sábado, 21 de agosto de 2010

Imagens da nossa memória(21)

Porque hoje é sábado, aqui ficam algumas revistas portuguesas já desaparecidas. Qual era a vossa preferida?







Imagem anterior: Licença de isqueiro

5 comentários:

  1. Foi na Vida Mundial que aprendi com um tio a fazer palavras cruzadas, teria os meus 12 anos...
    Abracinho

    ResponderEliminar
  2. Comprava muito a Plateia e a Revista Filme. Esta última, dava informações sobre novos filmes e também explicava como eram feitos os truques e efeitos especiais em imagem e som.
    Um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. Carlos, falta a Crónica Feminina que a minha mãe comprava religiosamente, todas as semanas :)
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Lembro-me sobretudo da Crónica Feminina que as minhas primas mais velhas consumiam e que eu folheava quando cá vinha de férias. Da Plateia também.

    ResponderEliminar
  5. A propósito de revistas, saiu entre Setembro de 1976 e Agosto de 1977, uma revista chamada “Isto é Espectáculo”, dedicada ao cinema e também a teatro, música, televisão, rádio, etc.

    Era seu director e proprietário Lauro António, e no primeiro número colaboraram, entre outros, José Camacho Costa, João Lopes, Maria Eduarda Reis Colares, Mário Damas Nunes, Jorge Listopad, J. Nuno Martins e muitos outros.

    Comprei, a maior parte na tabacaria do cinema Quarteto, e consegui guardar os 8 números que saíram. Considero essas revistas uma preciosidade, não só por serem únicas, mas também porque marcaram uma geração de cinéfilos.

    Os dois primeiros números (Set. /Out. 1976) custavam 20$00, depois passou para 30$00 e o último número, de Agosto de 1977, custava 40$00. Já era este o país que tínhamos e que ainda temos. Depois fechou e foi substituída por uma outra revista – “Isto é Cinema”, com um formato mais reduzido e de menor qualidade, e da qual ainda fui assinante, mas que, lamentavelmente, não consegui guardar nenhum dos cerca de vinte números de saíram.

    Gostaria de partilhar convosco as capas das 8 revistas. Vou tentar digitalizá-las – a habilidade é pouca, mas vou pedir ajuda – e depois é só pedir aqui no blog.

    Um abraço e, neste caso, boas fitas (como alguém diz por aí).

    ResponderEliminar