domingo, 17 de janeiro de 2010

Brites nas Caraíbas



Olá!
Já sei que há por aí muita gente que tem sentido a minha falta. Ao que li, até o dono do Rochedo que, não sendo pessoa de dar o braço a torcer, foi obrigado a reconhecer que precisava de mim neste período em que anda tão entusiasmado com o trabalho, que mal tem tempo para escrever coisas de jeito. Aliás, nota-se… este ano está farto de “encher chouriços”, com posts sem piléria nenhuma. Eu já lhe mandei um SMS a dizer para voltar a postar algumas daquelas Cenas giras que ele escrevia em tempos, porque sempre são melhores, mas não me deu ouvidos. Pronto, está bem, isso é lá com ele e eu vim aqui para vos dar notícias minhas, não foi para falar do Carlos.
Só vos digo uma coisa:estou que nem posso! Durante as festas devo ter engordado cem gramas e nem consigo ver-me ao espelho. Fartei-me de fazer exercício durante o revéillon, mas nem assim consegui emagrecer. Como é que eu podia? Com a Lili Caneças sempre a enfiar-me champagne pelo bico, a Cinha Jardim a apaparicar-me com doces, o Tony Carreira a cantar aquelas canções dengosas no MP3 da Pimpinha e este calor danado, só dá mesmo para o ripanço. Só faço exercício quando a cadela Juanita ( uma mimada do caraças) se põe a ladrar e a ganir. Acontece sempre à noite quando as meninas vão curtir para as discotecas e a deixam sozinha. Durante o dia não me liga nenhuma, mas à noite é só ternuras. Não tenho paciência para a aturar e passo a noite a fugir dela como o diabo da cruz.
Um dia destes apareceu por aí um chinês. Parece que é jogador de ping-pong e trazia uma medalha ao peito, que ganhou nos Jogos Olímpicos de Pequim. (Será que a Martinha o conhece?) Ora o Ma Lin - é como se chama o moço-apaixonou-se pela empregada do bar e não sai de lá. Quando eu pensava que aquilo ia acabar com cerimónia na Igreja e já me estava a fazer a um convite ( adoro casamentos e baptizados) rebentou a bronca. O Ma Lin afinal é casado há cinco anos com uma actriz chamada Zhang Yi. Quando a miúda soube partiu-lhe a garrafa de vinho de arroz na tola e foi para o quarto debulhada em lágrimas.
O melhor, é que o rapaz jura, pela alma do canário que traz sempre com ele ( uma brasa que põe a um canto aquele tipo da Nespresso) não saber de nada!. Eh pá, há gajos muito distraídos, não acham? Ou será que este ar das Caraíbas tolda o juízo aos humanos?
Pronto, isto hoje fica por aqui. Em Fevereiro regresso ao Rochedo. Para dizer a verdade já tenho saudades do Sebastião e sei que ele anda muito deprimido depois daquela cena na Dinamarca. Anda a precisar de miminhos, coitado.
Bicadinhas para vocês todos e até breve.