domingo, 1 de fevereiro de 2009

Coisas de domingo

Como se já não bastasse a crise mundial, a mesquinhez da política nacional, as previsões catastrofistas de Medina Carreira ( que foi, por acaso, mau ministro das Finanças do PS) e as homilias do Pacheco Pereira, eivadas de resquícios maoísta, ainda havia de vir S. Pedro juntar-se à festa enviando-nos um dos invernos mais rigorosos das últimas décadas. Perante este panorama, só torço para que amanhã esteja um dia de temporal e o sol não ouse sequer aparecer por trás das nuvens. Eu bem sei porque formulo este desejo. E vocês?

Mudam-se os tempos...

Lembram-se do tempo em que se pedia insistentemente a liberalização dos preços dos combustíveis , alegando que ficariam mais baratos? Eu lembro e sempre afirmei que não seria uma boa ideia.
Como seria de esperar, a liberalização descambou num regabofe sem nome.
Agora divirto-me imenso a ver aqueles que pediam a liberalização a exigirem a intervenção do Estado para controlar os preços, enquanto acusam as gasolineiras de estarem a actuar em cartel.
Assim se vê que a incoerência e o oportunismo bate à porta de todos ou, como diz o povo, na sua imensa sabedoria, “a ocasião faz o ladrão”.