quinta-feira, 16 de abril de 2009

Pronúncia do Norte (14)

CIMBALINO=




=BICA ?

Não é bem verdade e passo a explicar porquê. A palavra Cimbalino surgiu, porque as primeiras máquinas de café Expresso que chegaram a Portugal eram da marca Cimbali. Não saber isto, aos 17 anos, valeu-me uma grande vergonha. Um dia entrei no Nicola e pedi um Cimbalino. O empregado olhou para mim e disse muito sério “ Cimbalino não tenho, pode ser um Faemino?”. Fiquei com cara de parvo e perguntei-lhe o que era um Faemino. Ele escangalhou-se a rir e explicou-me que no Nicola as máquinas de café expresso eram da Faema, por isso, como no Norte chamavam Cimbalino, em Lisboa chamavam-se Faemino. Felizmente que antes de me vir embora ele me disse que estava a mangar comigo, caso contrário ainda era bem capaz de, no dia seguinte, ter chegado a um café e pedir um Faemino.

Ah estão para aí a rir-se, com as desgraças de um puto Visigodo que aterrou sozinho em Lisboa aos 17 anos? Então não perdem pela demora, porque eu vou explicar-vos como nasceu a palavra BICA. Querem arriscar? Não vale a pena, tenho quase a certeza que não sabem, poupo-vos os neurónios.

Pois, por estranho que vos pareça, a palavra BICA nasceu…no PORTO! Tudo se passou quando um lisboeta foi à Invicta. Estava habituado a beber o café sem açúcar, servido em Lisboa naquelas chávenas de vidro sem asas, a escorrer de uma torneira pouco higiénica, e resolveu pedir um “Cimbàlino” ( os lisboetas nunca souberam pronunciar a palavra direito. Também dizem Màtosinhos, portanto é mesmo uma questão genética, não se lhes pode levar a mal).

O empregado lá lhe trouxe o CIMBALINO, mas quando viu a cara de repulsa do lisboeta e percebeu que estava a beber sem açúcar, “abeirou-se” dele com um açucareiro e disse: Beba isto com açúcar!

O lisboeta assim fez e ficou tão satisfeito, que pediu outro logo a seguir. Quando o empregado lhe trouxe a chávena, estava o lisboeta a escrever no seu caderno de apontamentos:

“ Não esquecer ! Beber Isto Com Açúcar” . E pronto, assim nasceu, no café Palladium do Porto, a tradição de os tripeiros virem a Lisboa beber uma BICA

Em tempo: Quero chamar a atenção que escrevi CimbÀlino e tosinhos e não CimbÁlino e MÁtosinhos. O acento grave faz toda a diferença (embora tenha caído em desuso), pelo que os comentários que aqui foram feitos sobre o assunto padecem de um pequeno vício de forma. E esta hein?

Receita mágica

Esta manhã ainda continuo um bocadinho triste . Felizmente hoje é dia de "Inimigo Público", por isso fui comprar "o Público". Quando vi na capa a fotografia da Manuela Ferreira Leite, animei-me logo, porque ela é a alegria dos cemitérios e hoje estou de luto. Ainda mais hilariante, porém, foi ler esta notícia. Muito melhor do que ir ao circo ver os palhaços. E só me custou 1 euro!