segunda-feira, 2 de março de 2009

Pronúncia do Norte (9)

BRUNIR= = ENGOMAR
Podem ler aqui o que penso da tarefa de passar a ferro. De qualquer modo adianto, desde já, que BRUNIR é muito mais apelativo. Faz-me logo lembrar a Carla Bruni, apesar de não saber se ela passa a ferro. (Cala-te boca, antes que a PresidentA me aplique mais alguma coima...)

Rochedo das Memórias (93)- Sob o signo do nove

Em 1969, mais de 100 milhões de ser humanos assistem, pela televisão, à chegada do Homem à Lua e aos primeiros passos de Neil Armstrong e Edwin Aldrin na superfície lunar.
Na Califórnia, um grupo de cientistas apresenta um relatório preocupante: os aerossóis estão a destruir a camada de ozono e se a sua utilização permanecer ao mesmo ritmo, o número de cancros de pele pode aumentar em oito mil casos anuais só nos EUA. A causa ambiental ganha novos adeptos e a ONU decide avançar para a realização de uma Conferência Mundial sobre o Ambiente a realizar em Estocolmo em 1972.
Mau ambiente continuava a respirar-se em Portugal. Enquanto, no rescaldo do Maio de 68 em França, eclodia a crise estudantil, as primeiras eleições do consulado marcelista não permitem a eleição de um único deputado da oposição democrática. Como escrevia Fernanda Botelho, Portugal era “Uma Terra Sem Música”.
Lá fora era outra música. O movimento hippie é consagrado no cinema com "Easy Rider" e em Woodstock realiza-se, durante três dias, o concerto musical do século. Meio milhão de jovens assiste empunhando flores, partilhando drogas e cantando a esperança de que o futuro será de paz amor. O sonho durará pouco tempo e Make Love Not War ficará apenas como um slogan. Nem o sentimentalismo um pouco serôdio de Love Story será capaz de impedir o desfazer do sonho. Aliás, no mundo do cinema, vive-se um pesadelo, com o trágico assassinato de Sharon Tate, vítima da ira de uma seita de culto satânico. Costa Gravas dava a conhecer ao mundo as atrocidades do Chile com o filme Z e Claude Chabrol estreava, em França, “O Carniceiro”.
Yasser Arafat é eleito presidente da OLP e Kadafhi proclama a República Socialista Islâmica. Imparável está a sociedade de consumo que não se cansa de nos vender ilusões e criar falsas necessidades. O consumo de massas irá durar até à década de 90. A partir dessa altura passaremos a viver- sem que disso nos apercebamos- na sociedade da hiperescolha. Mas ainda é cedo para falar disso. É cedo para matar definitivamente o sonho...