sábado, 12 de dezembro de 2009

Abandonada em Copenhaga

Estou que não aguento! Já me arrependi mil vezes de ter vindo a Copenhaga e estou desejosa que esta porcaria acabe. Tenho passado os dias sozinha, porque o Sebastião anda lá nas reuniões dos delegados e não me liga nenhuma. Um dia destes convidou-me para jantar com uns amigos dele, mas aquilo foi uma seca que nem imaginam! Eu enregelada de frio e eles a discutirem o clima para aqui, o clima para acolá, o aquecimento global e a mandarem baixar o ar condicionado, porque estava muito calor! Vão por mim que isto por aqui é tudo gente doida. Eu a pensar que ia ver estrelas, descobrir histórias giras para vos contar, mas nada. Por aqui só vejo maltrapilhos, gente sem interesse, todos muito inflamados em discussões durante o dia (quer dizer o bocadinho de dia que por aqui se vê…) à noite uns continuam a discutir, outros vão para os copos, é só “zumba na caneca”,como a Tonicha, depois vão aquecer-se uns aos outros e eu fico sozinha na gaiola aqui do hotel, porque lá fora está um frio de rachar.
O Carlos – que esteve cá no Verão e adorou- é que me convenceu a vir, disse-me que Copenhaga era uma animação. Pode até ter razão, mas no Inverno isto é uma “porqueira” como diz uma amiga minha alentejana. Fico com as penas enregeladas só de pensar no frio que está lá fora. Ainda tentei convencer o Carlos a deixar-me regressar a Lisboa ontem, mas ele disse-me “Quiseste vir, agora aguenta. Na próxima semana vais gostar, porque vem aqui gente muito importante e agora é que as coisas vão começar a aquecer”.
Espero que tenha razão, mas agora estou chateada que nem uma perua. A única coisa que hoje esteve animada foi uma manifestação. Fui com o Sebastião, porque ele disse-me que os homens querem acabar connosco e isso eu não admito. Ainda me diverti um bocado a piar uns "slogans", mas não me dei lá muito bem com um cartaz que o Sebastião me entregou para levar debaixo da asa e dizia "Please, do not kill the blackbird"! Um tipo qualquer, de cabeça rapada, sacou-me o cartaz e ainda ameaçou apertar o pescoço. Felizmente veio logo muita passarada em meu socorro, deram-lhe umas bicadas na careca e o tipo pirou-se.
O Sebastião quer levar-me a uma discoteca com uns amigos,logo à noite, mas eu já sei que eles vão para lá engatar as galinhas loiras e eu, que sou uma cotovia morenaça, não me safo, ia ficar encostada a um canto a beber Fanta por uma palhinha, a ver as figuras tristes do Sebastião e dos mochos amigos dele, que só pensam num buraquinho e não é o do ozono, garanto-vos… O melhor é ficar por aqui.
Nem imaginam as saudades que tenho da Cimeira Ibero-Americana. Ali sim, havia gente fina, como a Drª Maria Cavaco Silva, sempre sorridente e prazenteira, a sorrir para as câmaras, deliciada por ser anfitriã daquelas mulheraças da América Latina, como a Cristina Kirchner, por quem o Carlos tem uma paixão assolapada. A drª levou-nos aos pastéis de Belém e ofereceu-nos um chazinho com bolo rei lá no palácio de Belém, isso sim, é cortesia, não é nada que se assemelhe a estes vikings que parecem bonecos de gelo em noite de Natal. A única coisa gira que vi por aqui, até agora, foram as iluminações…
Pronto, já desabafei, agora vou pensar se vou à discoteca logo à noite com o Sebastião e depois digo-vos. Tenham dó de mim e digam-me que a semana que vem vai ser mais gira e até me vou divertir, para ver se me animo.
Beijinhos e até breve