domingo, 1 de agosto de 2010

Imagens da nossa memória (1)


Que recordações vos suscita esta ardósia?

21 comentários:

  1. A minha escola! Colégio Silva Porto, na Av. Gomes Pereira, em Benfica nos anos 40. A D. Sílvia e a D. Irene, partilhavam a docência. A primeira ensinou-me a ler, a escrever e Francês, com ela aprendi a gostar da História de Portugal, achava lindo D. Miguel (talvez fosse a minha primeira paixoneta, a 2ª foi o príncipe Valente...), a segunda professora leccionava Matemática, Ciências e Desenho e outras actividades manuais.
    Era um Colégio com poucos alunos. Funcionava numa vivenda enorme com um belíssimo jardim, nela vivia a D. Irene... não me lembro da existência de empregadas...
    Vou ficar a sonhar um pouco mais...
    Obrigada!

    ResponderEliminar
  2. A escola primária da ordem e a besta do professor Lopes que jogava pingue pongue com as nossas cabeças e o quadro.

    ResponderEliminar
  3. A escola, mais especificamente as primeiras séries do ensino fundamental, da primeira à oitava série.

    ResponderEliminar
  4. Carlos

    Curioso. A mim tal como à Helena tambem me faz recordar a escola primária da Ordem, não sei se é a mesma "Ordem" (na Marinha Grande)

    Eu lembro-me mais do quadro gigante e do professor "Velho" de nome. Colocava-nos de costas para o dito e ia perguntado a tabuada, quando o primeiro não sabia o resultado perguntava ao seguinte, se o seguinte acertasse o prémio era dar ao colega tantas réguadas como o resulaltado... e assim sucessivamente. Claro que depois cá fora havia sempre ajuste de contas... outros tempos.

    ResponderEliminar
  5. Para além da muitas recordações lembra-me que estou (a ficar) velho...

    ResponderEliminar
  6. Eu adorava arranhar as ardósias com as minhas unhas. Isso enfurecia imenso a minha irmã. E eu adorava vê-la furiosa. HEHEHEHEHEHEHE

    ResponderEliminar
  7. Se ainda fosse a caneta de tinta permanente e os dedos todos borrados de tinta, mais a bata, mais a minha avó a tentar tirar a tinta com sumo de limão porque a bata não podia ir à lexívia,...
    O que o quadro me fez lembrar ;))))

    ResponderEliminar
  8. Lembra-me antigas colegas da primária, que ainda usavam estas ardósias (que se partiam com alguma facilidade). Não cheguei a usar, porque como era uma encantadora menina muito sossegada, a minha mãe comprou outro género de "ardósia", que era assim uma espécie de fórmica onde se escrevia com o lápis... bem mais resistente! :)

    ResponderEliminar
  9. Eu acho que nunca tive uma minha, mas lembro-me que alguém que a tinha adorava "arranhá-la" e eu ficava como a irmã do L.O.L FURIOSA!!!:))))
    Tive uma dessas modernas em fórmica.
    Desafio muito giro, Carlos!

    ResponderEliminar
  10. Rabiscos e gatafunhos! A preparação para a escrita através da brincadeira.

    ResponderEliminar
  11. Não me lembro de ter usado um quadro de ardósia.

    ResponderEliminar
  12. Claro que ainda foi o meu instrumento de trabalho, na primária !
    Curioso chamar-lhe ardósia :))
    Eu sei que o material é esse e desenterrado, aqui ao lado, em Valongo, a terra da ardósia, mas a esse instrumento chamávamos "lousa" e ao grande da parede, chamávamos "quadro".
    .

    ResponderEliminar
  13. Rui: É verdade que no meu tempo também lhe chamava "lousa", mas fui desgraçadamente aculturado pelos Mouros.

    ResponderEliminar
  14. Folha Seca, quais são as probabilidades de encontrar alguém que frequentou a mesma escola primária numa caixa de comentários? Sim é mm a grande Ordem da Marinha Grande. Já não apanhei esse Velho, creio eu. Ainda bem que esses tempos já passaram.

    ResponderEliminar
  15. A minha escola.
    A descoberta do universo das letras, que quando juntas formam palavras, que por sua vez se encaixam em frases, que tecem textos que nos fazem sonhar...
    Beijo

    ResponderEliminar
  16. O meu avô materno, o tipo mais porreiro que conheci, e que me ofereceu uma.

    ResponderEliminar
  17. Eu chamava "Pedra" e pena á pena com que escreviamos. O professor para emendar, dava uns " puxõezitos " de orelhas e dizia que deveriamos dizer " Lousa " ou " Ardósia ", enfim outros tempos. Ah! Ainda tenho as duas orelhas e nuca mais chamei " Pedra ".

    ResponderEliminar
  18. Também tive uma. Mas no que à escrita se refere, marcou-me mais o ritual de passagem que foi deixar de utilizar o lápis para começar a escrever com caneta de tinta permanente. Aquilo é que foi um orgulho! Hoje em dia adoro rever estas ardósias nas feiras de artesanato, naquelas em que encontramos brinquedos de madeira à antiga...

    ResponderEliminar
  19. Cheguei a levar com a palmatória por ter deixado cair e partir uma lousa que não me pertencia.

    ResponderEliminar
  20. Muitas recordações, e toda boas!
    Adorava a escola. Gastava "resmas" giz...
    Nela escrevia, desenhava, fazia contas, jogava, tudo...
    Aquilo era mais que qualquer jogo electrónico dos dias de hoje....
    Gostava de ter uma ardósia destas, mas só encontro sintéticas.....

    ResponderEliminar