segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Vamos ao circo? Ou preferem as touradas?...


Como todas as crianças gostava de circo. Gostava dos palhaços, dos trapezistas, dos malabaristas e de todo o ambiente em volta. Mas- excepção feitas aos cãezinhos- nunca gostei de ver animais a animar as tardes de férias de Natal. Impacientava-me, torcia-me na cadeira , não parava quieto. Sofria com os animais, porque imaginava os maus tratos a que deviam ter estado sujeitos para fazerem aquelas habilidades.
Um dia, alguém me disse que os leões, tigres, panteras e outros animais selvagens eram drogados antes de entrara em pista, mas nunca acreditei muito nisso. Olhava para eles como prisioneiros e escravos que foram obrigados, à força da chibata, a obedecer ao dono. Saúdo, por isso, a entrada em vigor da lei que restringe a compra e reprodução de animais circenses. Sinto, porém uma amargo de boca. A lei parece-me incompleta, porque não contempla as touradas, onde os animais são barbaramente torturados, perante o gáudio da multidão.
Eu sei que vão dizer-me que as touradas são uma tradição secular. Peço desculpa, mas não aceito essa justificação, nem que me digam que é uma arte e se trata de uma luta entre homem e touro ( com o sem cavalo de permeio) . Uma tradição não justifica a barbárie das touradas, a luta é desigual, não faz qualquer sentido e se aquilo é arte, eu manifesto-me desde já artisticamente analfabeto.
Prevejo discussões animadas sobre este assunto na caixa de comentários, pelo que deixo desde já aqui uma notícia. Em Espanha, as touradas de morte são igualmente uma tradição, mas na Catalunha ( cada vez mais europeia e menos ibérica) as touradas estão em vias de extinção. As associações de defesa dos direitos dos animais cumpriram a sua parte, mas o orgulho catalão foi determinante para acabar com o espectáculo.

18 comentários:

  1. Carlos

    O circo sempre me deixou triste, talvez pelos circos portugueses serem de uma pobreza franciscana.
    A menina muito magra pintada com uma corista e fato de lantejolas com as costelas á vista que se torcia toda e vendia pipocas, o senhor que apresentava o circo e estalava o chicote por cima de leões decrépitos cheios de artrozes por não se mexerem, os palhaços ricos (sempre os detestei), vinha do circo sempre com um aperto, um nó no estomago.
    Touradas também não gosto.

    beijos

    ResponderEliminar
  2. - Para além de economicamente proveitoso, também era tradicional, cutural e ideologicamente correcto considerar os negros escravos e baixo de qualquer nível de intelectualidade e seres de direito! Evolui-se aqui.
    E no resto?!

    - Além de que matar para sobrevivência e manuntenção da cadeia alimentar é uma coisa - mas para enretenimento dos humanos é outra. A tradição e cultura? Defendo-as. Quando não põem em causa seres indefesos apenas para gáudio humano. Não me diverte, não. Mesmo nada!

    ResponderEliminar
  3. Nunca gostei nem de uma coisa nem de outra.
    O único circo de gosto é o Cirque du Soleil.

    ResponderEliminar
  4. Concordo plenamente com você, Carlos. Não sei como pode ser arte tal violência, quer insira morte do touro ou do toreiro.
    Antes prefiro o circo, com seus palhaços tristes - tristezas que as crianças não percebem - seus mágicos, seus malabarista, um lugar encantado para o mundo infatil...

    ResponderEliminar
  5. Hhahahaha....estou trabalhando e volto mais tarde para comentar em detalhes...
    mas é claro que minha opinião é contrária à qualquer uma das opções :o)

    ResponderEliminar
  6. Sinceramente? Nem precisei acabar de ler o texto. Nutro um certo fundamentalismo por tudo o que é direito dos animais. Os fundamentalismos não são bons, é uma verdade, mas o sofrimento dos animais é intolerável. E quanto a mim, ainda pior do que touradas é mesmo o circo. Abomino circo que meta animais. É visceral!

