quarta-feira, 29 de julho de 2009

Summertime (5)

“When the girl in your arms is a girl in your heart,

Then you’ve got everything,

When you’re holding the dream,

you can dream when you hold,

You're as rich as a king,

So hold her tight and never let her go

day and night let her know you love her so.
(…)”


( Cliff Richard)

O passatempo Summertime desta segunda ( e última semana) está a ser muito pouco participado. Talvez porque na segunda-feira as perguntas eram difíceis, ou porque uma semana seja a duração ideal para um passatempo blogonáutico- principalmente em tempo de Verão.
Hoje, as perguntas são muito fáceis e quase todos saberão pelo menos duas das respostas. Ora vamos lá então ver:
“When the girl in your arms is the girl in your heart” (1961) é uma das canções de Cliff Richard de que mais gosto, mas não foi um dos seus maiores sucessos

13- Qual foi o maior sucesso comercial de Cliff Richard?
14- Cliff Richard fez parte de um conjunto de grande sucesso. Como se chamava esse conjunto?
15- Para além de “Summer Holidays”, houve outra canção de Cliff Richard que deu origem a um filme. Como se chamava a canção?

Tell me bird*

Pode ser coincidência, mas na última semana aconteceu duas ou três vezes e comecei a desconfiar. Esta manhã, voltou a suceder.
Porque será que ao lado de um(a) gordo(a) no metro, se senta uma pessoa a ler um folheto com publicidade a produtos de emagrecimento? E porque razão é que é sempre o mesmo produto? Não dá para desconfiar? Logo a mim, que não acredito em coincidências…
*Tell me Bird* - Canção dos Sheiks

Memories- a canção do dia (8)


Dentro do mesmo registo de ontem, ao estilo "Ambrósio apetecia-me voltar a viver algo", escolho para canção do dia um tema imortal dos Pink Floyd: "I wish you were here". Os Pink Floyd -e em certa medida também os Doors- eram ( ainda são...) presença obrigatória na minha discoteca, mas sempre gostei de os ouvir num ambiente mais intimista. Não gostava de os ouvir em festas, porque aquela música não é para dançar. É para saborear devagarinho, como um "dulce de leche" numa tarde fria na Patagónia.
As melhores recordações que me trazem os Pink Floyd, ligam-se a noites de tertúlia que duravam até às tantas. Principalmente, as que decorriam numa casa do Porto que muito se animava nos períodos de férias, quando regressavam, de Lisboa, Coimbra, ou de algum país estrangeiro, muitos dos que tinham abandonado a Invicta para estudar. Ali se reuniam, a partir das 11 ou meia noite- e muitas vezes até ao raiar do dia- pessoas com diferentes visões sobre a política,apenas unidas pelo desejo de discutir ideias e conversar sobre as diferentes noções de Liberdade.
Ali nos aprendemos a respeitar mutuamente, discutindo ao som dos Pink Floyd, dos Doors, blues ou jazz. Foi esta aprendizagem que permitiu que,depois do 25 de Abril, praticamente não tivesse havido deserções no seio daquele grupo de amigos ( e amigas) que aprenderam a discutir as questões políticas de forma civilizada.
Muitos deles enveredaram pela política e posso dizer-vos que tenho amigos desse tempo espalhados pelos cinco principais partidos portugueses. Nunca me zanguei com nenhum deles por razões partidárias... embora discorde muitas vezes e me surpreenda com as viragens estratégicas de alguns.
Hoje, nestes conturbados tempos pré -eleitorais, basta passar os olhos por alguns blogs, para ver como se esgrimem argumentos recorrendo à acusação torpe e ao insulto a roçar o ordinário. Confrange-me a falta de argumentação fundamentada e, acima de tudo, a falta de cultura democrática. Por isso me desinteressei quase totalmente do debate político e dexei de participar activamente. Não nos podemos queixar dos políticos que temos, se eles saem de bases tão pouco democráticas e com uma falta de cultura cívica e política deprimentes.

"I wish you were here" foi criada em 1975, pelo magistral Roger Waters e, por isso, só passou a fazer parte das tertúlias depois do 25 de Abril. Atentem bem na letra e gozem aquele som. Sem restrições. E inspirem-se!