quarta-feira, 24 de março de 2010

Memórias do padre Frederico



Os recentes pedidos de desculpas do Papa trouxeram-me à memória um caso ocorrido em Portugal em 1993.
Embora na altura vivesse em Macau, a notícia do padre Frederico, acusado, julgado e condenado, por ter matado um jovem de quem terá abusado( ou tentado abusar?) sexualmente, foi por lá bastante discutida e levantou discussões acesas, com intervenientes que agora prefiro não recordar.
Lembro-me que, na altura da hilariante - para não dizer degradante - “fuga” do Padre Frederico para o Brasil (dias depois entrevistado em Copacabana por um canal de televisão português) foram várias as vozes que se levantaram contra a justiça portuguesa, acusando-a de estar a querer enxovalhar a Igreja Católica.
Alguns órgãos de comunicação social alimentaram esta tese, favorável às pretensões do clero. Da Igreja Católica, não me recordo de ter ouvido qualquer condenação.Neste momento, com a descoberta dos inúmeros casos de pedofilia em todo o mundo- a que não falta um proxeneta que, no Vaticano, arranjava miúdos com que alimentava os vícios privados de alguns- consta que em Portugal haverá 10 padres sob suspeita . Não me surpreenderei se o número vier a aumentar substancialmente. Apenas me surpreende o silêncio de algumas vozes tão exaltadas que saíram em defesa do padre Frederico.

12 comentários:

  1. Embora todo o assunto seja tenebroso, o que é certo é que ao ver o Padre FREDERICO veio-me logo à cabeça a rábula hilariante que o Herman fez nessa altura! :):)
    Se calhar o Carlos também viu??

    ResponderEliminar
  2. O bispo do Funchal comparou a prisão deste seu protegido à crucificação de crist.

    ResponderEliminar
  3. Não sou católica, mas segui atentamente esse caso do Padre Frederico e fiquei com bastantes dúvidas da sua culpabilidade. Não da pedofilia, que o próprio confessou, mas do crime de homicídio, que sempre negou.

    Existiam vários testemunhos contraditórios, provas praticamente nenhumas, o juiz não teve dúvidas (pronto, estaria mais a par do processo, evidentemente, mas eles também podem errar): padre e pedófilo, só podia ser também o homicida! Num caso que, a meu ver, podia ter sido apenas um mero acidente...

    Quanto à Igreja e os múltiplos casos conhecidos de pedofilia, julgo que o celibato imposto aos padres tem um efeito nocivo sobre a sua noção de sexualidade.

    Mas pronto, haverá pedófilos em praticamente todas as profissões, não me parece que a Igreja possa ser culpabilizada por alguns dos seus membros. Talvez devesse repensar no porquê, mas isso é do foro exclusivo do Vaticano, que me parece sempre muito alheado do mundo em que vive...

    ResponderEliminar
  4. Não há nada que desculpe a pedofilia, claro. Mas eu acho que, se o celibato dos padres terminasse, este problema também diminuiria. Afinal, eles são homens como os outros. Só a Igreja é que não percebe.

    ResponderEliminar
  5. Às vezes surpreendo-me outras nem tanto, mas não estava à espera deste argumento na caixa de comentários: "...haverá pedófilos em praticamente todas as profissões, não me parece que a Igreja possa ser culpabilizada por alguns dos seus membros".

    Culpabilizada não direi, mas responsabilizada não tenho a mínima dúvida.

    Ficaremos por certo chocados quando por cá se abrirem todos os "armários" das sacristias.

    ResponderEliminar
  6. Acho que a pedofilia não se resolve com o casamento dos padres, senão este problema estava resolvido na sociedade em geral, pois sabemos que a maioria dos pedófilos são casados.
    O problema é esconderem, camuflarem este flagelo que desde sempre alastra no seio da Igreja e não só!
    Depois a justiça também não colabora na punição destes lamentáveis casos, enfim.. haveremos sempre de assistir a tristes notícias destas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Vejo tudo isso com imensa tristeza...
    São (ou deveriam ser) líderes espirituais, colocados a frente das igrejas para conduzir seus rebanhos pelos caminhos da fé, do amor, da caridade. Deveriam ser absolutamente confiáveis, pois não? e ao invés disso enxovalham o que deveria ser sacerdócio.
    Lamentável...

    ResponderEliminar
  8. Concordo com a Teresa, afinal o fruto proibido é sempre o mais desejado. Em relação à Igreja e aos ideiais que defende e ás atrocidades que comete em nome dos mesmos, calo-me. A hipócrisia é tanta que nem merece comentários.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  9. Já la vão mais de vinte anos sobre algo que um amigo meu estudante de teologia me contou no colegio onde estudava quase todos os muidos eram abusados pelos seus superiores razão que o levaram a desistir de ser padre, não sem antes ter ficado sem marcas para toda a vida.
    Razão que me levou a afastar não da religião mas da igreja, deixei de confiar nos padres

    ResponderEliminar
  10. O celibato dos padres não é o
    problema.
    Se gosta de mulher pode arranjar uma amante, a chamada "governanta".
    Afinal, há tantos homens casados que são pedófilos.
    Já esqueceram o que aconteceu com os miúdos da Casa Pia? Alguns dos homens acusados eram casados, não eram padres, não tendo nada a ver com a igreja católica!!!
    No Porto conheci alguém, que era casado, tinha um filho, havia uma mulher que morria de amor por ele, e o grande interesse dele eram os seus alunos.
    Se viveu a sua pedófilia não sei dizer, mas todo o Porto sabia das suas preferências.

    ResponderEliminar
  11. Que será feito desse "marmanjo"?Abracinho

    ResponderEliminar