    ResponderEliminar
  7. Da minha parte, a "coisa" é totalmente pacífica: estou de acordo contigo a 100%: nunca gostei do circo, abomino as touradas e irrito-me com quem lhes dá o título de arte!
    Um abraço solidário:))

    ResponderEliminar
  8. Nada justifica que uma tradição sendo bárbara se mantenha. Também é tradicional a ablação do clítoris, por colocar um exemplo extremo. Eu nunca gostei de circo precisamente pelo mesmo que o Carlos. Também não gosto de touradas. Em Espanha, numa vila chamada Manganeses de la Polvorosa tinham o costume bárbaro de atirar uma cabra desde a torre duma igreja, que já se proibiu, mas muitos vizinhos opuseram-se à proibição no seu momento, alegando que era tradição, e em muitas festas populares se maltratavam toda classe de animais. No entanto, as touradas continuam, com alguma oposição, mas sempre em lugares de Espanha, como Catalunya ou Galiza em que esse "espectáculo" nunca foi tradicional.

    ResponderEliminar
  9. Gostava de circo quando criança, também. Gostava daquele cheiro, das cores e das fitas, da música pirosa, dos gritos e das aflições quando as acrobacias íam para além do que achávamos possível.
    Gostava de ver os animas que me pareciam sempre enormes e cujos tratadores eu considerava heróis. Estas são as memórias que tenho da ida ao Circo por alturas do Natal, com todos os meus irmãos e primos.
    Hoje, pelo que entretanto sei, não gosto de circo. E a minha filha e sobrinhos não vão ter tais memórias.

    Já das touradas abstenho-me totalmente de opinar: sou filha de forcado amador dos Forcados de Santarém. Ajuda? ;)

    Abraço Carlos, mais um tema polémico, bem a seu gosto *

    ResponderEliminar
  10. Olá!
    Já na semana passada dei uma dica sobre o assunto...
    Ontem li com atenção no" i " , a entrevista ao sr. Cardinalli. Defende o seu ponto de vista, sem deixar de pôr em causa a contradição com os outros espectáculos bárbaros...
    Realmente o circo, já teve a sua função "pedagógica", quando só aí se podiam ver animais selvagens.
    Isso já foi noutro seculo! Como disse no meu post, tudo evolui. O gosto e o prazer da daliberdade....direitos e deveres...
    "Malgré"... contradições humanas, que atacam alguns valores , mas mantêm em suas casas avezinhas engaioadas ,e não só, um circo doméstico...
    Veremos, vamos lá á arte sem sofrimento animal, racional e irracional.
    .))

    ResponderEliminar
  11. Circo:- nunca! é triste , abusam dos animais .Não gosto dos palhaços , sempre me fiziam chorar em pequena.Nunca levei os meus filhos e mesmo assim , pelo que viam no televisão , tambem não apreciam
    Touradas NUNCA , uma vez coloquei no outsider uma foto de um lindo touro preto tendo como titulo " "desamparados e frageis" Muita gente não compreendeu .....

