segunda-feira, 11 de maio de 2009

Pronúncia do Norte (15)

FRANCESINHA=



= FRANCESINHA
Estarão vocês a matutar: por que raio é que este gajo inclui as Francesinhas na Pronúncia do Norte? Elementar meus caros! Esta iguaria é de origem Visigoda e só entrou no vocabulário da Mouraria durante a Expo-98.
Quando vim viver para Lisboa, às vezes dizia aos meus amigos cá da capital: “ Este fim de semana vou ao Porto comer uma francesinha”. Eles olhavam –me com ar de gozo e logo me chamavam gabarolas. Uma vez, um até me disse:
“Estás sempre a gabar-te que vais ao Porto comer uma francesinha, bem podias comer uma cá para a gente acreditar na tua bazófia”.
Eu lá lhe expliquei que uma francesinha só podia ser comida na Regaleira da Rua do Bonjardim, o que aumentou ainda mais a sua desconfiança. Deve ter ficado a pensar que a francesinha era uma prostituta fina… Não desarmei e prometi trazer-lhe uma fotografia, para ele dar a sua opinião. Quando a viu, olhou para mim com cara de enjoo. Coitado, não sabia o que era bom!Como vos disse, as francesinhas só começaram a ser conhecidas em Lisboa depois da Expo-98, fruto da globalização gastronómica interna. Fiz várias tentativas, em vários restaurantes do país, mas quase todas se revelaram decepcionantes. Não só ao nível dos ingredientes, mas também no que concerne ao ponto de cozedura do pão e à textura do molho, nenhuma se compara às que se podem comer em alguns locais do Porto ( mas aviso desde já que também no Porto se vende muita “francesinha” que não respeita os cânones idealizados pelo seu criador).
Diz-me a experiência que a sul do Douro a francesinha é uma iguaria muito mal enjorcada, que me deixa a suspirar pelas originais da Regaleira, ou as sucedâneas do Capa Negra ou da Cufra.
Seja qual for o local onde as deguste, continuo a optar pela versão original e repudio as variantes pós –modernas que a fazem acompanhar de ovo estrelado, batata frita ou camarão. Gastronomicamente sou um conservador.

Trocas e Baldrocas

Ai, ai são trocas baldrocas,
Altas engenhocas
Que eles sabem inventar!
São palavras ocas,
Faz orelhas mocas,
Não te deixes enganar!
(Cândida Branca Flor)

O senhor engenheiro até já foi Secretário de Estado do Ambiente e da Defesa do Consumidor, por isso não se devia deixar enganar com estas engenhocas!
É muito feio andar a enganar os consumidores, não vos parece?