sábado, 24 de outubro de 2009

Hoje estou assim...

Um dia, alguém perguntou a Galileu:

- Quantos anos tens?

- Oito ou dez, respondeu. Perante o olhar atónito do seu interlocutor, esclareceu:

Tenho os anos que me restam de vida, porque os já vividos não os tenho mais.

Aviso: Nos próximos dias vou andar por aí, mas deixei agendados posts até ao meu regresso. E na terça-feira distribuirei uns presentinhos.

32 comentários:

  1. Não vale, não vale, não vale!!
    Deixar-nos assim pendurados, sem possibilidade de lhe dar os parabéns pessoalmente, olha que conversa!!!
    Acho que vou amuar e pensar em que raio de coima esta atitude se encaixa, hummmmmpfffffff!!

    ResponderEliminar
  2. Pronto, Carlos: já deixei os parabéns no texto anterior, mas vão cá outros mais. Passe bem "por aí". ^_^

    Que sejam muitos e bons os que lhe restam e que eu, como dizemos cá, que o veja (e que o leia).

    ResponderEliminar
  3. Carlos,
    Também tenho idades conforme os dias, mas não como Galileu. Nem quero saber o tempo que me resta, embora saiba que já nem é muito...
    Tem dias que sou mulher jovem, sonhadora, noutros sou madura, ponderada, mas ainda sonhadora e, em outros ainda, tenho cem anos e carrego em mim as tristezas do mundo - felizmente estes são muito raros... Se tivermos a idade da alma, ou a que ela julga ter... ai, ai, ai... pobre de mim... rs...

    ResponderEliminar
  4. Que perspectiva rigorosa e interessante! Diremos então todos: sei lá que idade tenho...

    Bons passeios, e tentarei vir cá 3ª-feira:))

    ResponderEliminar
  5. Parece então que a razão do "andar por aí" são os festejos aniversariantes! Pois muitos parabéns e muitos anos de vida:))

    ResponderEliminar
  6. A si não lhe faltam, com toda a certeza, 8 ou 10 anos de vida.
    Não se atreva a morrer senão eu mato-o!

    Muitos parabéns, Querido Carlos.

    ResponderEliminar
  7. Carlos,
    Andamos nostalgicos... Mas olhe que eu acho que é importante os anos que já vivemos pois são esses que nos dão "suporte".
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Parabéns Senhor Escorpião!
    O meu Pai também faz hoje anos e fazem 45 anos de casados :-)
    Have a nice day

    ResponderEliminar
  9. Parabéns, Carlos! Faz anos com a cidade de Manaus, a diferença está no "pequeno gap" dos trezentos...;)
    Feliz dia e um grande abraço.

    ResponderEliminar
  10. Ora então os meus parabéns. Muitos mais.

    ResponderEliminar
  11. Sabe que mais?
    Parabéns.
    E sabe que mais? O certo é o presente... o passado já era e o futuro não o sabemos...
    Por isso goze bem o dia de hoje...
    ... e até daqui a, deixa cá ver... 50 anos, pode ser?
    Pronto 49!

    ResponderEliminar
  12. Parabéns, Carlos - faça o favor de ser sempre assim e feliz!
    Um abraço!
    Neste seu dia, de aniversário, deixo-lhe também uns presentinhos que, nem de propósito, têm a ver com Galileu, eu já os tinha escolhido antes de ler o seu post - “e essa hein?!” – esta ligação sobre uma das iniciativas dispersas por vários países para celebrar mais um momento especial do Ano Internacional de Astronomia 2009 - as “Noites de Galileu” que aconteceram entre os dias 22 e hoje dia 24 - http://www.galileannights.org/ e
    “Poema para Galileu”
    Estou olhando o teu retrato, meu velho pisano,
    aquele teu retrato que toda a gente conhece,
    em que a tua bela cabeça desabrocha e floresce
    sobre um modesto cabeção de pano.

    Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da tua velha Florença.
    (Não, não, Galileu! Eu não disse Santo Ofício.
    Disse Galeria dos Ofícios).

    Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da requintada Florença.
    Lembras-te? A ponte Vecchio, a Loggia, a Piazza della Signoria...
    Eu sei... Eu sei...
    As margens doces do Arno às horas pardas da melancolia.
    Ai que saudade, Galileu Galilei!

    Olha. Sabes? Lá na Florença
    está guardado um dedo da tua mão direita num relicário.
    Palavra de honra que está!
    As voltas que o mundo dá!
    Se calhar até há gente que pensa
    que entraste no calendário.

    Eu queria agradecer-te, Galileu,
    a inteligência das coisas que me deste.
    Eu,
    e quantos milhões de homens como eu
    a quem tu esclareceste,
    ia jurar - que disparate, Galileu!
    - e jurava a pés juntos e apostava a cabeça
    sem a menor hesitação -
    que os corpos caem tanto mais depressa
    quanto mais pesados são.

    Pois não é evidente, Galileu?
    Quem acredita que um penedo caia
    com a mesma rapidez que um botão de camisa ou que um seixo da praia?
    Esta era a inteligência que Deus nos deu.

    Estava agora a lembrar-me, Galileu,
    daquela cena em que tu estavas centado num escabelo
    e tinhas à tua frente
    um guiso de homens doutos, hirtos, de toga e de capelo
    a olharem-te severamente.

    Estavam todos a ralhar contigo,
    que parecia impossível que um homem da tua idade
    e da tua condição,
    se estivesse tornando um perigo
    para a Humanidade
    e para a civilização.

    Tu, embaraçado e comprometido, em silêncio mordiscava os lábios,
    e percorrias, cheio de piedade,
    os rostos impenetráveis daquela fila de sábios.
    Teus olhos habituados à observação dos satélites e das estrelas,
    desceram lá das suas alturas
    e poisaram, como aves aturdidas - parece-me que estou a vê-las -,
    nas faces grávidas daquelas reverendíssimas criaturas.

