Todos acharam que era uma grande ideia porque nunca lá tinham estado antes.