sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Era fácil, não era?

A solução deste problema que vos coloquei era mesmo fácil. Em Portugal, desde 1976, as leis são numeradas anualmente. Exemplos: Lei 29/ 81 ou Lei 5/2010. Ora, assim sendo, a Lei 3359 nunca poderia ser de 2002. A existir, tratar-se-ia de uma Lei aprovada durante o Estado Novo. Significa isso que a Lei não existe e foi uma invenção do autor do mail? Não exactamente. A Lei , na verdade, existe e trata do assunto que é transcrito no mail . Só que… é brasileira e, por isso, nunca poderia ter sido publicada no Diário da República ! Naquele país continua a ser utilizada a numeração sucessiva das leis, seguida da data da sua aprovação, sendo a publicação feita no Jornal Oficial.
Não sei se o autor deste mail agiu de má-fé, ou por ignorância, mas o resultado é o mesmo. É assim que se intoxica a opinião pública. O mais grave, é constatar que quem ma enviou tinha obrigação, pela sua actividade profissional, de saber que era mentira e deveria ter-se abstido de a reencaminhar.
Para muita gente, talvez esta questão não seja demasiado importante. Discordo de quem assim pensa. Creio não ser o único que, com tanta patranha que por aí circula, põe em dúvida mails que podem ter objectivos sérios. Ainda há tempos circulavam por aí mails pedindo dádivas de sangue, ou doações de medula, invocando necessidades do Instituto do Sangue ou do IPO, que aquelas organizações vieram esclarecer serem falsos. Com coisas sérias não se brinca e o assunto tratado neste mail é bastante sério e não merecia tratamento tão leviano.

4 comentários:

  1. Nunca recebi nenhum desses @-mails, mas concordo 100% consigo.
    Também não sabia que "há empresas que pagam a “criativos” para lançarem boatos na Internet".
    Há tempos recebia de uma amiga virtual uns @-mails muito chatos, onde me diziam, se não mandasse esses @-mails a 15 pessoas, acontecia-me uma desgraça.
    Pedi a essa "amiga" para NUNCA mais me mandar esses @-mails enervantes.

    Um abraço de Düsseldorf!

    ResponderEliminar
  2. Tem toda a razão. Por mim não deixo passar uma, quando me aparece coisas meio "estranhas" nunca reencaminho, e pasmo com a facilidade com que pessoas, que eu supunha terem um mínimo de sensatez, se prestam a divulgar autenticos absurdos, alguns até bem mais grosseiros do que aquele que nos apresentou.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Por essa razão, hoje em dia, raramente passo mails que servem para denegrir algo ou alguém.
    Leio e... apago.

    Fico com a consciência muito mais tranquila de não alinhar nesta palhaçada que é cada vez mais a vida Portuguesa e não só.

    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Só uma correcção, a alteração da numeração da legislação portuguesa não ocorreu em 1976 mas sim durante o governo de Marcelo Caetano, aí por 1971 ou 1972

    ResponderEliminar