quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Assim não vamos lá...

Ora aqui está um bom exemplo daquilo a que se pode chamar um argumento pífio. Ao justificar a necessidade de restringir a progressão na carreira, com o facto de 80 por cento dos professores terem sido classificados com “BOM” , a ministra Isabel Alçada esquece que uma boa percentagem desses professores teriam melhor classificação, no caso de não existirem as quotas para “Muito Bom” e “Excelente”, pelo que estão a ser prejudicados.
Por outro lado, se a ministra afirma que a percentagem de docentes classificados com “Regular” ou “Insuficiente” é muito pequena, está a admitir que a qualidade do ensino é pior do que se pensa e a insinuar que muitos dos docentes classificados com "BOM" estão a ser beneficiados. Não será com este estafado argumento( já utilizado pelo governo para restringir a progressão dos funcionários públicos) que Isabel Alçada irá convencer os sindicatos. É certo que o sistema em vigor, de progressão automática, é injusto para quem mais trabalha e se empenha, mas há outras maneiras de garantir uma progressão justa.
Ao recuperar as propostas de Maria de Lurdes Rodrigues, com uma ou outra afinação de circunstância, a ministra da educação está a convidar os sindicatos ao confronto. Não lhe auguro grande futuro…

Pelo país dos blogs (50)

Confirmando as animadas movimentações blogueiras de início de ano, nasceu hoje mais um blog que promete: Albergue do Espanhol. Título sugestivo e uma equipa de luxo auguram bons momentos blogosféricos. Os meus votos de sucesso para o neófito Albergue onde certamente pernoitarei muitas vezes.

O Século Chinês- Divagações sobre uma viagem ao futuro com resquícios do passado (e epílogo no Porto)

Aviso: este é um texto de ficção. O autor ainda não enlouqueceu ( mas para lá caminha…). Se lerem tudo até ao fim, não digam que não avisei!
Em 1931 foi inaugurado, com pompa e circunstância, mas também sob uma chuva de críticas, o Empire State Building, um majestoso edifício de 443 metros de altura destinado a escritórios, com 102 andares. Porém, o fausto do edifício não se coadunava com a crise que se vivia e os escritórios ficaram às moscas, o que levou os americanos a apelidá-lo de Empty (Vazio) State Building.Seria até 1972, data da inauguração do World Trade Center, o edifício mais alto do mundo. Recuperaria o seu estatuto em 2001, na sequência do atentado da Al Qaeda.
Pouco depois da destruição do WTC, começou a ser planeada a construção da Freedom Tower, um edifício de 108 andares e 541metros de altura, que será inaugurado em 2011. À época pensava-se que seria o edifício mais alto do mundo quando terminasse a sua construção, mas tal não virá a acontecer . Com efeito, foi inaugurado ontem o Burj Dubai que, com os seus 169 andares e quase 800 metros de altura, passará a ostentar esse título.
Há algumas comparações curiosas entre o Empire State e o Burj Dubai. Ambos foram considerados projectos megalómanos e foram construídos em época de grave crise económica( O Dubai ainda está ameaçado de falência). Se o ESB ficou anos às moscas, o Burj Dubai corre o mesmo risco pois, apesar de a maioria dos 900 apartamentos estarem “apalavrados”, muitos dos promitentes compradores poderão vir a desistir do negócio. Já quanto aos 37 andares destinados a escritórios é que não restam dúvidas. Não há procura, em virtude da crise financeira.
De qualquer modo, é natural que dentro de alguns anos, os 527 mil metros quadrados do edifício estejam a regurgitar de gente, discutindo animadamente as cotações da bolsa de Xangai, Hong Kong ou Singapura, o New Deal proposto pelo primeiro ministro chinês Hu-Jin- Ling, que terá acabado de suceder a Hu-Jin-Tao, ou o best-seller mundial “ A Leste Nada de Novo” da autoria de um reputado escritor coreano, cujas teorias anti-belicistas suscitarão viva polémica.

