sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Memories- a canção do dia (20)

Para este fim de semana escolhi um tema dos Beach Boys. Estou a precisar de Good Vibrations"!


IMPORTANTE: Para além da música, este fim de semana dou-vos outra sugestão. Vão aqui e , para além de um passatempo com direito a surpresa, ainda vão conhecer um magnífico grupo de teatro que vos recomendo. Já saí de Lisboa propositadamente, só para ter o prazer de desfrutar da sua companhia. Digam lá quem é amigo, quem é?

A Valsinha*

Há dias, um jovem jogador de futebol morreu num quarto de hotel, em Itália, poucas horas antes de um jogo da sua equipa. Dizem as notícias que tinha acabado de falar ao telefone com a namorada. Chamava-se Jarque, era espanhol e tinha um futuro risonho à sua frente. A sua morte foi uma surpresa, pois nada fazia suspeitar de qualquer problema de saúde. O coração, porém, traiu-o.
Estas notícias impressionam-me particularmente. Tive dois irmãos que desapareceram de forma súbita e inesperada, ainda jovens, ambos com actividades profissionais que amavam e onde já eram mais do que promessas. Um deles parecia ter saúde para dar e vender , o outro amava a vida acima de todas as coisas. As mulheres sentiam uma enorme atracção por ele. Pela sua alegria contagiante, pela bela voz com que acompanhava a sua guitarra, pelo seu gosto - e talento - para a pintura, pela sua bonomia, pela forma desprendida como encarava a vida. Quando morreu o mais velho, era eu ainda um adolescente e a sua morte mudou radicalmente a minha maneira de ser. Não foi só a perda de um irmão quase dez anos mais velho do que eu. Foi a perda de um amigo e conselheiro. A surpresa da sua morte mudou radicalmente a minha maneira de ser. Passei a encarar a vida como algo de passageiro. Nunca mais fiz planos para o futuro. Passei a usufruir o momento presente e a tomar cada decisão como se fosse a última da minha vida. A única decisão que tomei ( mas haveria de quebrar aos 50 anos) foi tornar-me celibatário. Não conseguia suportar a ideia de deixar viúva e filhos. Nenhuma mulher, ou criança, merecem essa pena.
Ao longo da minha vida apaixonei-me , como é óbvio. Vi desaparecer duas namoradas em idades tão tenras e circunstâncias tão inverosímeis, que comecei a pensar se não seria eu a atrair a morte. Sofri. Desesperei, até. Encontrei nas viagens um refúgio. Encontrei na precariedade da vida, um conforto. Habituei-me a viver com essas regras.
Faz hoje muitos anos (era também uma sexta-feira e lembro-me como se fosse hoje) que vi desaparecer o meu segundo irmão. Com menos de quatro anos de diferença, foi com ele que partilhei dos melhores momentos da vida. Fomos sócios em negócios. Na vida. No prazer de a viver. Nunca falámos sobre o desapego que ambos sentíamos por projectos. Éramos ambos boémios, sem medo de correr riscos, amantes de viagens, solteiros, sem qualquer intenção de casar e isso dizia tudo. Para quê falar ?
Hoje, tantos anos depois da tua morte, tenho pena de nunca ter trocado contigo umas palavras sobre o assunto. Estejas onde estiveres, talvez tenhas concluído que esta não é a maneira ideal de viver. Mas é a minha. Como foi a tua. E estou convencido que a sociedade poderia ser bem melhor, se muitos políticos, gestores de empresas, banqueiros e as pessoas em geral, pensassem na precariedade da Vida, antes de tomarem as suas decisões.
Ontem, decidi abandonar um projecto pelo qual lutei nos dois últimos anos e concretizei há pouco tempo. Não quero ficar demasiado agarrado a nada. Já perdi o que de melhor se pode ter na vida- os afectos daqueles com quem partilhámos os melhores momentos da nossa infância- para me preocupar com projectos materiais que apenas contribuiriam para alimentar a minha vaidade e tirar desforço de quem me chamou lunático. Pouco me interessa. O projecto tem o meu ADN e isso basta-me. Não preciso de ficar ligado a ele para o resto da vida.Talvez seja uma decisão errada. Mas é a minha...
*"A Valsinha” era (quase) sempre a canção com que o meu irmão iniciava os “concertos” onde deslumbra as meninas. Espero que a oiça, esteja onde estiver.

Enigma na A8

Alguém sabe qual era a discoteca onde elas iam àquela hora da noite?