quinta-feira, 28 de maio de 2009

Rochedo das Memórias(114)- A moda dos "anos 20"


A história da moda fez-se de confrontos e por isso não admira que em Chicago, nos anos 20, as mulheres fossem multadas por usar saias pelo tornozelo e o mesmo acontecesse quando apareceu o biquini. Mais surpreendente é que, nas últimas décadas do século XX, os homens se tenham deixado enfeitiçar pela moda e que a figura das “top models” emergisse graças a um fotógrafo.
Mas vejamos,agora, como evoluiu a moda durante o século XX
O século começa com as saias a subir até ao tornozelo, o fraque e o smoking a destronar a casaca e o chapéu de aba acenando um adeus à moda "fin de siècle". O costureiro francês Paul Poiret, inspirado em modelos japoneses, procura dar à moda feminina uma maior liberdade e menos formalismo. No entanto, só após a primeira guerra Mundial, no alvorecer dos anos 20, e com o fecho éclair a fazer furor, as ideias que Poiret tinha da moda se começam a impôr. O espartilho cede o seu lugar ao soutien gorge, a saia sobe até ao joelho, o chapéu "cloche" substitui o de aba e o corte de cabelo à "garçonne" dá um toque de jovialidade.
A moda começa a dar sinais de que vai enveredar por outros rumos, invadindo o mundo dos adereços e a cosmética. A modista francesa Coco Chanel dá o primeiro sinal dessa mudança ao lançar o seu eternamente famoso perfume Channel nº5.
Com o "charleston", o corpo da mulher tinge-se de cosméticos e as pernas enluvam-se em meias de seda. Mas a moda moderna não agrada aos conservadores, que apelidam as mulheres que a ela aderem, se pintam, fumam e bebem em público de FLAPPERS, e em Chicago, uma mulher que mostrasse o tornozelo era multada em 10 dólares.
Os homens, por sua vez, abandonam o colete e passam a envergar calças à golfe e jaquetão, enquanto os jovens começam a impôr uma moda própria. As calças Oxford bags- assim denominadas por terem surgido em Oxford- acompanhadas de sapatos de camurça e a cabeça coberta por um boné, são a moda jovem dos anos 20.
A década seguinte, marcada pelos efeitos da depressão económica e pela emergência do fascismo na Europa, caracteriza-se por um retorno a uma moda mais austera. O fato saia e casaco era uma espécie encapotada de uniforme e a bainha dos vestidos ficava pelo tornozelo. O último grito, nos Estados Unidos, eram as saias curtas à frente e compridas atrás e o penteado ondulado, exigia o corte de cabelo curto. No entanto, ainda houve espaço para Marlene Dietrich escandalizar o mundo vestindo roupa de homem. Nos EUA a moda pega e muitas mulheres seguem o estilo Marlene.
A alta sociedade da época é marcada pelo luxo que se faz mostrar na bijuteria e nos acessórios e nas jóias e carteiras de noite. Quem não tem acesso a estes luxos lê as primeiras páginas do jet set publicadas nos periódicos ou as revistas femininas que entetanto saem a público, como a Marie Claire.
Nota: a foto reproduz modelos actuais, que realçam o carácter ciclo da moda, ao recuperar o estilo dos anos 20.
(Continua)

Ironias...

90 pessoas apanham a gripe suína e toda a gente quer usar uma máscara.
Um milhão de pessoas tem SIDA e ninguém quer usar um preservativo.