    ResponderEliminar
  12. Sinceramente, Carlos??
    Não sei se esta lei trará alguma coisa de bom.
    Defendo os direitos dos animais e repugna-me que os maltratem, mas, se calhar, como em tudo neste país, era capaz de ser mais eficaz uma boa fiscalização do que esta proibição. Não duvido que haja muitos circos que não forneçam as condições mínimas para os seus animais e a esses deveria ser aplicada mão pesada, multando-os e retirando os espécimes em causa.
    Mas não esqueçamos que animais em más condições representam um perigo para os próprios tratadores e domadores, pelo que, pelo menos no que diz respeito aos mais selvagens, julgo que os cuidados , principalmente a nível de alimentação, tenham de ter um mínimo de qualidade. Por outro lado, animais amorfos e doentes não atraem nenhum público e aí também acredito que sejam obrigados a manter algumas regras, quanto mais não seja para continuar o negócio.
    Em relação à chibata, Carlos, vou-lhe contar o que li há uns bons anos num artigo sobre artes circenses: Sobre este assunto, dizia-se que era um mito, já que a chibata não é usada no animal, mas sim no ar - a chicotada que bate num corpo não se ouve - e representa o som que os animais foram treinados a seguir como indicação de mudança de 'habilidade'. A obediência é conseguida pelo respeito mútuo entre domador e fera, e o comportamento condicionado pela velha recompensa. De outro modo, dizia ainda a publicação, não seria possível conseguir que animais como tigres e, sobretudo leões, que são capazes de estratégias conjuntas de caça, se mantivessem quietos, em círculos à volta de uma só pessoa. Do mesmo modo se falava dos elefantes, cuja inteligência e capacidade de memorização são fantásticas, possuindo força e capacidade mais do que muita para reagir a maus tratos e, em particular, às pessoas que lhos infligem. E falava ainda das jaulas e da inevitável comparação com os animais que se encontram nos jardins zoológicos, e das somas avultadíssimas que cada espécime custa e do tempo que levam a treinar, o que torna cada um deles 'património' precioso a conservar.
    Este artigo - que vale o que vale, já que nem consigo lembrar-me em que revista o li - veio-me à memória no dia em que foi aprovada a lei e, pelo menos, fez-me questionar quanto teria de verdade e quanto de mentira...

    P.S. Relativamente às touradas, isso é outra conversa - que eu saiba, nenhum circo tem por espectáculo elegantes e bem vestidas formas de ferir e fazer sangrar na arena os seus animais...

    ResponderEliminar
  13. Também quando era pequeno gostava de ir ao circo, assistir aos malabaristas e trapezistas e aos animais, sobretudo os exóticos, que de outra forma seria difícil vê-los ao pé. É claro que com a idade vim a constatar que os animais eram mal tratados, eram amestrados com violência e viviam em péssimas condições. Qualquer que seja a exploração de animais para gáudio dos humanos é de lamentar, mas deixo uma questão. Acham que também se deveria acabar com os espectáculos dos golfinhos e outros animais marinhos?

    ResponderEliminar
  14. carlos
    como disse no delito de opinião, penso que as touradas n foram contempladas na portaria do ministério do ambiente porque o lóbi dos tauromáquicos e dos ganadeiros é bem mais poderoso do que o do circo. daí...
    quanto a mim touradas, circos, zoos, maus tratos e crueldade contra animais fazem-me sofrer até ao mais fundo do meu ser.
    abração
    zoe

    ResponderEliminar
  15. E como já disse no Vila Forte: Nós portugueses, temos a mania de começar as leis pelo fim.
    Acabar com os animais no circo é muito fácil.

    E leis verdadeiras e duras para quem abandona os seus animais nas estradas, para quem os mata qd estão doentes, para quem atira pedras aos gatos, para quem os deixa acorrentados toda a sua vida nas casotas, para quem não lhes dá de comer, para quem os deixa na rua ao frio?

    Leis da treta, há milhares de animais muito pior maltratados dentro das nossas casas e nas ruas, do que os animais dos circos.
    Comecem por uma lei que os proteja e depois então vão lá ao circo!

    E depois os animais são eles!

    ResponderEliminar
  16. Nunca meti os pés num circo e tourada vi uma e chegou!

    ResponderEliminar
  17. Quando criança eu tb me sentia mal ao ver os animais no picadeiro, mesmo sem ainda compreender que eles poderiam sofrer, eu já sentia dó. Afinal eu era a menina que trazia prá casa cachorro atropelado, gato estropiado e passarinho de asa quebrada.Minha mãe ficava louca da vida.
    E qto às touradas, sou radicalmente contra desde que vi pela primeira vez o homem espetando o touro, até levá-lo à morte, de forma vergonhosamente covarde.É, esse tema me põe o sangue à ferver...

    ResponderEliminar