sexta-feira, 13 de março de 2009

Que tal parar um pouco para reflectir?

A morte do bebé de 9 meses, abandonado pelo pai dentro do carro, não pode deixar de provocar consternação e repúdio. Baixem-se, porém, os dedos acusadores que pretendem a incriminação do pai. O sofrimento que irá sentir durante toda a vida, já será condenação suficiente.
Este episódio bem poderia servir para reflectirmos sobre a sociedade que construímos, dominada pelos valores do dinheiro e do lucro e onde o trabalho se assume como a prioridade fundamental da existência. Não quero viver numa sociedade que me procura aniquilar enquanto ser humano. Não quero viver numa sociedade onde o primado do trabalho suplanta os deveres da família. Não quero viver numa sociedade onde um tipo vai ao “Prós e Contras” afirmar, com o ar mais natural deste mundo, que os trabalhadores devem encarar a empresa “como a sua família”.
Não quero que me reduzam a um soldadinho de chumbo, às ordens do capital, condenado a trabalhar a vida inteira sem que os governos e as empresas se preocupem com a minha qualidade de vida. Não quero ser uma máquina ou mera peça da engrenagem de criação de riqueza. Quero ser Homem, porque só assim poderei ser livre.
Hoje vai realizar-se uma manifestação gigantesca em Lisboa, promovida pela CGTP. Um protesto contra o governo e a degradação das condições de vida. Que tal se pensassem um pouco sobre o assunto?