quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Ainda a "Rentrée"

Ei-los que chegam! Pele tisnada dos ares algarvios, carregando no acelerador o peso das amarguras, ou ensaiando malabarismos em ultrapassagens acrobáticas, num treino para o equilíbrio do orçamento mensal, desaguam nas ruas da grande cidade com o ar triste de quem regressa às rotinas diárias.Voltam a abarrotar –se os transportes; regressam as filas intermináveis caracoleando nos acessos à cidade; os balcões das pastelarias voltam a animar-se em refeições rápidas de come em pé, num menu “standard” SFB ( sopa, folhado e bica); as escolas voltam a ser palco de disputas entre professores e alunos e a ministra voltará à sua função de árbitro parcial numa contenda interminável.A cidade volta a tornar-se insuportável, os que cá ficaram suspiram pelo próximo Agosto, ou por aqueles dias de Natal e Ano Novo, quando a cidade se volta a esvaziar, para um encontro repetido de famílias, cumprindo o ritual de troca de presentes.Até lá suceder-se-ão fins de semana, num movimento de io-io entre a cidade e a “terrinha”, continuaremos a assistir ao regresso a casa de carros a abarrotar de mantimentos e agruras.Para a maioria das pessoas é assim que se renova a vida. Na sequência repetitiva do asfalto, nas areias de uma praia a abarrotar, no contar de mortos em acidentes de viação, provocados pela incúria e loucura de uns quantos. Para telenovela, o argumento até não me parece mau… mas para modo de vida parece-me curto de ambição!

Pronúncia do Norte (17)

MÍLHARAS =
= OVAS
Regressa hoje, depois de um longo período de férias, a Pronúncia do Norte. Se quer saber mais sobre este dicionário, vá aqui
Poderá consultar, no mesmo link, o Dicionário do Rochedo

A rentrée*


Segunda-feira é, durante todo o ano, o dia da semana por excelência para o embate provocado pelo reencontro com os bytes, os links, os offset, os offshores e off the record, os clips e os chips, o software e o hardware, o copy right , o copy desk e o copy and paste, as notícias do jet-set , os press release , o lay out e o design.

Esta cena ocorreu na passada segunda-feira , 3 de Setembro, data consagrada para a rentrée. Bronzeado de férias e ainda um pouco atordoado pelo trânsito lisboeta, o Pires chegou ao escritório e deu de chofre com uma discussão sobre a melhor manchete do dia, as estratégias de marketing, e o merchandising, o escoamento dos stocks e o novo spot de promoção. O cabotino do Mendes, self made man em vertiginosa ascensão nos quadros da empresa, falava a um canto com a Sofia que, mesmo sem tirar os auscultadores do ipod parecia seguir atentamente o seu discurso sobre o rendimento per capita, o cashflow e as prime rate. O Pires estava quase a perder o selfcontrol e já tinha decidido que naquele dia não iria com os colegas do costume comer ao self service, quando se lembrou das poses da Marina que namora com o disc jockey de uma boîte do basfonds lisboeta. Decidiu inverter o caminho, antes que fosse amarrado a qualquer discussão em que não estava interessado em participar e dirigir-se ao gabinete da Marina para lhe espreitar a pose que, invariavelmente, oferece à cobiça dos homens um pedaço de coxa entre a racha da saia, ou um peito descoberto pela generosidade do decote. Pelo caminho, deu de caras com o pateta do Abreu, à volta do scanner, gritando para o estagiário:

- Já printáste? Faz delete! Esqueceste-te de clicar, como é que querias abrir o CD? Faz save as se não queres perder o documento, meu palerma ! Já recebeste o e-mail de Inglaterra? Se os gajos não se apressam mandamos-lhes um fax!

- Porque é que não mandas antes um MMS? – alvitrou o Pires enquanto se esgueirava, sorrateiro, para o gabinete da Marina. Estava a conversa a animar, o pobre do Pires urdia, babado, uma fórmula imbatível de a convidar para jantar, quando entra o chefe Lopes de uísque na mão e começa a dissertar sobre a entourage política , o elan do novo Governo, a élite cultural os collants que a mulher lhe pediu para comprar e de que se esqueceu, do tailleur que ofereceu à amante, dos éclairs da pastelaria da esquina, do baile de debutantes da filha mais nova que se vai realizar em Outubro e dos progressos da mais velha no ballet.

Quase uma hora depois dá por interrompida a conversa e pede à Marina que lhe reserve uma mesa para dois no restaurant, sem se esquecer de recomendar ao maître, para pôr a garrafa de vinho no frappé. Ainda teve tempo para perguntar ao Pires como tinham sido as férias e pedir à Marina que lhe lembrasse para marcar na Agenda um dia para um almoço “com todo o pessoal”.

“É preciso motivar a rapaziada para o trabalho, que esta empresa é uma nau muito pesada, precisa de gente activa e sangue jovem. Com as novas tecnologias, quem não souber dançar tem que dar lugar aos novos! ”-ouviram-no dizer enquanto se afastava em direcção à porta.

O pobre do Pires esqueceu a fórmula do convite irrecusável que congeminara para convencer Marina a jantar com ele. A cabeça encheu-se-lhe de soundbytes, lembrou-se das conversas do Abreu e do Mendes e declarou-se indisposto.

“Diz ao chefe que não me senti bem e vou para casa”.
Até hoje, ninguém mais pôs a vista em cima do Pires.

* Texto publicado no dia 6 de Setembro de 2007

Sugestão do dia

Inicio hoje esta nova rubrica. Diariamente, uma sugestão de leitura.
Tomilho, menta e hipericão