sexta-feira, 30 de abril de 2010

Upgrade, ou downgrade?

O significado de um recorte labial, na sua Plenitude

Pedro Passos Coelho é um bom exemplo da aplicação das tecnologias do mundo virtual ao ser humano. Começou por fazer um upgrade de líder da JSD para candidato à liderança dos seniores laranjas. Depois do acto falhado da eleição de MFL, os militantes laranjas viram nele o salvador do partido e elegeram-no com mais de 60 por cento dos votos.
Conquistado o lugar, com o slogan “Mudar”, que fez Passos Coelho? O número de mulheres nos órgãos decisórios do partido é uma prova eloquente : 8 em 89 , sendo que só uma mulher tem assento no Conselho Nacional do PSD. Pedro Passos Coelho mudou, sim, mas regredindo, o que não é um bom sinal.
O passo seguinte de Passos foi fazer um upgrade para Salvador da Pátria. Não teve de se esforçar muito. Os blogs de direita que o apoiam incensaram-no de tal forma, que a sua popularidade disparou. Passos Coelho precisava, porém, de mostrar ao país que a imagem dele criada na blogosfera tinha raízes mais fortes e âmbito nacional. As telecomunicações facilitaram-lhe o trabalho. Pegou no telefone e pediu uma reunião com Sócrates, no dia em que a Standard & Poors baixou o rating da dívida portuguesa.
A blogosfera servilista enalteceu o seu nobre acto, com alguns jornalistas a tecerem-lhe loas pelo arrojo. A avaliar pelas sondagens e pela euforia que paira num certo prédio da Av da Liberdade, onde se publicam notícias à medida das conveniências laranja, a táctica parece ter resultado. Pedro Passos Coelho aparece hoje como vencedor nas sondagens eleitorais, sem que nada tenha feito para o justificar.
Quais foram os resultados da reunião com Sócrates? A persistência da teimosia do PM em avançar com a construção de um novo aeroporto e a ratificação de medidas agendadas no PEC pelo PS. Alguma das medidas propostas por Passos Coelho foi aprovada pelo governo? Não! Mas também não era isso que PPC pretendia. Apenas queria visibilidade.
O encontro com Sócrates foi um beijo de Judas, para gáudio da populaça que vê diariamente escassear-lhe o dinheiro para a gasolina, para o telemóvel, para o pagamento das dívidas da casa, do automóvel, para o televisor e Box do quarto dos catraios, ou para as férias na República Dominicana. O povo gosta de viver de ilusões e Sócrates já não tem credibilidade para as alimentar. Era preciso encontrar, rapidamente, um novo ídolo. Já está. Feito à pressa na feira de Carcavelos, vendido como produto de contrafacção à imagem do Sócrates original.
Reconheça-se, pois, que Passos Coelho soube escolher o momento oportuno para aparecer na fotografia ao lado de Sócrates. Sem nada fazer,mas respaldado na figura sinistra de MFL que deve ter sido a lider mais odiada pelos portugueses depois do 25 de Abril, , emerge ao lado do PM , a viver um momento difícil, disposto a apoiá-lo neste momento de crise, que exige consensos. O discurso é vazio, as ideias são velhas, mas têm um elo comum com a política de Sócrates : os trabalhadores que paguem a crise.
Aparentemente rendidos ao discurso deste vendedor de ilusões, os portugueses parecem decididos a apostar na mudança. Será uma mudança para pior, que os trabalhadores irão sentir na pele, mas que interessa isso agora, se o rapaz até tem aquele ar jovial de dandy da Porcalhota, a aparência de trabalhador e resoluto, aquele ar doce dos beatos e aposta na mudança? O que os portugueses recusam é ter mais do mesmo. Se for para pior, cá estarão para o criticar e punir, quatro anos depois de o terem eleito e verem os seus direitos regredir ao século XVIII. Pelo menos vão apostar na mudança. Mesmo que seja para pior, como avisava Marcelo Rebelo de Sousa. Na ilusão de um upgrade, vão votar no downgrade, cavando a sua sepultura.

7 comentários:

  1. Rendida, o tanas! (sorry, não sei se posso dizer isto aqui)

    Há muitos anos que não voto no centrão, para mim os principais culpados destas panelinhas horrorosas, que só contribuem para denegrir a imagem de Portugal, dentro e fora do país! E das reformas prometidas não avançarem para a frente!

    Entre Sócrates e PPC, venha o diabo e escolha! (enfim, nem à esquerda há grandes alternativas, mas pelo menos há vozes discordantes no Parlamento!)

    ResponderEliminar
  2. Portugal está realmente enfermo e à beira de um AVC. A sepultura já o espera há anos.

    Esta maldita mania das grandezas há-de levá-lo ao Hades.


    :((

    ResponderEliminar
  3. Carlos,
    por mim nem upgrade,
    nem downgrade...
    por mim seria
    in grade

    (grade de grades, de quadradinhos, prisia ou pelo menos com liberdade vigiada...)

    ResponderEliminar
  4. Pedro Passos Coelho, é para mim um perfeito desconhecido. Não consigo ver nada para lá da "máscara" do homem... e só por si, isto já não me cheira nada bem.
    De qualquer maneira, acredito pouco em milagres e em salvadores da pátria diferentes dos do costume: o povo a pagar a crise. Também convenhamos quem é que havia de ser? Os gestores publicos não aceitaram a proposta de baixar-lhes o valor dos prémios (secalhar também seriam valores irrelevantes); no sector bancário não se pode mexer porque são sector muito importante para a economia nacional,nos empresários também não dá porque deparam-se com graves dificuldades e são quem gera emprego (não estou nada a vê-lo); os clubes de futebol também parecem intocaveis porque animam o pessoal; a igreja tem o seu regime muito próprio porque são os representantes do senhor na terra; e portanto continua a ser o "ZÉ" o melhor posicionado para ajudar a combater a crise. Nem é dificil, é só ir apertando o cinto umas casinhas até ficar bem elegante.

    ResponderEliminar
  5. Temos o País que merecemos! O povo insiste nas mudanças, iludido que com isso a sua vidinha de aparência é desta que vai melhorar. A minha mãe sempre me ensinou - quem não tem dinheiro não tem vícios - mas chega um Playboy quarentão com voz de charme, que diz exactamente as mesmas coisas, que o Playboy anterior com a mesma voz de charme, só que de outra forma, e fica tudo rendido. Quando o próprio Estado é um Estado de aparências, é quase inevitável o povo mais influenciável (a maioria, infelizmente) acreditar em mágicos e nos seus truques ilusórios.

    Concordo com o Rogério, era um 'in grade' em massa e talvez houvesse alguns que acordassem do Estado de hipnose em que vivem.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  6. A melhor coisa que poderia ter acontecido ao país era uma cisão no seio do PSD e do PS.

    José Sócrates e Passos Coelho, mais privatização, menos privatização, são demasiado semelhantes.

    ResponderEliminar
  7. Querido Carlos,

    Sabes que foi essa mesma novidade que elevou José Sócrates à categoria de elegível credível?

    E no entanto, depois de ter controlado o défice olha o que aconteceu ao pobre homem, caiu em descrédito com a ajuda daqueles que não conseguiam credibilidade para dar a volta ao texto.

    Agora, este, só terá sorte se a crise desaparecer como apareceu, miraculosamente!

    Caso contrário não sei se terá a resistência que o pobre do Sócrates teve para suportar tanto tiro ao alvo.

    Bom FdS

    ResponderEliminar