sexta-feira, 15 de maio de 2009

Em Cannes, rumo ao hemisfério sul

Eu sabia que ia perder muito por não estar este ano em Cannes. Logo no dia de abertura, o filme de animação "Up" deu-me razão. Gostaria de estar no lugar do vendedor de balões, mas não queria ter de esperar até aos 78 anos. Pode ser um bocadinho mais cedo?

Pelo país dos blogs (49)

Quem passa por este Rochedo há bastante tempo, sabe que um dos meus desejos adiados é criar um blog sobre viagens, onde coloque as minhas fotografias e relatos de viagens que tenho feito pelo mundo.
O nome até já está registado mas por variadas razões- a que a escassez de tempo não é alheia- tenho adiado a concretização desse desejo.
Por outro lado, cada vez que visito blogs de viagens recuo na intenção, porque não sou grande fotógrafo e creio que se calhar não é boa ideia meter-me nisso.
Há uns meses descobri um blog de viagens de que me tornei frequentador assíduo. Costumo viajar através das fotografias que o autor lá coloca ( muitas delas de lugares que conheço e me trazem recordações, outras de locais que gostaria de conhecer).
Provavelmente, muitos dos que visitam o Rochedo já por lá passaram mas a quem gosta de viajar através das imagens e dos mapas dos locais, deixo uma óptima sugestão para o fim de semana.
Vão até ao Viagens Lacoste e viagem pelo mundo inteiro. Uma beleza de blog, garanto-vos. Logo a abrir encontrarão indicações sobre a forma de melhor desfrutarem do que o Viagens Lacoste vos oferece.
Façam uma boa viagem!

Censura e Liberdade de Imprensa

A propósito dos posts que tenho vindo a publicar sobre “A Censura do Livro no Estado Novo”, alguns leitores lembraram-me a proibição do livro de João Ubaldo Ribeiro ( A Casa dos Budas Ditosos) pela Auchan.
Embora não me pareça que haja comparação possível, acedi ao desafio de comentar o assunto.
Em primeiro lugar, a censura efectuada por um supermercado, é bastante diferente da censura sistemática feita pelo Estado. Não compro o livro no Jumbo, compro noutro sítio, porque o livro não está proibido em Portugal. Se os consumidores fossem coerentes, manifestariam a sua indignação boicotando as compras de produtos da Auchan, durante uns tempos não punham os pés no Jumbo e faziam questão de divulgar a razão do boicote. Se a DECO não andasse entretida com outras coisas, tinha a obrigação de denunciar e apelar ao boicote dos seus associados.
A decisão da Auchan é própria de merceeiros e não tem outra consequência que não seja revelar a sua estupidez. A censura, durante o Estado Novo, não revelava apenas a estupidez do regime e dos censores que dele se alimentavam. Impedia o acesso dos cidadãos portugueses a livros, filmes, peças de teatro, etc. Parece-me, obviamente, bastante mais grave.
Ao escrever estas linhas, lembrei-me de outra questão que gostaria de discutir convosco: a liberdade de imprensa.
Tomei conhecimento, há dias, de uma cena que ilustra bem como algumas pessoas encaram a liberdade de imprensa em Portugal .Uma jornalista em reportagem ( não a que está na foto, mas outra...) disse ao PM : “você não morde, mas rosna e muito…” .
Trata-se de um caso de imbecilidade, de uma idiota que desconhece totalmente o que é o jornalismo e o desacredita. Daí não vem mal nenhum ao mundo e, provavelmente, até houve quem se risse muito e aplaudisse a coragem. ( Pessoalmente apenas fiquei envergonhado por saber que há jornalistas deste quilate a trabalhar em redacções, mas isso explica bem algum jornalismo que por cá se vai fazendo).Adiante…
Imagine-se, agora, que a mesma jornalista escreve num artigo “ O PM rosna e muito”.
O editor tem, obviamente, o dever de lhe cortar essa passagem. Poderá ela queixar-se de estar a ser censurada? É evidente que não… Quando não há bom senso e as pessoas não sabem gozar a liberdade de que usufruem, correm o risco de cometer abusos que, obrigatoriamente, deverão ser cortados cerce. O jornalismo não é para idiotas que pretendem ser protagonistas, mas para profissionais que prezam o rigor e a verdade.