    E tu foste dizendo a tudo que sim, que sim senhor, que era tudo tal qual
    conforme suas eminências desejavam,
    e dirias que o Sol era quadrado e a Lua pentagonal
    e que os astros bailavam e entoavam
    à meia-noite louvores à harmonia universal.

    E juraste que nunca mais repetirias
    nem a ti mesmo, na própria intimidade do teu pensamento, livre e calma,
    aquelas abomináveis heresias
    que ensinavas e escrevias
    para eterna perdição da tua alma

    Ai, Galileu!
    Mal sabiam os teus doutos juízes, grandes senhores deste pequeno mundo,
    que assim mesmo, empertigados nos seus cadeirões de braços,
    andava a correr e a rolar pelos espaços
    à razão de trinta quilômetros por segundo.

    Tu é que sabias, Galileu Galilei.
    Por isso eram teus olhos misericordiosos,
    por isso era teu coração cheio de piedade,
    piedade pelos homens que não precisam de sofrer, homens ditosos
    a quem Deus dispensou de buscar a verdade.

    Por isso, estoicamente, mansamente,
    resististe a todas as torturas,
    a todas as angústias, a todos os contratempos,
    enquanto eles, do alto enacessível das suas alturas,
    foram caindo,
    caindo,
    caindo,
    caindo,
    caindo sempre,
    e sempre,
    ininterruptamente,
    na razão direta dos quadrados dos tempos
    António Gedeão
    (Rómulo de Carvalho)
    1906-1977

    (perdoe-me abusei do seu espaço, mas não quiz cortar o poema)

    ResponderEliminar
  13. Não interessa nada quantos faltam..o importante é que sejam bem vividos, PARABÉNS!

    PS: já agora fazia diferença saber quantos restam!?, Eu prefiro não saber.

    ResponderEliminar
  14. 'For what is a man, what has he got?
    If not himself, then he has naught.
    To say the things he truly feels;
    And not the words of one who kneels.
    The record shows I took the blows -
    And did it my way!'
    http://www.youtube.com/watch?v=-ze7VZSk4oI

    Tchim! Tchim!
    Um grande beijinho, Carlos:)

    ResponderEliminar
  15. Muitos Parabéns.

    E, lamento, mas discordo de Galileu: os anos que passaram não voltam mas fizeram-nos e ensinaram-nos. São nossos, pois. :)

    R.

    ResponderEliminar
  16. Falta muito pouco para a meia-noite e os meus parabéns estão quase atrasados!

    Boas mini-férias e um optimo ano.
    PARABÉNS.

    ResponderEliminar
  17. Lendo os comentários - sempre interessantes - vi parabéns deixados ao aniversariante?.. Está aniversariando, Carlos?
    Pois peço-lhe desculpas, não sabia. Mas desejo a você muitas felicidades, e deixo aqui meus parabéns.

    ResponderEliminar
  18. Escorpiões ambos somos...
    Parabéns, Carlos e boa viagem...
    Espero que o concerto de ontem lhe tenha proporcionado muitas e boas emoções.
    :))

    ResponderEliminar
  19. O meu avô quando lhe davam parabéns e lhe desejavam muitos anos de vida, costumava responder:"Os que faltam não sei, mas os que tenho já ninguém mos tira." Viveu 93 anos, mantendo um bom humor que lhe era muito característico.
    beijinhos com raios de sol

    ResponderEliminar
  20. Parece então que por aqui há quem esteja em festa de aniversário.

    Se assim for, cá estou presente a desejar-lhe muitos anos de vida, mil felicidades e muitos parabéns.

    Beijinhos e até 3ª feira.
    Divirta-se!!!

    ResponderEliminar
  21. Parabéns a você,
    nesta data querida,
    muitas felicidaaaaaaaaades,
    muitos aaaaaaaaannossss de vidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!

    Beijos e abraços.

    ResponderEliminar
  22. Só agora me apercebi que ontem foi o dia de aniversário do dono da casa.
    Muitos parabéns!

    ResponderEliminar
  23. eh eh eh eh... ainda a rir com o comentário da Gi. E eu mato-o outra vez. :)
    Parabéns, Carlos. Um abraço.

    ResponderEliminar
  24. Carlos
    parabéns e passe uns dias agradáveis.

    ResponderEliminar
  25. Que los cumplas feliz,
    Que los cumplas feliz,
    Que los cumplas Carlos,
    Que los cumplas feliz.

    ResponderEliminar
  26. Muitos Parabéns.
    chego atrasado,mas este fds foi muito agitado,latada em coimbra, encontro tuiteiros e jantar de editores Vila Forte...e os 20 anos já lá vão....
    grande abraço
    hoje o Vila Fortecomemora os seus 3 anos.

    ResponderEliminar
  27. Bom dia, Carlos

    Quando voltar dessas suas andanças, por favor, dê uma passadinha lá no "Livro dos Meus Selos" para retirar um selinho oferecido ao seu "Crônicas" por ser um blog muito instigante.
    << http://em-prosa-e-verso-selos.blogspot.com/ >>

    ResponderEliminar
  28. Carlos,
    Então era o seu dia de anos?!!! Muitos parabêns e mantenho o que disse: os anos vividos são um bom suporte!
    Um beijo especial

    ResponderEliminar
  29. E eu com esta mania de não patrulhar o bairro ao fim-de-semana deixo sempre passar umas datas especiais. Pois bem Carlos que tenhas muitos e bons anos pela frente, tantos ou mais vividos dos que já tiveste.

    Abraço.

    ResponderEliminar