terça-feira, 13 de julho de 2010

É o mercado a funcionar, estúpidos!

Os bastonários das Ordens dos Advogados e dos Médicos reagiram mal ao aumento do número de vagas para entrada nas Faculdades de Direito e Medicina.
Marinho Pinto afirma que há excesso de licenciados em Direito. Apesar de ser uma evidência, isso não significa melhor justiça e melhores leis. O excesso de juristas e advogados apenas se traduz no aumento de motoristas de táxi, empregados bancários, caixas de supermercado ou operadores de call centers licenciados.
Pedro Nunes, por sua vez, considera excessivo o número de vagas em Medicina porque, alegadamente, “não há capacidade para empregar tantos médicos”. Ora esta afirmação do Bastonário dos Médicos causa-me, no mínimo, alguma perplexidade. Se há médicos a mais, por que razão há tantos concursos para hospitais do interior que ficam desertos, obrigando o governo a contratar médicos cubanos e ucranianos? E como se justifica que, havendo médicos em excesso, um terço do pagamento a médicos dos hospitais portugueses seja relativo a horas extras? Parece-me que não bate a bota com a perdigota…

No entanto, quando começo a passear pela bloga e a ler as reacções contrárias ao alargamento do número de vagas, percebo melhor. A lógica da reacção corporativa não escapa a uma leitura ataenta. Curioso é que muitos dos que são contra o aumento do número de vagas, são acérrimos defensores de Pedro Passos Coelho e das suas ideologias liberais, o que mostra a sua consistência mental e ideológica. Querem o mercado a funcionar mas, quando lhes tocam na coutada, aqui d'el rei que me estão a estragar o negócio. São uns patuscos estes neo-liberais que não percebem que o mercado idealizado pelo seu mentor se rege pela Lei da Selva: salve-se quem puder!

8 comentários:

  1. Carlos!
    Oh, meu caro amigo Carlos.
    O texto ia-lhe tão bem. Tão bem escrito, justo e acertado... Lá teve que estragar tudo na ponta final. Com que então "São uns patuscos estes neo-liberais que não percebem que o mercado idealizado pelo seu mentor se rege pela Lei da Selva: salve-se quem puder!"

    Está fartissimo de saber que esses um neo-liberal não é um patusco. Patuscos somos nós...
    Quanto aos mentores, os verdadeiros mentores sabem que tem a sua Lei própria, dentro da própria Lei da Selva (o que se afigura apropriado à manutenção do seu poder.)

    Entendeu?
    Se não entendeu, também não faz mal, desde que passe a acreditar que a Selva está muito bem organizada...
    Não parece, mas está!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. posso dizer que sou contra o aumento de vagas. Jé temos bolonha a cuspir licenciados de 3 em 3 anos, agora ainda aumentam o numero de estudantes na faculdade quando não há mercado para dar vazão a tanto doutor. a unica coisa qua vai criar é uma competitiviade sem limites, que levará a salários mais baixos e à precariedade de trabalho.
    pelo menos é esta a minha leitura.

    novo post em

    http://forcanamaionese.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Acho que Marinho Pinto tem razão: há excesso de licenciados em Direito, nem metade vai ter oportunidade de exercer uma profissão jurídica. E abrir cursos e vagas para não existirem saídas profissionais não deixa de ser um logro, para todos aqueles que passam vários anos na Faculdade a estudar, pagar propinas, comprar livros e muitas vezes quase sem vida pessoal e familiar (especialmente os que também trabalham).

    O que ainda está para perceber é esse exame da Ordem DEPOIS da Faculdade ter passado o diploma da licenciatura!

    Já Pedro Nunes, pois, parece-me mais o caso de elites a resguardar! Que, aliás, também me parece o fito de PPC e quejandos!

    ResponderEliminar
  4. Duas Ordens que mais parecem dois Grémios...

    ResponderEliminar
  5. Duas situações no mínimo curiosas, Carlos.
    Nos anos 80 e 90 criaram-se mais faculdades de direito (???) que cafés de bairo.
    Agora grita-se que há excesso de profissionais.
    Mais, e como seria de esperar, de profissionais mal preparados.
    Os médicos concentram-se nos grandes centros, as médias para entrada nas universidades são obscenas, mas continuamos a importar médicos do Leste, de Cuba, de Espanha.
    Curioso, não é?!

    ResponderEliminar
  6. Rogério: Não posso deixar de lhe dar razão...

    ResponderEliminar
  7. Acredito que possam haver licenciados a mais mas prefiro um jurista a conduzir um táxi do que motorista num tribunal.
    Quanto aos médicos vivo num concelho há 25 anos e não tenho médico de família, todos os anos me dizem que "estamos a avaliar o seu caso". São mais de 40 mil pessoas na minha situação.

    ResponderEliminar