Não é previsível que surja, a Oriente, uma nova Agatha Christie, nem uma Miss Marple mas, robotizadas actrizes nascidas nos estúdios da indiana Bollywood, deixarão os japoneses, reunidos na sala de espectáculos do Burj Dubai, com o coração aos pulos e os olhos em bico. Todos, sem excepção, se deslocarão nos seus monolugares telecomandados e movidos a laser, baptizados com o sugestivo nome de “ Alegria do Povo”, para assistir à estreia do filme de Ang Lee E Tudo o Oriente Levou” baseado no livro, de um escritor cambojano, com o mesmo título.
O objecto que faz as delícias dos consumidores de todo o mundo chama-se MP- 12. Para além das funções do MP-4, este aparelho inventado pelos japoneses traz incorporado um Karaoke, a Bimby, uma televisão digital de imagem tri-dimensional, telescópio, computador pessoal com ligação a 179 redes sociais, “scanner” com capacidade para digitalizar a biblioteca do Pacheco Pereira na Marmeleira, em apenas 39 segundos e detector de terroristas. Todos os compradores têm direito, como brinde, a um bonsai com garantia de cinco anos e a um telemóvel, objecto que em todo o mundo oriental caiu em desuso, desde a invenção do “Telepat”, um aparelho que lê os pensamentos, evitando a troca de palavras entre as pessoas.
Entretanto, num casino recentemente inaugurado em Macau, onde o jogo da moda é um “remake” do “scrubble” que animou os anos 30 do século XX no Ocidente, actuará a mop-star virtual Sun Li.
Nos Estados Unidos, o filho de Al Gore iniciará a “Grande Marcha Verde” que irá conduzir à vitória dos ambientalistas americanos. Na chegada a Seattle prometem uma taxa de emissões Zero, perante os aplausos de uma multidão entusiasmada.
A União Europeia, presidida pela filha de Mussolini, será nessa altura constituída por 39 países, que procuram há sete anos um entendimento sobre o Tratado que irá substituir o Tratado de Lisboa. A Europa tornou-se o maior exportador do mundo, mas os chineses acusam os europeus de concorrência desleal, por praticarem salários de miséria. Os europeus emigram para a Ásia e América Latina, em busca de melhores condições de vida. Mas a Europa continua a dar cartas no desporto. No futebol, por exemplo, a Suíça sagra-se campeã mundial.
Na América Latina, a democracia finalmente venceu. Hugo Chavez prepara-se para cumprir o seu 10º mandato e continua a guerra surda com Uribe que vendeu aos chineses as bases dos americanos. Na Patagónia argentina, a construção sofreu um boom espectacular, graças aos investimentos sul-coreanos. Um hotel de 7 estrelas foi construído em Península Valdez, tendo todos os quartos, equipados com piscina, vista para as baleias e restante fauna marítima, que está quase em vias de extinção. O património natural da Terra do Fogo foi devastado pela indústria farmacêutica, que aí encontrou a substância necessária para o fabrico da vacina contra o vírus da Gripe Z, com origem na Indochina. Os vestígios do Perito Moreno continuam a ser visitados anualmente por milhões de turistas orientais, enquanto os chineses acabam de estabelecer um consórcio com Angola e a África do Sul, para a exploração de minérios raros em Machu Pichu, no Peru.

O governo brasileiro, entusiasmado com o sucesso da “Grande Marcha Verde”, alia-se aos americanos e compromete-se a preservar os ainda inexplorados 500 hectares da Amazónia. Do acordo faz parte a transformação da parte brasileira das cataratas de Iguaçu ( decorrem negociações com a Argentina, que se mantém renitente) em estância termal.
África pouco mudou. Apenas as rotas da emigração, que agora apontam para o Oriente próspero e desenvolvido. Aos 96 anos, o presidente da África do Sul acaba de anunciar o seu undécimo casamento. Desta vez, a esposa escolhida é uma zulu de 15 anos. Em Angola, a filha de José Eduardo dos Santos sucede ao pai, depois de uma luta renhida com a candidata da Unita, que reclama ter havido fraude eleitoral. Moçambique conquista o título mundial de hóquei em patins.
Por cá, a Justiça anuncia finalmente a condenação de três réus do caso Casa Pia, entretanto falecidos. Os casos Freeport e Face Oculta aproximam-se das alegações finais e o Primeiro Ministro Paulo Rangel anuncia a construção da 7ª travessia sobre o Tejo, ligando a estância balnear do Bugio ao Forte de Caxias. Há mais seis acusados na Operação Furacão. Dias Loureiro e Armando Vara reformaram-se há vários anos, mas os seus processos continuam em segredo de justiça.
Na cidade do Porto, este edifício que em 2009 foi classificado pelo Times como o 5º edifício mais belo da década, será visitado por milhões de turistas, maravilhados com a “loucura e perversão” da sua arquitectura basista. O mundo parece querer voltar às construções térreas, depois de umas décadas a pensar e trabalhar a centenas de metros de altitude. Escritórios em edifícios de um único piso são agora a grande moda. Descer à terra, talvez nos safe de uma nova guerra, mas esta crónica nunca teria sido escrita, se eu não estivesse de visita ao Dubai e não me tivesse instalado numa penthouse do 167º andar do Burj Dubai.




Adivinha

Sabem qual é a semelhança entre Emídio Rangel e Vítor Serpa?
Se não sabem, mais logo eu explico.

Então, apesar de atrasado e grato ao Pedro Oliveira pela lembrança, aqui vai:
Rangel dizia que era capaz de vender um Presidente da República como um sabonete, mas os patrões nunca lhe deram oportunidade de o demonstrar.
Vitor Serpa anda há 15 anos a vender o SLB como campeão nacional , mas os patrões da Luz ainda não lhe deram a oportunidade de o confirmar.