quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Censura ou direito ao bom nome?

Como eu gostava de ver alguns dos indignados com a falta da liberdade de expressão, apavorados com o regresso da Censura e defensores do fim das providências cautelares comentarem esta decisão. Estranhamente ( ou talvez não, porque não envolve matéria política) remetem-se ao silêncio.

18 comentários:

  1. por acaso leu o livro do gonçalo amaral? parece-me que não, porque se tivesse lido percebia que esta providência é completamente diferente da do Sol. para começar ninguém proibiu a publicação do livro ou a emissão do documentário na tvi. mas se calhar, se alguns senhores mandassem o livro tinha sido apreendido e nunca teria sido posto à venda. perceba também que há novos modos de fazer censura. e nesses o primeiro ministro e os seus capangas são mestres.

    ResponderEliminar
  2. Eu li o livro de Gonçalo Amaral, aliás tenho-o, não percebo porque não pode continuar à venda! Ele não desvenda segredos de justiça, nem levanta suspeições, ele apresenta factos, que qualquer cidadão interessado pode consultar, e dos quais cada um tira as suas ilações. O que sei é que pelos exemplos dados por pessoas que deviam ter um comportamento exemplar, o Gonçalo Amaral tem todo o direito de o continuar a vender desobedecendo ao tribunal,uma vez que muitos cidadãos não acatam ordens legais emanadas por quem de direito.
    Fiquei agora a saber, pelo cidadão anónimo, é sempre pelos anónimos infelizmente, o "poder" democraticamente eleito em Portugal, tinha capacidade para emanar providências cautelares!!!???

    ResponderEliminar
  3. Não costumo responder a Anónimos, mas desta vez abro uma excepção para lhe prestar um esclarecimento: as providências cautelares são todas iguais. Por uma razão simples: são um instrumento jurídico a que qualquer cidadão pode recorrer. Como fez Manuela MG quando um jornal ia publicar episódios da sua privada qe ajudariam a esclarece muitas coisas. Ou como fez Ricardo Araújo Pereira, para impedir a publicação de fotos da sua casa, porque estava ameaçado de morte pela extrema direita e essas fotos poderiam facilitar a vida a quem lhe fazia as ameaças.
    Isto de separar as providências cautelares entre boas e más também faz parte do discurso de alguns jornalistas o que, no mínmo, é surpreendente.

    ResponderEliminar
  4. teresa: Independentemente da minha opinião sobre esta decisão do Tribunal, queria dizer que, se toda a gente começa a desobedecer à Justiça entramos numa espiral perigosa.
    Não li o livro, mas se ele ajuda a esclarecer alguma coisa que a justiça não apurou, não vejo razão para que aqueles que apoiaram a divulgação das escutas pelo SOL , tenham opinião contrária em relação ao caso Maddie.

    ResponderEliminar
  5. Isto está tudo ligado.

    É mera Política e a Justiça cai para o lado que lhe convém e não para o lado justo das questões.

    Estranho, não?????

    Enquanto isso continuar quem não acredita na Justiça sou eu.

    ResponderEliminar
  6. Li o livro de Gonçalo Amaral. Para além, ou aquém, da opinião que tenho do autor (não é favorável)não percebo porque não pode ser vendido.
    Mas, se há uma decisão do tribunal, há que que a respeitar (dela recorrendo se o visado assim o entender), e não desrespeitá-la como fez o Sol, escudando-se em artifícios. Num estado de direito tais são as regras. Não as respeitar é, isso sim, atentar contra o estado de direito.
    Os que apoiaram a divulgação das escutas pelo Sol, e não se manifestam no caso Maddie, são o que são - agentes perturbadores da Democracia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Tite: E cada um analisa as decisões da justiça à luz dos seus interesses de circunstância, o que também não é nada saudável.

    ResponderEliminar
  8. Carlos: Subscrevo tudo o que escreve. Apenas me permito acrescentar que lamento profundamente que entre esses "agentes perturbadores da Democracia" se encontrem alguns jornalistas. Mascarados de independentes e proclamando aos sete ventos que o seu único intresse é a defesa do jornalismo e da democracia, escondem do público que são apoiantes de um candidato, ou de um partido.

    ResponderEliminar
  9. Ao ler o seu post veio-me à memória o Jorge Palma a cantar: deixa-me rir...

    :))

    ResponderEliminar
  10. Isto está uma bandalheira de tal forma que eu impus-me um período sabático, durante uns tempos não compro jornais e só vejo o telejornal da rtp2 para não estar completamente por fora. Tenho que preservar a minha sanidade mental.

    ResponderEliminar
  11. Não, não li o livro. Não contruibuíria de forma alguma para engordar a conta bancária de um senhor que arranca confissões sabe-se lá com que métodos.

    ResponderEliminar
  12. Será que ele arrancou alguma confissão aos Pais da pequena Maddie?
    Não me lembro de ter ouvido tal...

    ResponderEliminar
  13. O livro AVM é um INSULTO à INTELIGÊNCIA de QUEM a tem ...(tem o que lhe convem para enganar o leitor e omite o que o pode desmentir(e desonestamente diz que ainda não disse tudo-encontrem o adjectivo adequado...).O livro contem factos do processo não está segredo justiça contudo ñ poderia ter factos difamatórios(prática de 5 crimes!)agravado por ñ estarem provados .

    ResponderEliminar
  14. mdsol: mas olhe que a mim dá bastante vontade de chorar...

    ResponderEliminar
  15. Ariel: Pois eu, infelizmente, ando a ler mais jornais do que devia. Talvez por isso ande m bocado apardalado com certas coisas que leio...

    ResponderEliminar
  16. maloud: essas também foram duas razões por que não li o livro, mas há mais...

    ResponderEliminar
  17. Tite: Eu também não, mas não me custa admitir que tenha tentado...

    ResponderEliminar
  18. Santos. como não li, não posso opinar...
    Obrigado pela visita

    ResponderEliminar