segunda-feira, 26 de abril de 2010

A insensibilidade liberal

É quando leio notícias como esta que percebo ainda melhor a insensibilidade da direita liberal para a questão dos desempregados.
Não nego que haja pessoas que preferem viver com o subsídio de desemprego, a ter de trabalhar, mas isso não invalida que a ideia de obrigar os desempregados a "trabalhar para a comunidade" seja um rotundo disparate. Não é com demagogia, ou fazendo como a avestruz ,que se resolvem os problemas do desemprego. E muito menos fomentando os salários de miséria.

8 comentários:

  1. Penso que os salários de miséria com que querem pôr as pessoas a trabalhar - escudados na crise - fazem com que seja mais compensador receber o subsideo de desemprego. Já li na imprensa que os subsideos de desemprego estão acima do valor médio oferecido pela maioria dos empregos que há no mercado. Logo quer isto dizer que se as pessoas recebem cerca de 65% do salário que auferiam enquanto trabalhadores, os salários actualmente oferecidos decresceram e bastante...(è a crise e é também um grande aproveitamento dela).
    O mais triste no meio disto, é o povo ainda criticar quem não quer trabalhar pelo valor do salário minimo, preferindo obvia e basicamente aquilo que lhes dá mais dinheiro, quando o que deveriam era unir-se e não aceitar trabalhar a qualquer preço. Parece-me a mim é que para certas elites isto nunca esteve tão bom! Gosto quando vejo nas reportagens alguns empresários dizerem que querem empregados e não arranjam... fico sempre curiosa para saber que condições é que estes empresários oferecem.
    Mas sosseguem que a curto prazo vão-se acabar as regalias do sub. de desemprego e outras... assim ficamos todos contentes: o povo já não pode criticar o seu semelhante que recebe do desemprego e não quer trabalhar, e os patrões passam a poder pagar ainda menos ou quem sabe qualquer dia ainda seremos nós a pagar para ir trabalhar para ajudar as empresas a superar a crise.

    ResponderEliminar
  2. Vergonhoso este descaso acerca do valor do trabalho .
    Obscena a exploração das pessoas e a sua redução a objectos descartáveis.

    Fique bem.

    ResponderEliminar
  3. Enquando o subsidio de desemprego ou até o rendimento de reinserção social der para os vícios, enquanto os salários de miseria continuarem a ser de miséria. Enquanto o passe social for caro para a maioria da população enquanto a escolaridade for paga e os infantários exigirem uma mensalidade... melhor será ficar em casa cuidar dos filhos receber o rendimento que assim não paga transporte e ainda economiza um tanto que dá para combater os pequenos vícios (quem não os tem que lance a 1ª pedra)e ainda goza daqueles que trabalham e fazem os seus descontos , descontos esses que alimentam os que "nada fazem". kis

    ResponderEliminar
  4. Só para acrescentar que li a noticia e se há país onde os jovens nada fazem e vivem à custa do governo é precisamente Inglaterra. culpa duma má gestão do tempo da dama de ferro que enviou para o desemprego jovens se a oportunidade de se formarem convenientemente. Isto por que a politica de educação era progredir na escolaridade sem retenções,o que fez com que os jovens saíssem da escolaridade obrigatória com uma carta de recomendação sem hipótese de frequentar ao ensino superior.Alguns, deitando contas à vida aperceberam-se que o salário que recebiam era pouco em relação às despesas do dia a dia. Com impostos , taxas o melhor é mesmo ficar em casa e receber ajuda do governo. Até por que e o governo paga alem da casa , o gás, dá ainda cheques para alimentação e outros e vales para poderem efectuar férias.POr isso o reino unido quanto a mim é o pais que deita à rua uma grande fatia da população juvenil embatendo nas malhas do desemprego,e mães em idade de brincar com bonecas. Ui excedi-me nas minhas emoçoes. kis :)

    ResponderEliminar
  5. Ou isto ou ouvir hoje Miguel Sousa Tavares afirmar que o aumento da esperança média de vida é um problema, porque cerceia os empregos aos jovens, esquecendo-se que quem lhes tira as oportunidades são precisamente aqueles buscam o lucro fácil, sem olhar a meios.

    ResponderEliminar
  6. Eu só me interrogo acerca do que é exactamente esse trabalho para a comunidade.
    Slogans vagos não me comovem.
    O que é isso de trabalho para a comunidade?

    ResponderEliminar
  7. Será uma boa desculpa para pagar trabalho em troca de quase nada, consegue ser ainda pior que os ordenados de miséria, mais um truque para explorar pessoas.
    É engraçado mostrarem a ideia de que há pessoas a explorar a sociedade, quando na maior parte dos casos se passa precisamente o contrário, em que alguns, conseguem explorar a maioria.

    ResponderEliminar
  8. Fiquei e estou em choque ao ler esta notícia!
    Tenho um filho que acabou a licenciatura há um ano no ISEG em Economia, actualmente está a fazer o mestrado em recursos humanos.
    Não tem conta as entrevista a que ele já foi, as humilhações que já sentiu.
    Felizmente que até agora tem-se mantido "equilibrado" e determinado.
    Mas temo por ele e por tantos jovens com valor, que se vêm condicionados, prisioneiros neste descalabro social e económico em que vivemos.
    É muito triste, nós pais, termos lutado quantas vezes com sacrifício, para dar aos nossos filhos a melhor formação, e eles não conseguirem ser independentes e livres.
    Sim porque a LIBERDADE é poder trabalhar !
    Infelizmente o caso dessa jovem é bem o exemplo da crise social que advém da económica.
    Um beijinho

    ResponderEliminar