segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Ainda a "Rentrée"

Ei-los que chegam! Pele tisnada dos ares algarvios, carregando no acelerador o peso das amarguras, ou ensaiando malabarismos em ultrapassagens acrobáticas, num treino para o equilíbrio do orçamento mensal, desaguam nas ruas da grande cidade com o ar triste de quem regressa às rotinas diárias.Voltam a abarrotar –se os transportes; regressam as filas intermináveis caracoleando nos acessos à cidade; os balcões das pastelarias voltam a animar-se em refeições rápidas de come em pé, num menu “standard” SFB ( sopa, folhado e bica); as escolas voltam a ser palco de disputas entre professores e alunos e a ministra voltará à sua função de árbitro parcial numa contenda interminável.A cidade volta a tornar-se insuportável, os que cá ficaram suspiram pelo próximo Agosto, ou por aqueles dias de Natal e Ano Novo, quando a cidade se volta a esvaziar, para um encontro repetido de famílias, cumprindo o ritual de troca de presentes.Até lá suceder-se-ão fins de semana, num movimento de io-io entre a cidade e a “terrinha”, continuaremos a assistir ao regresso a casa de carros a abarrotar de mantimentos e agruras.Para a maioria das pessoas é assim que se renova a vida. Na sequência repetitiva do asfalto, nas areias de uma praia a abarrotar, no contar de mortos em acidentes de viação, provocados pela incúria e loucura de uns quantos. Para telenovela, o argumento até não me parece mau… mas para modo de vida parece-me curto de ambição!

Momento de Humor (32)

Como sabem estou no Porto, por isso. a Mouraria tem de desculpar este momento acintoso. Mas vocês sabem que tenho o meu coração dividido, não é verdade?

Um tripeiro e um lisboeta caminhavam pela praia, quando um deles deu um chuto numa lâmpada mágica, e despertou o génio do sono milenar. O génio bradou então:

- Cada um de vós tem direito a um pedido.
Lisboeta: - Eu quero que seja construído um muro em redor de Lisboa, impedindo a entrada dos tripeiros. Não precisamos de aguentar esses gajos e outros menos capacitados do que nós... Génio - O seu desejo e uma ordem, meu amo...ZAS... E o muro foi construído...
Génio - E tu, Tripeiro, o que desejas?
Tripeiro- Oube lá, ó murcón, o muro que construíste é sólido?
Génio - Nada neste planeta o pode destruir.
Tripeiro - E é alto?
Génio - Mais alto que os mais altos edifícios em toda Lisboa
Tripeiro - Tá benhe, atón enche essa merda de água até cima!!

Uma boa semana para todos

Sugestão do dia

Em prosa e verso